PROBLEMÁTICAS NO TRABALHO DOCENTE BRASILEIRO

UMA REVISÃO DE LITERATURA NA PERSPECTIVA ERGOLÓGICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.32554

Palavras-chave:

Trabalho docente no Brasil, Atividade de trabalho docente, Ergologia

Resumo

Este artigo objetivou identificar as principais problemáticas vivenciadas no trabalho docente em estudos recentes brasileiros de perspectiva teórico-analítica ergológica. Para tanto, procedeu-se com uma revisão integrativa de literatura. O quadro teórico utilizado baseou-se em pressupostos e conceitos advindos da Ergologia. Os artigos selecionados estão indexados nas bases Scielo Brasil, Periódico CAPES, BVS Brasil e na Revista Ergologia, e contemplam pesquisas brasileiras desenvolvidas em um período de cinco anos – entre 2014 e 2019. Os resultados mostram que problemáticas diversas são vivenciadas por docentes brasileiros. Tais problemáticas foram agrupadas e analisadas em três temáticas distintas: 1) Prescrições do trabalho; 2) Organização do trabalho; e, 3) Confronto entre saberes. Os resultados evidenciam como necessária a produção de conhecimentos provenientes da gestão da atividade para a positiva transformação do trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Ramos de Melo, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutoranda e Mestre em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); Graduação em Administração pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); Graduação em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MG); Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Mônica de Fatima Bianco, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo (POLI-USP); Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Graduação em Engenharia de Produção pela Universidade de São Paulo (EESC-USP); Professora Titular do Departamento de Administração da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Priscilla de Oliveira Martins-Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); Professora do Departamento de Administração da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Referências

ALVES, Shirlei Marly. A ativid@de de tutores na educação a distância: um olhar ergológico para o prescrito e o vivido nos ambientes virtuais de aprendizagem. Letras de Hoje, v. 49, n. 3, p. 336-344, 2014.

ALVES, Wanderson Ferreira. A invisibilidade do trabalho real: o trabalho docente e as contribuições da ergonomia da atividade. Revista Brasileira de Educação, v. 23, 2018.

ARBEX, Ana Paula Santos; SOUZA, Katia Reis; MENDONÇA, André Luis Oliveira. Teaching, readjustment and health: the experience of teachers at a public university in Brazil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 23, n. 1, p. 263-284, 2013.

BARROS, Maria Elizabeth Barros de; SILVA, Fabio Hebert da; ZAMBONI, Jésio; MARTINS, Líbia Monteiro; CARDOSO, Jaddh Yasmin Malta. Resistências à precarização no trabalho docente: posicionamentos teóricos e metodológicos. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 14, n. 2, p. 1-14, 2019.

BEATO-CANATO, Ana Paula Marques; ARRUDA, Larissa de Souza. O professor de francês como língua adicional construído no currículo de um curso de licenciatura em Letras. Veredas-Revista de Estudos Linguísticos, v. 21, n. Especial, p. 338-358, 2017.

BENDASSOLLI, Pedro Fernando; SOBOLL, Lis Andrea Pereira. Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. In BENDASSOLLI, Pedro Fernando; SOBOLL, Lis Andrea Pereira (Orgs.) Clínicas do Trabalho: novas perspectivas para a compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011.

BORGES, Maria Elisa Siqueira. Trabalho e gestão de si: para além dos “recursos humanos”. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 7, p. 41-49, 2004.

BOTELHO, Louise Lira Roedel; CUNHA, Cristiano Castro de Almeida; MACEDO, Marcelo. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, v. 5, n. 11, p. 121-136, 2011.

CANÁRIO, Rui. Formação e Desenvolvimentos. In: DI RUZZA, Renato; LACOMBLEZ, Marianne; SANTOS, Marta Ergologia, Trabalho, Desenvolvimentos. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2018. p. 43-67.

CANGUILHEM, Georges (2002). Écrits Sur la Médecine, Paris, Seuil, 2002.

CLOT, Yves. O trabalho docente e a saúde dos professores: o coletivo como recurso?. Trabalho & Educação, v. 29, n. 3, p. 69-74, 2020.

DE FREITAS, Vanessa Carla; PETINELLI-SOUZA, Susane. O trabalho docente: entre prescrições e renormalizações. Ergologia, n° 20, 2018.

DI RUZZA, Renato; LACOMBLEZ, Marianne; SANTOS, Marta Ergologia, Trabalho, Desenvolvimentos. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2018.

DIAS, Deise de Souza; SANTOS, Eloisa Helena; ARANHA, Antônia Vitória Soares. Contribuições da ergologia para a análise da atividade de trabalho docente. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 1, p. 211-227, 2015.

DURRIVE, Louis; SCHWARTZ, Yves. Glossário da ergologia. In: DI RUZZA, Renato; LACOMBLEZ, Marianne; SANTOS, Marta. Ergologia, Trabalho, Desenvolvimentos. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2018. p.11-29.

GOULART, Maria Stella Brandão; ANTUNES, Juliana Coelho. Professores: sofrimento mental na Universidade Pública?. Trabalho & Educação, v. 29, n. 3, p. 95-112, 2020.

HOLZ, Edvalter Becker; BIANCO, Mônica de Fátima. Ergologia: uma abordagem possível para os estudos organizacionais sobre trabalho. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro , v. 12, n. spe, p. 494-512, 2014.

JOGAIB, Marta Luiza Montenegro Lana; MUNIZ, Hélder Pordeus. Aposentadoria e trabalho docente: momento de despedidas ou reencontros com o trabalho?. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 18, n. 1, p. 47-59, 2015.

LEMOS, Denise. Trabalho docente nas universidades federais: tensões e contradições. Caderno CRH, v. 24, n. SPE1, p. 105-120, 2011.

LIMA, Natália Valadares; CUNHA, Daisy Moreira. Saberes docentes: as políticas de reconhecimento de saberes dos professores da educação profissional no Brasil. Educação em Revista, v. 34, 2018.

LÜDKE, Menga; BOING, Luiz Alberto. O trabalho docente nas páginas de Educação & Sociedade em seus (quase) 100 números. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1179-1201, 2007.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, v. 17, n. 4, p. 758-764, 2008.

PETINELLI-SOUZA, Susane; SOUZA, Eloísio Moulin de. O trabalho docente no curso de administração: algumas (re) significações. Educação em Revista, v. 28, n. 2, p. 83-102, 2012.

RIBEIRO, Josina Maria Pontes; ARAÚJO-JORGE, Tania Cremonini de; BESSA NETO, Vicente. Ambiente, saúde e trabalho: temas geradores para ensino em saúde e segurança do trabalho no Acre, Brasil. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 20, p. 1027-1039, 2016.

SANT’ANNA, Vera Lucia de Albuquerque. Práticas discursivas delimitadoras de conteúdos: estudo de ementas da formação profissional de professor de línguas. Letras de Hoje, v. 49, n. 3, p. 317-325, 2014.

SCHWARTZ, Yves. A comunidade científica ampliada e o regime de produção de saberes. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, n. 7, p. 38-46, jul./dez, 2000a.

SCHWARTZ, Yves. O trabalho e o ponto de vista da atividade. Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2ª ed. Niterói: EdUFF, 2010, p. 47-82.

SCHWARTZ, Yves. Trabalho e uso de si. Pro-posições, v. 11, n. 2, p. 34-50, 2000b.

SCHWARTZ, Yves; DUC, Marcelle; DURRIVE, Louis. Trabalho e ergologia. In: SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010, p. 25-46.

THERRIEN, Jacques; LOIOLA, Francisco Antônio. Experiência e competência no ensino: pistas de reflexões sobre a natureza do saber-ensinar na perspectiva da ergonomia do trabalho docente. Educação & Sociedade, v. 22, n. 74, p. 143-160, 2001.

TRINQUET, Pierre. Trabalho e Educação: o método ergológico. Revista HISTEDBR, Campinas, v. 10, n. número especial, p. 93-113, ago. 2010.

VERÍSSIMO, Mariana; FARIA, Eni de; OLIVEIRA, Maria das Graças; SILVA, Jurandir Soares da. A complexidade do trabalho docente: engajamento e criação. Ergologia, n° 19, 2018.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

MELO, M. R. de; BIANCO, M. de F.; MARTINS-SILVA, P. de O. PROBLEMÁTICAS NO TRABALHO DOCENTE BRASILEIRO: UMA REVISÃO DE LITERATURA NA PERSPECTIVA ERGOLÓGICA. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 30, n. 2, p. 103–119, 2021. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.32554. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/32554. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS