AS PERCEPÇÕES DOS(AS) TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS(AS) EM EDUCAÇÃO SOBRE JORNADA DE 30 HORAS NA UFMG

Autores

  • Ligia Mara Sabino Universidade Federal de Minas Gerai (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.35096

Palavras-chave:

Jornada de trabalho, Técnico-administrativo em educação, 30H

Resumo

O texto traz o resultado da pesquisa de mestrado profissional sobre as percepções dos/as técnico-administrativos/as em educação sobre o impacto da mudança da jornada de trabalho de 40h para 30h semanais nos processos de trabalho e na vida desses trabalhadores. A metodologia utilizada foi entrevista semiestruturadas, análise de material documental (dispositivos legais, documentos do sindicato, ofícios institucionais) e revisão bibliográfica.  Concluímos que, somente a flexibilização da jornada de trabalho não garante qualidade de vida fora e dentro do trabalho, senão vier acompanhada de outros fatores, como, política de contratação de pessoal, políticas públicas de mobilidade urbana e mudança no imaginário social quanto à divisão sexual e racial do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ligia Mara Sabino, Universidade Federal de Minas Gerai (UFMG)

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Graduada em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Especialista em Políticas para a Juventude pela Faculdade Newton Paiva

Downloads

Publicado

2022-02-03

Como Citar

SABINO, L. M. AS PERCEPÇÕES DOS(AS) TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS(AS) EM EDUCAÇÃO SOBRE JORNADA DE 30 HORAS NA UFMG. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 209–210, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.35096. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/35096. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

RESUMOS