AUTOINTENSIFICAÇÃO E A IDEOLOGIA DO CUIDADO

UM ESTUDO SOBRE O TRABALHO DAS PROFESSORAS DO PRIMEIRO CICLO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2023.41410

Palavras-chave:

Intensidade do trabalho, Ideologia do cuidado, Professoras alfabetizadoras

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar os resultados da investigação no âmbito do mestrado em Educação cujo objetivo foi investigar a percepção das docentes da rede estadual paulista em relação à intensidade do trabalho. A fundamentação teórica se apoiou no conceito de intensidade do trabalho estabelecido por Dal Rosso (2008,2015) e no debate sobre intensificação e intensidade do trabalho docente realizado por Apple (1995) e Hypolito (2009) e de docência e gênero realizado por Carvalho (1999) e Chamon (2005). A pesquisa de campo recorreu à técnica de grupo focal. Os resultados indicam que percepção dos docentes no que concerne a alta intensidade do trabalho se atribui especialmente ao alongamento da jornada de trabalho, ao rompimento das fronteiras entre tempos de trabalho e de não trabalho, à alta dosagem emocional exigida. Além disso, o conjunto de dados permitiu indicar a presença de um processo de autointensificação do trabalho entre as docentes alfabetizadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Pereira Fernandes, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Paulo, Graduação em Ciências Sociais pela mesma instituição. Socióloga e educadora, professora e tradutora de espanhol e, estudante de Filologia na UNED

Marieta Gouvêa de Oliveira Penna, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Doutora em Educação: História, Política e Sociedade: Educação e Ciências Sociais pela PUC-SP Mestre História, Política e Sociedade: Educação e Ciências Sociais pela mesma instituição, Graduação em História pela USP. Professora associada na UNIFESP, atua na graduação e na Pós-Graduação (Programa de Pós-Graduação em Educação)

Referências

APPLE, Michael W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e gênero. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, set./dez. 2005.

BARBOSA, Sandra Jaqueline. A intensificação do trabalho docente na escola pública. 2009. 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

CARLOTTO, Mary Sandra. A síndrome de burnout e o trabalho docente. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 1, jan./jun., 2002.

CARVALHO, Marília Pinto. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

CHAMON, Magda. Trajetória de feminização do magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: Autêntica/FCH – FUMEC, 2005.

DAL ROSSO, Sadi. Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

DAL ROSSO, Sadi; CARDOSO, Ana Cláudia Moreira. Intensidade do trabalho: questões conceituais e metodológicas. Revista Sociedade e Estado – vol. 30, n. 3, set./dez. 2015.

GARCIA, Maria Manuela Alves; ANADON, Simone Barreto. Reforma educacional, intensificação e autointensificação do trabalho docente. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 106, jan./abr. 2009.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: LiberLivro Editora, 2012.

GOULART, Debora; CÁSSIO, Fernando L.; XIMENES, Salomão Barros. Rede escola pública e universidade: produção do conhecimento para/com as lutas educacionais. Revista Brasileira de Educação, vol. 24, 2019.

HYPOLITO, Álvaro M.; VIEIRA, Jarbas Santos; PIZZI, Laura Cristina Vieira. Reestruturação curricular e autointensificação do trabalho docente. Currículo sem fronteiras, v.9, n.2, jul/dez. 2009.

INEP. Resumo Técnico do Estado de São Paulo – Censo da Educação Básica 2021, 30 ago. 2022. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/centrais-de-conteudo/acervo-linha-editorial/publicacoes-institucionais/estatisticas-e-indicadores-educacionais/resumo-tecnico-do-estado-de-sao-paulo-censo-da-educacao-basica-2021

JACOMINI, Marcia Aparecida; GIROTTO, Eduardo Donizete; BARBOSA, Andreza; STOCO, Sergio. Política educacional na rede estadual paulista e qualidade do ensino sob a Nova Gestão Pública, 1998 a 2018. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v.30, n. 27, 2021.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A. Reestruturação do Trabalho Docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, v. 85, n 89, set./dez. 2004.

PENNA, Marieta Gouvêa Oliveira. Professor de series iniciais do ensino fundamental em escolas públicas estaduais de São Paulo: Posições sociais e condições de vida e trabalho. Tese (Doutorado em Educação) - PUC/SP, 2007.

PENNA, Marieta. Gouvêa Oliveira. MARIN, Alba, Junqueira. Trajetória social, habitus e engajamento no trabalho escolar. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, e188255, 2019.

PINTO, Carmen Lúcia Lascano; GOES, Rosângela Irigaray Garcia; KETREIN, Beatriz Helena. BARREIRO, Cristhianny Bento. Entre o Bem e o Mal-Estar: a intensificação do trabalho docente no âmbito dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Revista Educação por Escrito – PUCRS, v.4, n.1, jul. 2013.

SATO, Leny. LACAZ, Francisco Antonio de Castro; BERNARDO, Márcia Hespanhol. Psicologia e saúde do trabalhador: práticas e investigações na Saúde Pública de São Paulo. Estudos de psicologia, Natal, v.11. n. 3, set/dez. 2006.

SOUZA, Davisson, Charles, de Cangussu. de; FERNANDES, Bárbara. Pereira.; FILGUEIRA, Vanessa. Racionalização, intensidade e controle do trabalho docente na rede básica de ensino. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, set/dez. 2015.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O Trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2024-01-24

Como Citar

FERNANDES, B. P.; PENNA, M. G. de O. AUTOINTENSIFICAÇÃO E A IDEOLOGIA DO CUIDADO: UM ESTUDO SOBRE O TRABALHO DAS PROFESSORAS DO PRIMEIRO CICLO. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 32, n. 3, p. 151–168, 2024. DOI: 10.35699/2238-037X.2023.41410. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/41410. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS