LUTA DE MULHERES!

RELAÇÕES SOCIAIS DE SEXO E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO DE INSTRUTORAS DE JIU-JITSU

Autores

  • Ester Gomes Bernabé Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.41577

Palavras-chave:

Divisão Sexual do trabalho, Esporte, Instrutoras de jiu-jitsu, Relações Sociais de Sexo/Gênero

Resumo

A presente pesquisa é proposta na Linha II: Processos Formativos em Educação Tecnológica do Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica (PPGET) do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), cujos estudos focalizam temas relacionados ao trabalho-educação no contexto socioeconômico e político-cultural, destacando os processos históricos e culturais, as relações entre as mudanças societárias, a diversidade, a educação profissional formal e não formal e o mundo do trabalho. Considera-se aqui o conceito amplo de Educação Tecnológica, apresentado por Manacorda (2007) e Oliveira (2000) como sinônimo de politecnia. O Esporte é então apresentado como um instrumento pedagógico em si, com caráter formador e educativo que contribui, para além do ensino da técnica e dos aspectos motores, como uma forma de educar o sujeito social na e pela atividade física (BENTO, GARCIA E GRAÇA 1999). Por sua vez, os/as instrutores/as esportivos/as são considerados/as como uma classe profissional de educadores dessa área. A partir da assertiva de Hirata (2002) de que as pesquisas não podem ser gender-blinded (blindadas ao gênero), mulheres instrutoras de jiu-jitsu foram escolhidas como sujeitos desta investigação. Objetivou-se compreender como se dá a divisão sexual do trabalho entre os/as instrutores/as de jiu-jitsu, um esporte marcadamente "masculino". Para tanto, foi adotada uma abordagem qualitativa utilizando-se de revisão da bibliografia e instrumentos de levantamento de dados empíricos garimpados em entrevistas em profundidade com instrutoras de jiu-jitsu, que atuam academias esportivas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. As bases teórico-conceituais para a análise destes dados são fundamentadas nas teorias da Divisão sexual do trabalho e das Relações sociais de sexo/gênero, oriundas da Sociologia do trabalho francesa de base marxista (KÉRGOAT, 1994; HIRATA, 2002, entre outros). Por meio das metodologias relatadas busca-se responder a seguinte questão: Como se dá a divisão sexual do trabalho entre os/as instrutores/as de jiu-jitsu, um esporte marcadamente "masculino"? Os resultados deste estudo apontam que as assimetrias nas relações sociais de sexo/gênero, principalmente no esporte estudado, criam um ambiente hostil para as mulheres. Fatores como a associação da prática da modalidade com características como força, violência e masculinidade, a perspectiva que esportes de combate “masculiniza” a mulher, dentre outros fatores, contrapõem o estereótipo vigente de feminilidade, compondo um cenário em que a mulher é vista como fora de lugar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ester Gomes Bernabé, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Mestra em Educação Tecnológica pelo CEFET- MG; pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FAPP - UEMG; graduada em Administração com ênfase em Marketing pela Faculdade Estácio de Sá De Belo Horizonte. Atua como secretária acadêmica da Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG - Unidade Ibirité, integrante do Grupo de Pesquisa em Formação e Qualificação Profissional - FORQUAP no CEFET-MG

Downloads

Publicado

2023-01-24

Como Citar

BERNABÉ, E. G. LUTA DE MULHERES! : RELAÇÕES SOCIAIS DE SEXO E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO DE INSTRUTORAS DE JIU-JITSU . Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 3, p. 201–203, 2023. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.41577. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/41577. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

RESUMOS