TRABALHO E AGÊNCIA FEMININA NA DINÂMICA DA GERAÇÃO FAMILIAR NO QUILOMBO DE BARRINHA, BOM JESUS DA LAPA - BAHIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2023.42483

Palavras-chave:

Quilombo, Gênero, Trabalho, Geração Familiar

Resumo

O texto apresenta parte dos dados de pesquisa de doutoramento, problematizando a agência feminina quilombola. A pesquisa de natureza qualitativa teve como objetivo conhecer como as mulheres quilombolas manifestam suas agências em suas trajetórias atravessadas por marcadores sociais de diferença como gênero, raça e geração, considerando mudanças e permanências entre as gerações familiares. A perspectiva teórico-metodológica elege, principalmente, as teóricas Crenshaw (2002), Davis (2016), Hooks (2000), Collins (2016) e Carneiro (2003), privilegiando a interlocução com o pensamento negro feminista. As trajetórias são discutidas a partir de depoimentos e os grupos de mulheres ouvidas seguem dois cortes etários, a saber: de 27 a 38 anos e de 55 a 69 anos, que são mães das mulheres do primeiro corte. O estudo revela a inserção de algumas delas em ocupações tidas como masculinas pelo grupo, tais como o trabalho de pesca e a condução de embarcação. Mas, todo o trabalho de cuidado permanece como atribuição feminina, e entre as envolvidas nestas tarefas estão mães, parentes, vizinhas e avós.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carmem Lucia Eiterer, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professora Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE-UFMG). . Pesquisadora do NEJA. Integra o PPGE Conhecimento e Inclusão Social.

Kleide Iraci Marques Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Doutora pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Atualmente é estatutária - Colégio Estadual Monsenhor Turíbio Vilanova e professor assistente da Universidade do Estado da Bahia.

Referências

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ea/v17n49/18400.pdf.Acesso em: 13 mar. 2019.

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e política do empoderamento. Tradução Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 965-986, set./dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36757. Acesso em: 13 mar. 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

CORRÊA, Mariza. O mistério dos orixás e das bonecas: raça e gênero na antropologia brasileira. Etnográfica, Lisboa, v. IV, n. 2, p. 233-265, 2000. Disponível em: http://ceas.iscte.pt/etnografica/docs/vol_04/N2/Vol_iv_N2_233-266.pdf. Acesso em: 23 mai. 2020.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOLORES. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 4 abril. 2019.

DONA AMBROSINA. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 20 março. 2019.

DONA DANDARA. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 28 março. 2019.

DONA SILVIA. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 23 abril. 2019.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Brasília, n. 2, p. 223-244, 1984.

HOOKS, Bell. Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465.Acesso em: 13 mar. 2019.

JOANA. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 27 março. 2019.

JOICE. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 23 março. 2019.

JOSÉ. Nota de campo. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 18 agosto. 2019.

LARISSA. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 25 agosto. 2019.

MARIA FELIPA. Entrevista. Bom Jesus da Lapa (Bahia), 20 março. 2019.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. A mulher negra no mercado de trabalho. Jornal última hora, Rio de Janeiro, 1976.

OLIVEIRA, Zuleica Lopes Cavalcanti. A provisão da família: redefinição ou manutenção dos papéis?. In: ARAÚJO, Clara Maria de Oliveira; SCALON, Maria Celi Ramos da Cruz (org.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667.Acesso em: 13 mar. 2019.

Downloads

Publicado

2023-05-29

Como Citar

EITERER, C. L.; SILVA, K. I. M. TRABALHO E AGÊNCIA FEMININA NA DINÂMICA DA GERAÇÃO FAMILIAR NO QUILOMBO DE BARRINHA, BOM JESUS DA LAPA - BAHIA. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 32, n. 1, p. 88–99, 2023. DOI: 10.35699/2238-037X.2023.42483. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/42483. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS