TRABALHO, DOCÊNCIA E PRECARIZAÇÃO

BREVES NOTAS DE UM PROJETO DE PESQUISA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-9844

Palavras-chave:

Trabalho, Docência, Precarização

Resumo

Este trabalho tem por objetivo retomar o debate acerca da atividade docente enquanto processo de trabalho, entendido como processo de transformação não somente da natureza, mas também do próprio ser humano, atividade que, e em conjunto com a linguagem e a cooperação, fornece novos sentidos às relações entre consciência e realidade. No entanto, para uma análise mais rigorosa do termo, faz-se necessário compreender suas formas especificamente capitalistas. Com esse desígnio, caminha-se para a análise dos sentidos modernos de trabalho em Karl Marx, destacando os processos de alienação e de estranhamento, assim como de trabalho abstrato e de trabalho produtivo, com intuito de confirmar a hipótese segundo a qual o trabalho docente se constituiu em um típico trabalho assalariado no modo de produção capitalista. Em seguida, o texto procura demonstrar o que foi o processo de flexibilização e de precarização imposto ao mundo do trabalho e seus impactos negativos na atividade docente, a partir da reestruturação produtiva ocorrida após a década de 1970. Por fim, busca-se uma resposta, ainda que provisória e incerta, para a atividade docente, tendo por base as práticas dos antigos artífices e mestres de ofício.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Brito, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutor em Geografia pela UFMG, Mestre em Geografia pela UFMG, Especialista em Estudos Ambientais PUC-MG, Bacharel e Licenciado em Geografia pela UFMG.

Referências

ALVES, Giovanni. A educação do precariado. São Paulo: Blog da Boitempo, 2012a. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2012/12/17/a-educacao-do-precariado/. Acesso em: 15 mai. 2018.

ALVES, Giovanni. Dimensões da reestruturação produtiva. Ensaios de sociologia do trabalho. Editora Praxis, 2007.

ALVES, Giovanni. Trabalho docente e precarização do homem-que-trabalha. São Paulo: Blog da Boitempo, 2012b. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2012/11/16/trabalho-docente-eprecarizacao-do-homem-que-trabalha/ . Acesso em: 30 mai. 2018.

ARROYO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e autoimagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

BARREIROS, Brenda Borges Cambraia. Um Panorama da Situação Docente na Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais (REE-MG): o espaço ocupado pelo professor designado. Monografia apresentada ao Curso Superior de Administração Pública (CSAP) da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho (EG) da Fundação João Pinheiro (FJP), Belo Horizonte, 2016.

CHESNAIS, Françoise. A Mundialização do Capital. São Paulo: Editora Xamã, 1996.

COSTA. Mônica Hallak Martins da. A diferença entre as categorias alienação e estranhamento nos Manuscritos Econômico-Filosóficos de Karl Marx de 1844. Verinotio Revista On-line de Educação e Ciências Humanas, n. 3, ano II, p. 1-7, out. 2005.

COTRIM, Vera. Trabalho produtivo em Karl Marx: velhas e novas questões. São Paulo: Editora Alameda, 2012.

DAL ROSSO, Sadi. O ardil da flexibilidade: os trabalhadores e a teoria do valor. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

FERREIRA, Geisa Carla Gonçalves; DIÓGENES, Elione Maria Nogueira. Saúde e trabalho docente: inquietações e tensões. XI SEMINARIO INTERNACIONAL DE LA RED ESTRADO/Movimientos Pedagógicos y Trabajo Docente en tiempos de estandarización, Universidad Pedagogica Nacional - Colômbia, p. 1-18, (s/d).

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2018.

FRIGOTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Editora Cortez, 2015.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, maio/ago. 2005.

GATTI, Bernadete Angelina; SÁ BARRETO, Elba Siqueira; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília-Brasil: Ministério da Educação, 2011.

GONTIJO, Erik Haagensen. Natureza, sociedade e atividade sensível na formação do pensamento marxiano. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2007.

HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1989.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Fenomenologia do espírito. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 2007.

HOBSBAWM, Eric. Mundos do trabalho: novos estudos sobre história operária. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2005.

KUENZER, Acácia Zenéida. “Trabalho e escola: aprendizagem flexibilizada”. In: Reunião Científica Regional da ANPED: Educação, movimentos sociais e políticas governamentais. Curitiba, julho, 2006.p. 1-22.

LUKÁCS, Gyorgy. Para uma ontologia do ser social, v. 2. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Editorial Boitempo, 2004.

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858, esboço da crítica da economia política. São Paulo; Rio de Janeiro: Boitempo; UFRJ, 2011.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro 1, o processo de produção. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MARX, Karl. O capital, Livro 1, Capítulo IV inédito. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas LTDA,

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MIRANDA, Débora Fernades de. Perfil dos professores da rede estadual de ensino de Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Educação, Belo Horizonte, v.5, n. 11, mai-ago, 2017.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, 2004, Set./Dez.

PARO, Vitor Henrique. O professor como trabalhador: implicações para política educacional e para gestão escolar, s/d. Disponível em: http://www.vitorparo.com.br/wp-content/uploads/2014/10/o-professorcomo-trabalhador.pdf. Acesso em: 15 mai. 2018.

RUBIN, Isaak Ilich. A teoria marxista do valor. São Paulo: Editora Brasiliense, 1980.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas-SP. Editora: Autores Associados, 2011.

SENNETT, Richard. O artífice. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012.

SOUSA NETO, Manuel Fernandes de. O ofício, a oficina e a profissão: reflexões sobre o lugar social do professor. Campinas, Caderno CEDES, vol. 25, n. 66, p. 249-259, maio/ago. 2005.

Downloads

Publicado

2019-12-11

Como Citar

BRITO, T. TRABALHO, DOCÊNCIA E PRECARIZAÇÃO : BREVES NOTAS DE UM PROJETO DE PESQUISA . Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 161–178, 2019. DOI: 10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-9844. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9844. Acesso em: 29 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS