Guimarães Rosa e seus tradutores

a tradução literária como criação e a escrita literária como tradução

Autores

Palavras-chave:

Guimarães Rosa, criação literária, teoria da tradução , prática da tradução, tradução literária

Resumo

As cartas que Guimarães Rosa trocou com tradutores de sua obra, devidamente reunidas e organizadas por pesquisadores, têm fornecido um material inesgotável de análise e propiciado um fértil debate sobre seu projeto pessoal de escrita, bem como sobre os processos e produtos da tradução literária. Neste artigo, procuramos explorar a correspondência do escritor com três de seus tradutores visando a ressaltar questões ligadas à tradução da obra rosiana emitidas tanto pelo autor como por seus tradutores. Nas cartas a Edoardo Bizzarri, Curt Meyer-Clason e Harriet de Onís, observa-se que Guimarães Rosa estabelece um sólido vínculo de cooperação, que reverte diretamente nas obras traduzidas. Os argumentos e as reflexões trocadas entre autor e tradutores deixam entrever a concepção de escrita literária de Rosa, sua preocupação com a recepção de seus romances e contos no exterior, bem como a visão do que seus tradutores acreditam ser a tradução literária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Cristina de Darin, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), São Paulo, São Paulo / Brasil

Profa. do Programa de Pós-gradução em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP e do curso de Graduação em Letras: Tradução Inglês-Português da mesma Universidade.

Arlete Borba da Silva, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), São Paulo, São Paulo / Brasil

Arlete B. da Silva é professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira em escolas públicas nos níveis Fundamental e Médio. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Literatura e Crítica Literária da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil. É bolsista da CAPES.

Referências

CAMPOS, Haroldo de. Da tradução como criação e como crítica. In: TÁPIA, Marcelo; NÓBREGA, Thelma M. (org.). Haroldo de Campos: Transcriação. São Paulo: Perspectiva, 2013a. p. 1-18.

CAMPOS, Haroldo de. Para além do princípio da saudade: a teoria benjaminiana da tradução. In: TÁPIA, Marcelo; NÓBREGA, Thelma M. (org.). Haroldo de Campos: Transcriação. São Paulo: Perspectiva, 2013b. p. 47-59.

CARVALHAL, Tânia Franco. A tradução literária. Organon, Porto Alegre, v. 7, n. 20, p. 47-52, 1993. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/organon/article/viewFile/39381/25174. Acesso em: 12 jan. 2020.

CAVALCANTE, Neuma. Guimarães Rosa: ecos de uma recepção construída. O Eixo e a Roda, Belo Horizonte, v. 12, 2006. DOI: https://doi.org/10.17851/2358-9787.12.0.265-273. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/3207. Acesso em: 14 nov. 2019.

CHESTERMAN, Andrew; WAGNER, Emma. Can Theory Help Translators? Manchester: St. Jerome, 2002.

COSTA, Ana Luiza Martins. Veredas de Viator. Cadernos de Literatura Brasileira: Guimarães Rosa, Rio de Janeiro, v. 12, n. 20-21, p. 10-58, 2006. Disponível em: http://issuu.com/ims_instituto_moreira_salles/docs/clb_guimar__es_rosa. Acesso em: 23 fev. 2020.

DELISLE, Jean; WOODSWORTH, Judith. Os tradutores na história. Trad. Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 2003.

HOISEL, Evelina. João Guimarães Rosa: Diálogos com os tradutores. Floema: Cadernos de Teoria e História Literária, Vitória da Conquista, ano II, n. 3, p. 87-102, jan./jun. 2006.

JAKOBSON, Roman. Aspectos linguísticos da tradução. In: ______. Linguística e comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. 21. ed. São Paulo: Cultrix, 2011. p. 63-72.

LEFEVERE, André. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Trad. Claudia Matos Seligmann. Bauru: EDUSC, 2007.

LIMA, Alice Santana. Traduzadaptação: as correspondências entre Guimarães Rosa e seu tradutor italiano Edoardo Bizzarri. Blog da BBM, 2018. (on-line). Disponível em: http://blog.bbm.usp.br/2018/traduzadaptacao-as-correspondencias-entre-guimaraes-rosa-e-seu-tradutor-italiano-edoardo-bizzarri/. Acesso em: 13 mar. 2020.

LOPES, Óscar. Novos mundos. In: ROSA, João Guimarães. Sagarana. 26. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1982. p. xxviii-xxxvi.

LORENZ, Günter. Diálogo com Guimarães Rosa. In: LORENZ, Günter; COUTINHO, Eduardo Faria de. Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983. p. 62-97. (Coleção Fortuna Crítica, 6).

NASCIMENTO, Edna Maria Fernanda dos Santos. Gênese de uma obra e esboço de uma poética: a correspondência de João Guimarães Rosa. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 49, n. 2, p. 163-171, 9 jun. 2014. DOI: http://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.2.15363.

PAZ, Octavio. Tradução: literatura e literalidade. Trad. Doralice A. de Queiroz. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006. DOI: http://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n3p595. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/padrao_cms/documentos/eventos/vivavoz/traducao2ed-site.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

PINILLA, José Antonio S. Por que a Teoria da Tradução é útil para os tradutores? Trad. Willian Cândido Moura, Morgana Aparecida de Matos e Fernanda Christmann. Caderno de Tradução, Florianópolis, v. 39, n. 3, p. 595-621, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n3p595. Disponível em: http://www.researchgate.net/publication/335780037_Por_que_a_Teoria_da_Traducao_e_util_para_os_Tradutores. Acesso em: 28 mar. 2020.

REISS, Katharina. Translation Criticism: The Potentials & Limitations. Categories and Criteria for Translation Quality Assessment. Trad. Erroll F. Rhodes. Manchester, UK: St. Jerome Publishing, 2000.

ROSA, João Guimarães. Correspondência com seu tradutor alemão Curt Meyer-Clason (1959-1967). Org. Maria Aparecida F. M. Bussolotti. Trad. Erlon José Paschoal. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003a.

ROSA, João Guimarães. Correspondência com seu tradutor italiano Edoardo Bizzarri. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003b.

SCHEIBLE, Engeborg. A mudança de registro como desvio estilístico na tradução para a língua alemã de “O burrinho pedrês”, de Sagarana. Veredas de Rosa I. Belo Horizonte: Cespuc, 2000. p. 275-279.

SILVA, Arlete Borba da. Platform, descortinando em camadas as fronteiras do projeto de escrita de Guimarães Rosa em “O burrinho pedrês”. 2017. 133f. Dissertação (Mestrado em Literatura e Crítica Literária) – Programa em Literatura e Crítica Literária, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

VAZ, Valteir Benedito. “Conversa de Bois”, de João Guimarães Rosa: uma leitura à luz da poética do próprio autor. 2012. 134f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

VEJMELKA, Marcel. Guimarães Rosa na Alemanha: a metafísica enganosa. Scripta, Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 412-424, 1º sem. 2002.

VERLANGIERE, Iná Valéria Rodrigues. J. Guimarães Rosa: Correspondência inédita com a tradutora norte-americana Harriet de Onís. 1993. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 1993.

Downloads

Publicado

2021-03-31

Como Citar

Darin, L. C. de, & Silva, A. B. da. (2021). Guimarães Rosa e seus tradutores: a tradução literária como criação e a escrita literária como tradução. Aletria: Revista De Estudos De Literatura, 31(1), 269–290. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/20327