Cinema e migrações em perspectiva de gênero: Representações de masculinidade nos filmes Bolivia (2001) e Estômago (2007)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2317-2096.2020.25638

Palavras-chave:

cinema, gênero, masculinidades, migrações, latino-americanos, Estômago, Bolivia

Resumo

A mobilidade humana é uma experiência comum a todos os povos, sobretudo em momentos de crises. Essas experiências de mobilidade têm lugar em várias narrativas cinematográficas, sobretudo as chamadas grandes migrações do final do século XIX e início do século XX. Nas cinematografias argentina e brasileira esse foi um filão bastante explorado. Em períodos mais recentes, as questões de gênero passaram a integrar as preocupações dos/as pesquisadores/as dos processos migratórios. Tomando como fontes de pesquisa os filmes latino-americanos Bolivia (Israel Adrián Caetano, 2001) e Estômago (Marcos Jorge, 2007), analisamos as representações acerca dos movimentos migratórios abordados nesses filmes desde uma perspectiva de gênero. Entendendo as masculinidades como construções culturais e considerando o conceito de masculinidade hegemônica (CONNELL, 2013, 2015), buscamos perceber como se (re)configuram as masculinidades dos personagens desses filmes em contextos diversos de seus locais de origem e nas situações de vulnerabilidade a que estão expostos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gláucia de Oliveira Assis, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, Santa Catarina / Brasil



Joelma Ferreira dos Santos, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, Santa Catarina / Brasil



Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019. (Coleção. Feminismos Plurais. Coord. Djamila Ribeiro)

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 4. ed. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; São Paulo: Ed. Cortez, 1999.

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. Nordestino: uma invenção do falo – uma história do gênero masculino (Nordeste 1920/1940). Maceió: Edições Catavento, 2003.

AMATRIAIN, Ignacio. Introducción. El nuevo cine argentino y la renovación independiente, en una década de cambio social y cultural. In: AMATRIAIN, Ignacio (coord.). Una década de nuevo cine argentino 1995-2005: industria, crítica, formación, estéticas. Buenos Aires: CICCUS, 2009.

ARGENTINA, el país con mayor número de inmigrantes de Lationoamérica. Los Andes.11 nov.2014. Disponível em: https://losandes.com.ar/article/argentina-el-pais-con-mayor-numero-de-inmigrantes-de-latinoamerica. Acesso em: 18 abr. 2019.

ASSIS, Gláucia de O. De Criciúma para o mundo: gênero, família e migração. Campos, Curitiba, v. 3, p. 31-49, 2003. DOI: https://doi.org/10.5380/cam.v3i0.1586

ASSIS, Gláucia de O. Mulheres migrantes no passado e no presente: gênero, redes sociais e migração internacionais. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 3, p. 745-772, set.-dez. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2007000300015

ASSIS, Glaucia de Oliveira; SASAKI, Elisa Massae. Novos migrantes do e para o Brasil: um balanço da produção bibliográfica. In: CASTRO, Mary Garcia (org.). Migrações internacionais: contribuições para políticas. Brasília: CNPD, 2001. p. 615-639.

BOLIVIA. Direção: Israel Adrián Caetano. Argentina: La expresi, 2001. 1 DVD (75 min), son., preto e branco, 35mm.

BRITO, Fausto. As migrações internas no Brasil: um ensaio sobre os desafios teóricos recentes/Fausto Brito. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2009. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/6227031.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

CAETANO, Israel Adrián. La cartelera se renueva con nueve estrenos. Bolivia, según Caetano. [Entrevista cedida a] Lorena Garcia. La Nacion. Buenos Aires. 10 abr. 2002. Disponível em: https://www.lanacion.com.ar/387438-bolivia-segun-caetano. Acesso em: 29 abr. 2019.

CASSANIGA, Tafarel. Nordestinos em Brusque/SC: estigma e preconceito em relação aos novos imigrantes do século XXI. 2017. Dissertação (Mestrado em Planejamento) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

CAVALCANTI, Clóvis. País e região: desigualdades e preconceitos regionais no Brasil. Cadernos de Estudos Sociais, Recife, v. 9, n. 1,

p. 25-40, jan./jun., 1993.

CONNELL, R. W.; MESSERSCHMIDT, J.W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000100014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2013000100014&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 26 ago. 2020.

CONNELL, Raewyn. Masculinidades. Tradução para o espanhol de Irene Artigas e Isabel Vericat. México DF: UNAM/PUEG, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000100014

COSTA, Patrícia T. M. A construção da masculinidade e a banalidade do mal: outros aspectos do trabalho escravo contemporâneo. Cadernos Pagu, Campinas n. 31, p. 173-198, jul.-dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332008000200009

CRENSHAW, Kimberlé. Cartografiando los márgenes: Interseccionalidad, políticas identitarias, y violencia contra las mujeres de color. In: PLATERO, Raquel (Lucas) (ed.). Intersecciones: cuerpos y sexualidades en la encrucijada. Temas contemporáneos. Barcelona: Bellaterra, 2012.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

CUÉ, Carlos E. Argentina se afasta do fantasma do ‘corralito’, que completa 15 anos. El país. Buenos Aires, 14 dez. 2016. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/13/internacional/1481655800_716012.html. Acesso em: 18 abr. 2019.

ERAUSQUIN, Estela. Los inmigrantes en el cine argentino. Panorama general y estudio de un caso actual: Un cuento chino, 2011, Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers AHLIM, Saint-Denis, v. 23, [s/p.] 10 sep. 2012. Disponível em: http://journals.openedition.org/alhim/4264. Acesso em: 29 abr. 2019.

ESTÔMAGO. Direção: Marcos Jorge. Brasil/Itália: Downtown Filmes, 2007. 1 DVD (100 min), son., colorido, 35mm.

FARIA, Guélmer Junior Almeida. Migração, trabalho doméstico, gênero: curso da vida e trajetórias de trabalhadoras domésticas migrantes presentes no filme: “Que horas ela volta?”. Aurora. Revista de Arte, Mídia e Política, São Paulo, v. 10, n. 29, p. 146-155, 2017.

GREEN, Nancy. Dos estudos de migração para os estudos de mulheres para gênero. In: AREND, Silvia F., RIAL, Carmen S.; PEDRO, Joana M. (org.) Diásporas, mobilidades e migrações. Florianópolis: Editora Mulheres, 2011. p. 35-47.

INDEC: Instituto Nacional de Estadística y Censos República Argentina. Proporción de población indígena o descendiente de pueblos indígenas u originarios, según provincia, 2010. Disponível em: https://www.indec.gob.ar/indec/web/Nivel4-Tema-2-21-99. Acesso em: 29 abr. 2019.

JORGE, Marcos. Marcos Jorge (Exclusivo). [Entrevista cedida a] Angélica Brito. Cineclick. 25 mai. 2009. Disponível em: https://www.cineclick.com.br/entrevistas/marcos-jorge-exclusivo. Acesso em: 20 abr. 2019.

KREUTZ, Katia. Hollywood: da era de ouro aos Blockbusters. Aic.4 fev. 2019. Disponível em: https://www.aicinema.com.br/hollywood-da-era-de-ouro-aos-blockbusters/. Acesso em: 18 abr. 2019.

MARANDOLA JR, Eduardo; HOGAN, Daniel Joseph. Vulnerabilidade do lugar vs. vulnerabilidade sociodemográfica: implicações metodológicas de uma velha questão. Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p. 161-181, jul./dez. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbepop/v26n2/02.pdf. Acesso em: 21 jun. 2020.

MATOS, Maria Izilda Santos. Por uma história das sensibilidades: em foco a masculinidade. História: Questões & Debates, Curitiba, v. 34,

n. 1, p. 45-63, 2001. DOI: https://doi.org/10.5380/his.v34i0.2658

MOURA, Giedre. Internacional – A grama do vizinho. Revista do Ipea, Brasília, Ano 4, ed. 32, 7 mar. 2007. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=1146:reportagens-materias&Itemid=39. Acesso em: 29 abr. 2019.

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 2004.

PESSAR, Patricia R. The Role of Gender, Households, and Social Networks in the Migration Process. In: HIRSCHMAN, Charles et al. The Handbook of International Migration: The American Experience. Russell Sage Foundation, 1999. p. 53-70.

PISCITELLI, Adriana; ASSIS, Glaucia; OLIVAR, José Miguel (org.). Gênero, sexo, amor e dinheiro: mobilidades transnacionais envolvendo o Brasil. Campinas: Núcleo de Estudos de Gênero-PAGU-Unicamp, 2011.

PONTES, Luciana. A representação audiovisual das mulheres migradas. Cadernos Pagu, Campinas, n. 39 p. 273-311, jul./dec. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332012000200010

RIZEK, Cibele Saliba; GEORGES, Isabel; FREIRE DA SILVA, Carlos. Trabalho e imigração: uma comparação Brasil-Argentina. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 79, p. 111-142, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000100006

SALA, G. A.; CARVALHO, J. A. M. D. A presença de imigrantes de países do Cone Sul no Brasil: medidas e reflexões. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 287-304, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-30982008000200006

SASSONE, Susana María. Breve geografía histórica de la migración boliviana en la Argentina. In: Buenos Aires Boliviana. Migración, construcciones identitarias y memoria. Buenos Aires: Comisión para la Preservación del Patrimonio Histórico Cultural de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires, 2009. p. 391-402. (Temas de Patrimonio Cultural, n. 24)

SCHMIDT, Susana. Historia reciente y cine. Relatos migratorios en los albores del siglo XXI argentino. In: ENCUENTRO DE LATINOAMERICANISTAS ESPAÑOLES: CONGRESO INTERNACIONAL 1810-2010: 200 AÑOS DE IBEROAMÉRIA, XIV., 2010, Santiago de Compostela. Actas […]. Santiago de Compostela: USC, 2010. p. 1542-1554. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00531229/document. Acesso em: 25 ago. 2020.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul.-dez., 1995.

TEIXEIRA, Rafael Tassi. Cinema da feminização dos fluxos na mobilidade recente: transições migratórias, identidades de gênero e a abordagem da distancialidade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE, II., 2014, Florianópolis. Atas [...]. Florianópolis: UFSC, 2014. p. 1-16.

TEJEDOR, Alberto del Campo. Cuestión de pelotas. Hacerse hombre, hacerse el hombre en el fútbol, In: DEL RÍO, José María Valcuende; LÓPEZ, Juan Blanco (ed.). Hombres: la construcción cultural de las masculinidades. Madrid: Talasa Ediciones, 2003.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Género, masculinidade e poder: revendo um caso do Sul de Portugal. Anuário Antropológico, Brasília, n. 95, p. 161-190, 1996.

VARGAS, Francisco B. Trabalho, emprego, precariedade: dimensões conceituais em debate. Caderno CRH, Salvador, v. 29, n. 77, p. 313-331, mai./ago., 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-49792016000200008

Downloads

Publicado

2020-10-08

Como Citar

de Oliveira Assis, G. ., & Ferreira dos Santos, J. . (2020). Cinema e migrações em perspectiva de gênero: Representações de masculinidade nos filmes Bolivia (2001) e Estômago (2007). Aletria: Revista De Estudos De Literatura, 30(3), 153-178. https://doi.org/10.35699/2317-2096.2020.25638

Edição

Seção

Dossiê – Imaginários e Cinema Latino-Americano