O insólito e o moderno em “O rato, o guarda-civil e o transatlântico”, De Aníbal Machado

Autores

Palavras-chave:

Aníbal Machado, Surrealismo, Modernismo, Insólito

Resumo

A revista Estética, que teve apenas três números, registra em seus textos o início da recepção do surrealismo no Brasil. No segundo número, em 1925, Aníbal Machado publicou o conto “O rato, o guarda-civil e o transatlântico”, em que há uma nítida transição de um universo que se apresenta como racional para um plano em que sonho e devaneio se intercalam. O insólito já havia aparecido na trajetória do autor em textos que assinou como Antônio Verde e em sua participação na novela coletiva O capote do guarda. Considerando o percurso literário do escritor e a chegada do surrealismo no país, este estudo tem como proposta analisar o conto “O rato, o guarda-civil e o transatlântico”. Observar-se-á também como diversos elementos participam da construção do insólito nessa narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Vinícius Teixeira, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Campo Grande, Mato Grosso do Sul/Brasil

Marcos Vinícius Teixeira possui Doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2007-2012), Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003-2005) e Graduação em Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa e Bacharelado em Estudos Literários - pela Universidade Federal de Ouro Preto (1999-2002). É coordenador adjunto do Programa de Pós-Graduação - Mestrado acadêmico de Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul e professor do curso de Letras da mesma instituição com atuação na unidade universitária de Campo Grande-MS. É um dos líderes do Grupo de Pesquisa "Modernismo periférico: poéticas do século XX". Desenvolve pesquisa relacionada à Literatura Brasileira do século XX. 

Referências

ANTELO, Raúl. Introdução. In: MACHADO, Aníbal. Parque de diversões. Belo Horizonte: UFMG; Florianópolis: UFSC, 1994. p. 15-33.

ANTELO, Raúl. Literatura em revista. São Paulo: Ática, 1984. Coleção Ensaios. n. 105.

BRETON, André. Manifestos do Surrealismo. Tradução de Luiz Forbes. São Paulo: Brasiliense. 1985.

BRETON, André. Nadja. Tradução de Ivo Barroso. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

CANDIDO, Antonio. Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CARPEAUX, Otto Maria. Presença de Aníbal. In: MACHADO, Aníbal. João Ternura. Rio de Janeiro: José Olympio, 1965. p. xxxvii-xlvii.

CARVALHO, Jonatas Carlos de. A emergência da política mundial de drogas: o Brasil e as primeiras Conferências Internacionais do Ópio. Oficina do historiador, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 153-176, 2014.

COELHO, Márcia Azevedo. Entre a pedra e o vento: uma análise dos contos de Aníbal Machado. 2009. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ÉSQUILO. Prometeu acorrentado. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

FONSECA, Maria Augusta Bernardes. Vento, gesto, movimento: a poética de Aníbal M. Machado. 1984. Tese (Doutorado em Teoria Literária) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. Tradução de Walderedo Ismael de Oliveira. São Paulo: Publifolha, 2010.

LACERDA, Andréa Maria de Araújo. O espaço ficcional em contos de Aníbal Machado. 2013. Tese (Doutorado em Literatura e Cultura) – Faculdade de Letras, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

LIVRO das mil e uma noites. Tradução de Mamede Mustafa Jarouche. 3. ed. São Paulo: Biblioteca Azul, 2018.

MACHADO, Aníbal. A morte da porta-estandarte, Tati, a garota e outras histórias. 15. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

MACHADO, Aníbal. Cadernos de João. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

MACHADO, Aníbal. Vá-se embora Maria. Movimento brasileiro, Rio de Janeiro, ano 1, n. 3, p. 11-12, 1929.

NADEAU, Maurice. História do surrealismo. Tradução de Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Perspectiva, 2008.

NAVA, Pedro. Beira-mar. São Paulo: Ateliê, 2003.

O CAPOTE do guarda. Revista da Academia Mineira de Letras, Belo Horizonte, ano 83, v. 38, p. 59-73, 2005. Cap. 6-8. Publicação parcial contendo textos de Carlos Góis, Ernesto Cerqueira e Laércio Prazeres.

O CAPOTE do guarda. Revista da Academia Mineira de Letras, Belo Horizonte, ano 84, v. 39, p. 93-101, 2006a. Cap. 9-11. Publicação parcial contendo textos de Berenice Martins Prates e João Lúcio.

O CAPOTE do guarda. Revista da Academia Mineira de Letras, Belo Horizonte, ano 84, v. 40, p. 147-164, 2006b. Cap. 12-15. Publicação parcial contendo textos de Aníbal Machado, Carlos Góis, Ernesto Cerqueira e Laércio Prazeres.

O CAPOTE do guarda. Revista da Academia Mineira de Letras, Belo Horizonte, ano 84, v. 41, p. 103-115, 2006c. Cap. 16-19. Publicação parcial contendo textos de Milton Campos, João Lúcio, Aníbal Machado e Carlos Góis.

PORTELLA, Oswaldo O. A fábula. Revista Letras, Curitiba, v. 32, p. 119-138, 1983.

PUNTONI e TITAN JR. Samuel Titan Jr. (Org.). Estética: revistas do modernismo 1922-1929. São Paulo: Imprensa Oficial, 2014.

PUNTONI, R.; TITAN JR. S.; FERRAZ, E. Revista de Antropofagia: revistas do modernismo 1922-1929. São Paulo: Imprensa Oficial: Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, 2014.

SPENCE, Jonathan D. Em busca da China moderna: quatro séculos de história. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

WEG, Rosana. Caos e catástrofe na obra de Aníbal Machado. 1997. Dissertação (Mestrado em Lite-ratura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

Downloads

Publicado

2022-05-13

Como Citar

Teixeira, M. V. (2022). O insólito e o moderno em “O rato, o guarda-civil e o transatlântico”, De Aníbal Machado. Aletria: Revista De Estudos De Literatura, 32(1), 60–79. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/34384

Edição

Seção

Temática livre