A escrita como impasse

notas sobre Vidas secas

Autores

Palavras-chave:

narrativa, outro, representação, Graciliano Ramos, Vidas secas

Resumo

O estudo de Vidas secas possibilita reflexões importantes acerca dos dilemas de uma literatura que se propõe a trazer humanidade a sujeitos brutalizados pela sociedade em que vivem. A obra trabalha esses dilemas também na escrita, deflagrando a distância que separa o intelectual do pobre e a dificuldade de articular literariamente a voz do marginalizado. Neste artigo, traça-se a hipótese de que o romance de Graciliano Ramos trabalha o impasse entre os mundos culto e iletrado em suas instâncias narrativas, forma e linguagem, na tentativa de dar vida e voz a um outro complexo e autônomo, sem deixar de problematizar a própria representação literária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BUENO, Luís. Guimarães, Clarice e antes. Teresa, São Paulo, n. 2, p. 249-261, 2001.

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Edusp; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. Remate de Males, São Paulo, n. esp., p. 81-89, 1999.

CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. 3. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

RAMOS, Graciliano. Memórias do cárcere. 32. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. 137. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

Downloads

Publicado

2022-05-13

Como Citar

Cerqueira, R. (2022). A escrita como impasse: notas sobre Vidas secas. Aletria: Revista De Estudos De Literatura, 32(1), 80–98. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/35420

Edição

Seção

Temática livre