Atitudes de cirurgiões-dentistas quanto à importância da avaliação do risco de cárie e adoção de medidas preventivas e de controle: análise da realidade na rede pública odontológica de Barbacena-MG

  • Janice Simpson de Paula Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP
  • Isabel Cristina Gonçalves Leite Universidade Federal de Juiz de Fora -UFJF
  • Sônia Sotto-Maior Fortes Garcia Rodrigues Universidade Federal de Juiz de Fora -UFJF

Resumo

A saúde bucal coletiva vem se expandido pelo país nos últimos anos. Em virtude desse crescimento, se faz necessário um serviço dinâmico, com profissionais integrados ao Sistema Único de Saúde, para alcançar o sucesso do atendimento. Em relação à doença cárie, observa-se que a avaliação do risco possibilita melhor diagnóstico, plano de tratamento e adoção de medidas de prevenção e controle. Para isso, é necessário conhecimento dos fatores de risco para cárie, sejam eles biológicos, socio-econômicos, ambientais, ou comportamentais. Devido a essa necessidade, o presente trabalho objetivou conhecer a realidade do atendimento público odontológico de Barbacena-MG. Para isto, foi realizado um levantamento do conhecimento de 15 cirurgiões-dentistas da rede pública quanto à avaliação do risco de cárie e adoção de medidas de prevenção e controle por meio de questionário. Dados referentes ao profissional, aos fatores e avaliação do risco e às
medidas de prevenção e controle adotadas foram colhidos. Os resultados sugeriram que os profissionais consideram a avaliação do risco de cárie necessária, contudo observou-se a carência de conhecimentos quanto aos fatores de risco e motivação para prevenção, com visão interdisciplinar. Concluiu-se que há necessidade de educação permanente, para que o profissional esteja atualizado quanto à melhor maneira de atendimento do paciente, voltando seu pensamento para promoção de saúde, de forma que o serviço não seja somente tecnicista e curativista.
Descritores: Saúde pública. Cárie dentária. Prevenção. Controle.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janice Simpson de Paula, Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Estadual de Campinas
(UNICAMP), Piracicaba, SP, Brasil

Isabel Cristina Gonçalves Leite, Universidade Federal de Juiz de Fora -UFJF

Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG,
Brasil

Sônia Sotto-Maior Fortes Garcia Rodrigues, Universidade Federal de Juiz de Fora -UFJF

Departamento de Odontologia Restauradora, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF),
Juiz de Fora, MG, Brasil

Referências

1. Pereira AC. Odontologia em saúde coletiva:planejando ações e promovendo saúde. Porto Alegre: Artmed; 2003.
2. Ministério de Saúde. Brasil Sorridente [Homepage na Internet]. 2004 [acesso em 2006 Jan 12]. Disponível em: http://www.saude.gov.br
3. Programa saúde da família no estado de Minas Gerais [Homepage na Internet]. Belo Horizonte [acesso em 2006 Jan 12].
Disponível em: http://aps.sld.cu/seminar i o 2 0 0 2 / r e c u r s o s / v e r. p h p / P r o g r a - ma%20Sa%C3%BAde%20da%20Fam%
C3%ADlia%20no%20Estado%20d e%20Minas%20Gerais?id=273
4. Departamento Municipal de Saúde Pública [Homepage na internet]. [acesso em 2007 Set 07]. Disponível em: ttp://www.demasp.com.br/
index.html
5. Krasse BO. Risco de cáries: guia prático para controle e assessoramento. 2ªed. São Paulo: Quintessence; 1988.
6. Kramer PF, Feldens CA, Romano AR. Promoção de saúde bucal em odontopediatria: diagnóstico, prevenção e tratamento da cárie
oclusal. São Paulo: Artes Médicas; 1997.
7. Rodrigues JR. Sugestões para a implantação de serviços de assistência odontológica em saúde coletiva: prevenção da cárie com pessoal auxiliar. Rev Odontolol UNESP. 1997;26:219-33.
8. Diniz FVM, Martins MD. Análise comparativa de dois modelos de classificação de risco à cárie em faixas etárias distintas. Revista CROMG. 2002;8:69-78.
9. Martins AA, Santos AA, Barreto MAC, Oliveira CCC. Tabela dos fatores de risco à cárie aplicáveis à saúde pública. Odontologia Clínica
e Científica. 2003;2:37-42.
10. Burt BA. Concepts of risk in dental public health. Community Dent Oral Epidemiol. 2005;33:240-7.
11. Corrêa MSNP. Odontopediatria na primeira infância. 2ªed. São Paulo: Santos; 2005.
12. Rosa WAG, Labate RC. Programa saúde da família: a construção de um novo modelo de assistência. Rev Latinoam Enferm. 2005;13:1027-34.
13. Selwitz RH, Ismail AI, Pitts NB. Dental caries. Lancet. 2007; 369:51-9.
14. Série D. Reuniões e Conferências. 3ª Conferência nacional de saúde bucal; 2005; Brasília.
15. Junqueira SR, Pannuti CM, Rode SM. Oral health in Brazil: part I: public oral health policies. Braz Oral Res. 2008;22:8-17.
16. Scheutz F, Matee MI, Poulsen S, Frydenberg M. Caries risk factors in the permanent dentition of Tanzanian children: a cohort study (1997- 2003). Community Dent Oral Epidemiol. 2007;35:500-6.
17. Petersen PE. Sociobehavioural risk factors in dental caries: international perspectives. Community Dent Oral Epidemiol. 2005;33:274-9.
18. Alian AY, McNally ME, Fure S, Birkhed D. Assessment of caries risk in elderly patients using the cariogram model. J Can Dent Assoc.
2006;72:459-63.
19. Perinetti G, Caputi S, Varvara G. Risk/Prevention indicators for the prevalence of dental caries in schoolchildren: results from the Italian OHSAR survey. Caries Res. 2004;39:9-19.
20. Peterson GH, Twetman S, Bratthal D. Evaluation of a computer program for caries risk assessment in schoolchildren. Caries Res.
2002;36:327-40.
21. Sakuma S, Nakamura M, Miyazaki H. Predictors of dental caries development in 1.5-year-old high-risk children in the Japanese public health service. J Public Health Dent. 2007;67:14-19.
22. Cook SL, et al. Dental caries experience and association to risk indicators of remote rural populations. Int J Paediatr Dent. 2008;18:275-83.
23. Oliveira LB, Scheiham A, Bönecker M. Exploring the association of dental caries with social factors and nutritional status in Brazilian
preschool children. Eur J Oral Sci. 2008; 16:37-43.
24. Peres MA, et al. Social and biological early life influences on severity of dental caries in children aged 6 years. Community Dent Oral Epidemiol. 2005;33:53-63.
25. Diehnelt DE, Kiyak HA. Socioeconomic factors that affect international caries levels. Community Dent Oral Epidemiol. 2001;29:226- 33.
26. Rindal DB, Rush WA, Perrin NA, Maupomé G, Bader JD. Outcomes associated with dentists’ risk assessment. Community Dent Oral
Epidemiol. 2006;34:381-6.
27. Oscarson N, Källestal C, Fjelddahl A, Lindholm L. Cost-effectiveness of different caries preventive measures in a high-risk population of Swedish adolescents. Community Dent Oral Epidemiol. 2003;31:69-78.
28. Ismail AI, et al. Risk indicators for dental caries using the International Caries Detection and Assessment System (ICDAS). Community Dent Oral Epidemiol. 2008;36:55-68.
29. Antônio AG, Maia LC, Vianna RBC, Quintanilha LELP. Preventive strategies in oral health promotion. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10:276-86.
30. Bader JD, Shugars DA, Kennedy JE, Hayden Jr WJ, Baker S. A pilot study of risk-based prevention in private practice. J Am Dent Assoc. 2003;134:1195-202.
Publicado
2016-04-04
Como Citar
Paula, J. S. de, Leite, I. C. G., & Rodrigues, S. S.-M. F. G. (2016). Atitudes de cirurgiões-dentistas quanto à importância da avaliação do risco de cárie e adoção de medidas preventivas e de controle: análise da realidade na rede pública odontológica de Barbacena-MG. Arquivos Em Odontologia, 45(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3502
Seção
Artigos