Avaliação da saúde bucal de deficientes visuais em Teresina-PI

  • Manoel Dias de Souza Filho Universidade Federal do Piauí - UFPI
  • Samara Dantas Marreiros Nogueira
  • Maria do Carmo de Carvalho e Martins Universidade Federal do Piauí - UFPI

Resumo

A visão é considerada a grande promotora da interação humana em atividades motoras, perceptivas e mentais, e a perda desta pode provocar alterações no meio social. O objetivo deste trabalho foi avaliar a saúde bucal dos deficientes visuais por meio da análise da prevalência de cárie e doença periodontal, além da auto percepção e acessibilidade aos serviços odontológicos. O universo estudado consistiu em 42 deficientes
visuais, de ambos os gêneros, na faixa etária de 18 a 63 anos de idade, regularmente matriculados na Associação dos Cegos do Piauí – ACEP, em Teresina-PI. Os dados foram processados nos programas BioEstat 5.0 e
EpiInfo 6.04b. O nível de significância foi estabelecido em 5% (p<0,05) e foram utilizados os testes estatísticos de Análise de Variância (ANOVA) e Teste post-hoc de Tukey. A média do índice CPO-D foi de 11,5, e 58%
dos sextantes examinados apresentaram alterações periodontais. Realizaram-se questionamentos sobre a autopercepção em saúde bucal, e 83,2% dos entrevistados avaliaram a própria saúde bucal como excelente, boa ou regular. Além disso, 95,2% dos deficientes visuais relataram já ter ido ao cirurgião-dentista, mas apenas 30,9% disseram ter recebido orientações sobre saúde bucal nos últimos doze meses. Apesar dos deficientes visuais apresentarem uma autopercepção em saúde bucal positiva e acesso aos serviços odontológicos adequado, essa população apresentou uma situação clínica insatisfatória, com elevado índice CPO-D e grande número de sextantes alterados e excluídos, devido ao grande número de dentes ausentes. Descritores: Portadores de deficiência visual. Cárie dentária. Saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Dias de Souza Filho, Universidade Federal do Piauí - UFPI
Curso de Biomedicina, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Parnaíba, PI Brasil
Samara Dantas Marreiros Nogueira
Cirurgiã-dentista
Maria do Carmo de Carvalho e Martins, Universidade Federal do Piauí - UFPI
Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil

Departamento de Biofísica e Fisiologia, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil
Faculdade NOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil

Referências

1. Campostrini EP, Ferreira EF, Rocha FL. Condições da saúde bucal do idoso brasileiro. Arq Odontol. 2007; 43:48-56.
2. Malta J, Endriss D, Rached S, Moura T, Ventura L. Desempenho funcional de crianças com deficiência visual, atendidas no Departamento de Estimulação Visual da Fundação Altino Ventura. Arq Bras Oftalmol. 2006; 69:571-4.
3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Censo demográfico 2000: Características gerais da população: Resultados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em:< http:// www.ibge.gov.br >. Acesso em 01 jan. 2010.
4. Rath IBS; Bosco VL; Almeida ICS; Moreira EAM. Atendimento odontológico para crianças portadoras de deficiência visual. Arq Odontol. 2001; 37:183-8.
5. Brasil, Ministério da Saúde. Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde/MS sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de
Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 1996.
6. Pereira AC. Normas operacionais para execução de levantamentos em odontologia. In: Odontologia em saúde coletiva: planejando ações
e promovendo saúde. Porto Alegre: Artmed, 2003.
7. Ayres M, Ayres JRM, Ayres DL, Santos AAS. Bioestat 5.0. Sociedade Civil Mamirauá. Pará, 2007.
8. Dean AG, Dean JA, Coulombier D, Brendel KA, Smith DC, Burton HA et al. Epi Info, version 6.04: a word processing database and statistics program for a epidemiology on microcomputers.
Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention; 1996.
9. Fejerskov O, Kidd E. Cariologia clínica e a dentística operatória. In: Cárie dentaria: a doença e seu tratamento clínico. São Paulo:
Santos, 2005.
10. Mello TRC, Antunes JLF, Waldman EA. Áreas rurais: pólos de concentração de agravos à saúde bucal? Arquivos de Medicina. 2005; 19: 67-74.
11. Prefeitura Municipal de Teresina. Fundação Municipal de Saúde. Grupo Técnico de Saúde Bucal. Relatório Situacional da Assistência
Odontológica do Município de Teresina. Teresina, 2006. Disponível em: < http:// saude.teresina.pi.gov.br>. Acesso em 28 set. 2009.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003: Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília, Ministério da Saúde, 2004. 68 p. Disponível em < http:// www.apcd.org.br >. Acesso em 19 out. 2009.
13. Cericato GO, Fernandes APS. Implicações da deficiência visual na capacidade de controle de placa bacteriana a na perda dental. RFO UPF. 2008; 13:17-21.
14. Silva DD, Sousa MLR, Wada RS. Saúde bucal em adultos e idosos na cidade de Rio Claro, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública, 2004; 20:626- 31.
15. Frazão P, Antunes JLF, Narvai PC. Perda dentária precoce em adultos de 35 a 44 anos de idade. Estado de São Paulo, Brasil, 1998. Rev Bras Epidemiol. 2003; 6:49-57.
16. Mendonça TC. Mutilação dentária: concepções de trabalhadores rurais sobre a responsabilidade pela perda dentária. Cad Saúde Pública. 2001; 17:1545-7.
17. Pinto VG. Identificação de problemas In: Saúde bucal coletiva. 4ed. São Paulo: Santos, 2000. 18. Silva DD, Sousa MLR, Wada RS.
Autopercepção e condições de saúde bucal em uma população de idosos. Cad Saúde Pública. 2005; 21:1251-9.
19. Afonso-Souza G, Nadanovsky P, Werneck GL, Faerstein E, Chor D, Lopes CS. Confiabilidade teste-reteste do item único de saúde bucal
percebida em uma população de adultos no Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007; 23:1483-88.
20. Goulart ACF, Vargas AMD. A percepção dos deficientes visuais quanto à saúde bucal. Arq Odontol. 1998; 34:107-19.
21. Pinelli C, Turrioni APS, Loffredo LCM. Autopercepção em higiene bucal de adultos: reprodutibilidade e validade. Rev Odontol
UNESP. 2008; 38:163-9.
22. Araújo CS, Lima RC, Peres MA, Barros AJD. Utilização de serviços odontológicos e fatores associados: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25:1063-72.
23. Matos DL, Lima-Costa MF. Auto- avaliação da saúde bucal entre adultos e idosos residentes na Região Sudeste: resultados do Projeto SBBrasil, 2003. Cad Saúde Pública. 2006; 22:1699- 707.
24. Silva PV, Santana SRF, Almeida ECB, Araújo ACS, Cimões R, Gusmão ES. Impacto do número de dentes no desempenho de atividades diárias. RFO UPF. 2007; 12:13-7.
25. Silva SRC, Fernandes RAC. Autopercepção das condições de saúde bucal por idosos. Rev Saúde Pública. 2001; 35:349-55.
26. Carvalho OL. Condições e autopercepção da saúde bucal em adultos e idosos [dissertação]. Piracicaba (SP): Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas;
2005.
27. Bombarda-Nunes FF, Miotto MHMB, Barcellos LA. Autopercepção de saúde bucal do agente comunitário de saúde de Vitória, ES, Brasil.
Pesqui Bras Odontopediatria - Clín Integr. 2008; 8:7-14.
28. Lacerda JT, Castilho EA, Calvo MCM, Freitas SFT. Saúde bucal e o desempenho diário de adultos em Chapecó, Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24:1846-58.
29. Figueiredo MC, Faustino-Silva DD, Bez AS. Autopercepção e conhecimento sobre saúde bucal de moradores de uma comunidade carente do município de Porto Alegre-RS. ConScientiae
Saúde. 2008; 7:43-8.
30. Martins AMEBL, Barreto SM, Pordeus IA. Uso de serviços odontológicos entre idosos brasileiros. Rev Panam Salud Pública. 2007; 22:308-16.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Filho, M. D. de S., Nogueira, S. D. M., & Martins, M. do C. de C. e. (2016). Avaliação da saúde bucal de deficientes visuais em Teresina-PI. Arquivos Em Odontologia, 46(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3529
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)