Consumo de alimentos ricos em açúcar e cárie dentária em pré-escolares

  • Manoel Dias de Souza Filho Universidade Federal do Piauí - UFPI
  • Gustavo Diego de Farias Carvalho
  • Maria do Carmo de Carvalho e Martins Universidade Federal do Piauí - UFPI

Resumo

A cárie dentária, uma das doenças mais comuns entre crianças brasileiras, interferindo na qualidade de vida por causar dor e sofrimento. O presente estudo objetivou investigar a experiência de cárie dentária e o consumo de alimentos ricos em açúcar em pré-escolares atendidos em uma instituição filantrópica. A amostra foi constituída por 56 pré-escolares na faixa etária de 36 a 78 meses, regularmente matriculados em uma creche de Teresina-PI. Foram obtidas informações sobre dieta e hábitos de higiene bucal das crianças e realizado exame bucal dos pré-escolares na própria instituição, por um único examinador, para a determinação do índice ceo-d. A análise estatística foi realizada por meio da Análise de Variância (ANOVA) e teste posthoc de Tukey. A proporção de pré-escolares livres de cárie foi de 19,6%. Quanto à alimentação, mais de 90,0% das crianças consumiam alimentos ricos em açúcar extrínseco. Houve associação positiva entre a frequência do consumo de açúcar extracelular não-lácteo e a média do ceo-d (p<0,01). Observou-se que mais de 89,0% dos pré-escolares escovavam os dentes duas ou mais vezes por dia. Cerca de 44,6% não tinham a ajuda de um adulto para isso. Além disso, mais de um terço das crianças nunca foi submetida a um atendimento odontológico. Conclui-se, a partir de então, que a média do ceo-d dos pré-escolares estudados foi maior que a observada no Brasil. A proporção de crianças livres de cárie foi menor que as metas estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde para o ano 2000 e 2010. Os alimentos ricos em açúcar extrínseco eram consumidos por quase todos as crianças. O ceo-d aumentou com o consumo do açúcar extracelular nãolácteo e apesar do relativo cuidado com a higiene bucal, muitos pré-escolares não tinham acesso adequado aos serviços odontológicos.
Descritores: Dieta. Cárie dentária. Pré-escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Dias de Souza Filho, Universidade Federal do Piauí - UFPI
Curso de Biomedicina, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Parnaíba, PI, Brasil
Gustavo Diego de Farias Carvalho
Cirurgião-dentista
Maria do Carmo de Carvalho e Martins, Universidade Federal do Piauí - UFPI

Departamento de Biofísica e Fisiologia, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil
Faculdade NOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil

Referências

1. Fejerskov O, Kidd E. Cariologia clínica e a dentística operatória. In: Cárie dentaria: a doença e seu tratamento clínico. São Paulo: Santos; 2005. p.3-6.
2. Pan American Health Organization. Oral Health. Directing Council. XL Meeting. Washington, DC: PAHO;1997.
3. Souza Filho MD, Moreira-Araújo RSR, Araújo MAM, Moura MS. Dieta e cárie em préArquivos escolares na faixa etária de 36 a 68 meses.
Nutrire. Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2006; 31: 47-60.
4. Miller WD. The micro-organisms of the human mouth, Philadelphia. SS White Dental Manufacturing Co. 1890. In: Thylstrup A. Dieta e cárie: tratado de cariologia. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 1988.
5. Keys PH. The infecction and transmissible nature of experimental dental caries. Arch Oral Biol. 1960; 1:304-20.
6. Freitas STF. História social da cárie dentária. Bauru: EDUSC; 2001.
7. International Sugar Organization. World per capita consumption of centrifugal sugar. London: International Organization for Standardization; 1999.
8. Moynihan PJ, Holt RD. The national diet and nutrition survey of 1.5 to 4.5 year old children: summary of the findings of the dental survey.
Br Dent J. 1996; 181:328-32.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução 196/96 sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.
10. World Medical Association. Declaration of Helsinki. Ethical Principles for Medical Research Involving Human Subjects. 59th
WMA General Assebly; 2008. Oct; Seoul.
11. Ayres M, Ayres JRM, Ayres DL, Santos AAS. Bioestat 5.0. Pará: Sociedade Civil Mamirauá; 2007.
12. Dean AG, Dean JA, Coulombier D, Brendel KA, Smith DC, Burton HA, et al. Epi Info, version 6.04: a word processing database and
statistics program for a epidemiology on microcomputers. Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention; 1996.
13. Skeie MS, Raadal M, Strand GV, Espelid I. The relationship between caries in the primary dentition at 5 years of age and permanent dentition at 10 years of age: a longitudinal study. Int J Paediatr Dent. 2006; 16:152-60.
14. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população
brasileira: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
15. Federation Dentaire Internacionale. Global goals for oral health in the year 2000.Int Dent J. 1982; 32:74-7.
16. 4º Congresso Mundial de Odontologia Preventiva – Umea, Suécia. 1993; 3-5.
17. Almeida TF, Cangussu MCT, Chaves SCL, Silva DIC, Santos SC. Condições de saúde bucal de crianças na faixa etária pré-escolar,
residentes em áreas de abrangência do Programa Saúde da Família em Salvador, Bahia, Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant.
2009; 9:247-52.
18. Rigo L, Souza EA, Caldas Junior AF. Experiência de cárie dentária na primeira dentição em município com fluoretação das águas. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2009; 9:435-42.
19. Cortellazzi KL, Tagliaferro EPS, Assaf AV, Tafner APMF, Ambrosano GMB; Bittar TO, et al. Infuência de variáveis socioeconômicas,
clínicas e demográfca na experiência de cárie dentária em pré-escolares de Piracicaba, SP. Rev Bras Epidemiol. 2009; 12:490-500.
20. Rihs LB, Sousa MLR, Cypriano S, Abdalla NM, Guidini DDN, Amgarten C. Atividade de cárie na dentição decídua, Indaiatuba, São
Paulo, Brasil, 2004. Cad Saúde Pública. 2007; 23:593-600.
21. Moura LFAD, Moura MS, Toledo OA. Dental caries in children that participated in a Dentistry program providing mother and child
care. J Appl Oral Sci. 2006; 14:53-60.
22. Rocha CM, Abreu CAAD, Araújo DR, Isaac SZ, Pordeus IA, Paixão HH. Relação dieta/ cárie na odontopediatria: uma análise do
consumo de sacarose. Arq Odontol. 1998; 34:25-31.
23. Leite TA, Paula MA, Ribeiro RA, Leite ICG. Cárie dental e consumo de açúcar em crianças assistidas por creche pública. Rev Odontol Univ São Paulo. 1999; 13:13-8.
24. Rosenblatt A, Colares V, Figueiras R. Diagnóstico e tratamento em pacientes com cárie inativa: uma conduta contemporânea. ROBRAC. 1999; 26:14-6.
25. Fraiz FC, Walter LRF. Study of the factors associated with dental caries in children who receive early dental care. Pesqui Odontol
Bras. 2001; 15:201-7.
26. Santos APP, Soviero VM. Prevalência de cárie e fatores de risco em crianças de 0 a 36 meses. Pesqui Odontol Bras. 2002;16:203-8.
27. Bordon AKCB, Bussadori SK, Arsati YBO, Imparato JCP. Levantamento epidemiológico da cárie dentária em crianças. RGO (Porto Alegre). 2004; 52:256-60.
28. Barros, SG, Castro Alves A, Pugliese LS, Reis SRA. Contribuição ao estudo da cárie dentária em crianças de 0-30 meses. Pesqui
Odontol Bras. 2001; 15:215-22.
29. Peres MA, Latorre MRD, Sheiham A, Peres KG, Barros FC, Hernandez PG, et al. Determinantes sociais e biológicos da cárie
dentária em crianças de seis anos de idade: um estudo transversal aninhado numa coorte de nascidos vivos no sul do Brasil. Rev Bras
Epidemiol. 2003; 6:293-306.
30. Moraes ABA, Possobon RF, Ortiz CE. Motivação e comportamento preventivo de saúde bucal em programa de assistência
odontopediátrica na primeira infância. Pesqui Odontol Bras. 2000; 14:287-93.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Filho, M. D. de S., Carvalho, G. D. de F., & Martins, M. do C. de C. e. (2016). Consumo de alimentos ricos em açúcar e cárie dentária em pré-escolares. Arquivos Em Odontologia, 46(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3540
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)