Conhecimento de graduandos, pós-graduandos e docentes de Odontologia em relação à bioética

  • Letícia Ferreira dos Santos Universidade de São Paulo USP
  • Letícia Oliveira Tonin Universidade de São Paulo USP
  • Ricardo Henrique Alves da Silva Universidade de São Paulo USP

Resumo

Objetivo: Verificar o conhecimento de graduandos, pós-graduandos e docentes no que se refere às atividades de pesquisa científica em Odontologia e sua relação com a Bioética. Materiais e Métodos: Foram
selecionados alunos de graduação, pós-graduação e docentes, perfazendo 10 sujeitos de pesquisa para cada grupo especificado, em cada um dos cursos de Odontologia da Universidade de São Paulo, para aplicação de
questionário objetivo. Resultados: Com relação à assinatura de termo de consentimento para realização de fotos em pacientes, 46,7% (graduandos), 39,3% (pós-graduandos) e 42,6% (docentes) afirmaram não solicitar
autorização, embora reconheçam a necessidade de assinatura do mesmo antes do início do tratamento, relatando existir, quando da participação em pesquisas, termo de autorização. Conclusões: Os alunos de graduação e pós-graduação, bem como os docentes das unidades de Odontologia estudadas, demonstraram possuir conhecimentos básicos sobre os aspectos relacionados à Bioética e Ética em pesquisa com seres
humanos.
Descritores: Ensino. Bioética. Odontologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Ferreira dos Santos, Universidade de São Paulo USP

Departamento de Clínica Infantil, Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São
Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP, Brasil

Letícia Oliveira Tonin, Universidade de São Paulo USP

Departamento de Clínica Infantil, Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São
Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP, Brasil

Ricardo Henrique Alves da Silva, Universidade de São Paulo USP

Departamento de Clínica Infantil, Odontologia Preventiva e Social, Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São
Paulo (USP), Ribeirão Preto, SP, Brasil

Referências

1. Rego S. Contribuições da bioética para a saúde pública. Cad Saúde Pública. 2007; 23:2530-1.
2. Potter VR. Bioethics: bridge to the future. 2nded. Englewood Cliffs: Prentice Hall; 1971.
3. Aires CP, Hugo FN, Rosalen PL, Marcondes FK. Teaching of bioethics en dental graduate programs in Brazil. Braz Oral Res. 2006; 20:285-
9.
4. Ferreira HM, Ramos LH. Curriculum guideline for teaching ethics in undergraduate nursing program. Acta Paul Enferm. 2006; 19:271-8.
5. Silva RP, Ribeiro VMB. Inovação curricular nos cursos de graduação em medicina: o ensino da bioética como uma possibilidade. Rev Bras Educ Med. 2009; 33:134-43.
6. Kottow M. Introducción a la bioética. Santiago: Editorial Universitária; 1995.
7. Nicholas B. Power and the teaching of medical ethics. J Med Ethics. 1999; 25:507-13.
8. Cabral MML, Schindler HC, Abath FGC. Regulamentações, conflitos e ética da pesquisa médica em países em desenvolvimento. Rev
Saúde Pública. 2006; 40:521-7.
9. Muccioli C, Dantas PEC, Campos M, Bicas HEA. Relevância do Comitê de Ética em Pesquisa nas publicações científicas. Arq Bras Oftalmol. 2008; 71:773-4.
10. Lima SG, Lima TAG, Macedo LA, Sá MPBO, Vidal ML, Gomes RAF, et al. Ética em pesquisas com seres humanos: do conhecimento à prática. Arq Bras Cardiol. 2010; 95:289-94.
11. Clotet J. Por que Bioética? Rev Bioética. 1993; 1:13-9.
12. Mota S. Enciclopédia virtual da bioética. Biodireito (verbete). 1996.
13. Rego S. Educação e competência moral em Bioética. In: Anais do VI Congresso Brasileiro de Bioética. Foz do Iguaçu: Sociedade Brasileira de Bioética; 2005.
14. Musse JO, Boing AF, Martino FS, Silva RHA, Vaccarezza GF, Ramos DLP. O ensino da bioética nos cursos de graduação em odontologia do
estado de São Paulo. Arq Ciênc Saúde. 2007; 14:13-6.
15. Correa FJL. Enseñar bioética: cómo trasmitir conocimientos, actitudes y valores. Acta Bioeth. 2008; 14:11-8.
16. Kipper DJ. Docentes de bioética: critérios de certificação e qualificação. In: Anais do VI Congresso Brasileiro de Bioética. Foz do Iguaçu: Sociedade Brasileira de Bioética; 2005.
17. Rego S, Palácios M, Batista RS. Bioética para profissionais da saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009.
18. Freitas SFT, Kovaleski DF, Boing AF. Desenvolvimento moral em formandos deum curso de odontologia: uma avaliação construtivista. Cienc Saude Colet. 2005; 10:453- 62.
19. Amorim CPC. Nos labirintos da vida: a (bio)ética na formação de odontólogos (a visão de docentes) [dissertação]. Natal: Centro de Ciências Sociais da Saúde - UFRN; 2002.
20. Matos MS, Tenório R. Percepção de alunos, professores e usuários acerca da dimensão ética na formação de graduandos de odontologia.
Cienc Saude Col. 2010; 15: 3255-64.
21. Amorim AG, Souza ECF. Problemas éticos vivenciados por dentistas: dialogando com a bioética para ampliar o olhar sobre o cotidiano da prática profissional. Ciênc Saúde Col. 2010;
15:869-78.
22. Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, Brasília: UNESCO; 2002.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Santos, L. F. dos, Tonin, L. O., & Silva, R. H. A. da. (2016). Conhecimento de graduandos, pós-graduandos e docentes de Odontologia em relação à bioética. Arquivos Em Odontologia, 47(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3564
Seção
Artigos