Conhecimento atual sobre a necessidade de imunização da hepatite B dos acadêmicos da área da saúde de uma universidade brasileira

  • Manoelito Ferreira Silva-junior Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Rahyza Inácio Freire de Assis Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Cláudia Lobelli Rangel Gomes Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Paula Vitali Miclos
  • Hedilberto Araújo de Sousa Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
  • Maria José Gomes

Resumo

Objetivo: O objetivo do estudo foi avaliar o conhecimento sobre a vacinação da hepatite B, de acadêmicos dos cursos de Medicina, Odontologia e Enfermagem da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Materiais e Métodos: A metodologia utilizada foi descritiva transversal com abordagem quantitativa
e qualitativa, através de questionário semiestruturado validado em uma amostra de 298 acadêmicos. Os dados quantitativos foram expressos em frequências absolutas e relativas, e aos dados qualitativos seguiu-se a análise de Conteúdo de Bardin. Resultados: Dos alunos que acreditam que a vacinação é obrigatória, 83 (61,02%) são alunos de Medicina, 63 (77,77%) de Enfermagem e 50 (61,72%) de Odontologia. Dos alunos que são vacinados contra a hepatite B, a maioria são alunos de Medicina, com 109 (80,14%), seguidos pelos da Enfermagem com 58 (71,60%) e por último os de Odontologia 54 (66,66%). Na abordagem qualitativa, verificou-se apenas um eixo temático, Acesso. Sobre o acesso à informação sobre a doença, houve relato de diversos locais de obtenção do conhecimento. Foram citados também diversos locais que devem ser procurados pelos acadêmicos em caso de acidente com perfurocortantes. Conclusão: Embora os acadêmicos da área da saúde da UFES
tenham conhecimentos satisfatórios sobre a vacinação contra a hepatite B, muitos ainda não foram vacinados. Diante disso, observa-se a necessidade de campanhas de prevenção e esclarecimentos no intuito de aumentar o compromisso com vacinações dos alunos da área de saúde.

Descritores: Hepatite B. Riscos ocupacionais. Imunização. Vacinação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoelito Ferreira Silva-junior, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
Curso de Odontologia, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Vitória, Espírito Santo, Brasil.
Rahyza Inácio Freire de Assis, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
Curso de Odontologia, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Vitória, Espírito Santo, Brasil.
Cláudia Lobelli Rangel Gomes, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Programa de Pós-Graduação em Odontotologia, Departamento de Odontopediatria, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (FOP/UNICAMP), Piracicaba, São Paulo, Brasil.

Paula Vitali Miclos
Cirurgiã-dentista, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Hedilberto Araújo de Sousa, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES
Departamento de Clínicas Odontológicas, UFES, Vitória, Espírito Santo, Brasil
Maria José Gomes

Não consta.

 

Referências

1.Soriano EP, Carvalho MVD, Carneiro GR, Guimarães LL, Santos FB. Hepatite B: avaliação de atitudes profiláticas frente ao risco de contaminação ocupacional. Odontol Clín-Cient.2008; 7: 227-34.
2. Pinheiro J, Zeitoune, RCG. Hepatite b:Conhecimento e medidas de biossegurança e a saúde do trabalhador de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008; 12: 258-64. 3. Garcia LP, Facchini LA. Vacinação contra a hepatite B entre trabalhadores da atenção básica à saúde. Cad Saúde Pública. 2008; 24: 1130-40.
4. Garcia LP, Blank VLG, Blank N. Aderência a medidas de proteção individual contra a hepatite B entre cirurgiões-dentistas e auxiliares de consultório dentário. Rev Bras Epidemiol. 2007; 10: 525-35.
5. Cavalcanti FM, Melo RGSV, Patrício DPS, Zimmermann RD. Hepatite B: conhecimento evacinação entre os acadêmicos da Faculdade de Odontologia de Caruaru – PE. Odontol Clín–Cient. 2009; 8: 59-65.
6. Shimizu HE, Ribeiro EJG. Ocorrência de acidentes de trabalho por materiais perfurocortantes e fluidos biológicos em estudantes e trabalhadores da saúde de um Hospital Escola de Brasília. Rev Esc Enferm USP. 2002; 36: 367-75.
7. Reis RK, Gir E, Canini SRMS. Acidente com material biológico e vacinação contra hepatite B entre graduandos da área da saúde. Rev Latinoam Enferm. 2008;16:401-6.
8. Kohn WG, Collins AS, Cleveland JL, Harte JA, Eklund KJ, Malvitz DM, et al. Guidelines for infection control in dental health-care settings - 2003. MMWR Recomm Rep. 2003; 52: 1-66.
9. Silva-Júnior MF, Assis RIF, Sousa HA, MiclosPV, Gomes MJ. Conhecimento dos acadêmicos de odontologia da UFES sobre a necessidade de imunização. Rev Bras Pesqui Saude. 2013; 15(4): 87-94.
10. Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70; 2009.
11. Sanches GBS. Hepatite B: caracterização do status imune de profissionais de saúde no estado do Mato Grosso do Sul. Campo Grande. Tese [doutorado]: Universidade Federal do Mato Grosso do Sul; 2007.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2004: uma análise da situação de saúde. Brasília; Ministério da Saúde; 2004.
13. Souza M. Assistência de enfermagem em infectologia. São Paulo: Atheneu; 2000.
14. Rapparini C, Barreira D, Fonseca A. Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Gerência de DST/AIDS. Manual de condutas em exposição ocupacional a material biológico, 1997.
15. Moreira MG, Evangelista PF, Athayde LA. Perfil sorológico dos marcadores de hepatite B em profissionais acadêmicos da área da saúde. Rev Bras Anal Clín. 2010; 42: 255-9.
16. Santos AAB, Soares IMS, Limeira IA, Ângelo AR, Veloso HHP, Queiroga AS. Conhecimentos e comportamentos de risco dos alunos de odontologia do Centro Universitário de João Pessoa em relação à Hepatite B. Comun Ciênc Saúde. 2011; 22: 335-42.
17. American Academy of Pediatrics. Report of the Committee on Infectious Diseases. 25th ed. Elk Grove Village: American Academy of Pediatrics; 2000.
18. Mast EE, Margolis HS, Fiore AE, Brinck EW, Goldstein W, Wang SA, et al. A comprehensive immunization strategy eliminate transmission of hepatitis B virus infection in the United States. Recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). Part 1: Immunization of infants, children, and adolescents. MMWR Recomm Rep. 2005; 54:1-31.
19. Trevisan A, Borella-Venturini M, Di Marco L. Compliance with hepatitis B vírus vaccine: A matter of force? Am J Infect Control. 2005; 34: 465-6.
20. Ferrari CKB, Savazzi K, Honorio-França AC, Ferrari GSL, França EL. Conhecimentos sobre hepatites virais numa amostra de estudantes brasileiros do Vale do Araguaia, Amazônia Legal. Acta Gastroenterol Latinoam. 2012; 42: 120-6.
21. Vieira TB, Pereira R, Santos KF, Leal DBR. Soroconversão após a vacinação para hepatite B em acadêmicos da área da saúde. Disc Scientia. Série: Ciências da Saúde. 2006; 7: 13-21.
22. Ferreira MS. Diagnóstico e tratamento da hepatite B. Rev Soc Bras Med Trop. 2000; 33: 383-400.
23. Ferreira CT, Silveira TR. Viral hepatitis: epidemiological and preventive aspects. Rev Bras Epidemiol. 2004; 7: 473-87.
24. Santos SLV, Souza ACS, Tipple AFV, Souza JT. O papel das instituições de ensino superior na prevenção das doenças imunopreveníveis. Rev Eletrônica Enfer. 2006; 8: 91-8.
25. Azambuja EP, Pires DP, Vaz MRC. Prevenção e controle de infecção hospitalar: as interfaces com o processo de formação do trabalhador. Texto & Contexto Enferm. 2004; 13: 79-86.
26. Pinheiro J, Zeitoune RCG. O profissional de enfermagem e a realização do teste sorológico para.
Publicado
2016-06-14
Como Citar
Silva-junior, M. F., Freire de Assis, R. I., Rangel Gomes, C. L., Miclos, P. V., de Sousa, H. A., & Gomes, M. J. (2016). Conhecimento atual sobre a necessidade de imunização da hepatite B dos acadêmicos da área da saúde de uma universidade brasileira. Arquivos Em Odontologia, 50(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3666
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)