MODELAGEM DE MUDANÇA DO USO DA TERRA NO NOROESTE DO MATO GROSSO: POSSIBILIDADES DE ANÁLISE AMBIENTAL A PARTIR DA REVOLUÇÃO DA GEOGRAFIA QUANTITATIVA.

  • Max Paulo Rocha Pereira IGC/UFMG

Resumo

A evolução do pensamento geográfico possibilitou o desenvolvimento da geografia quantitativa que conferiu aos estudos dentro do escopo das ciências geográficas um maior rigor metodológico, aproximando a geografia do que vários autores chamaram de neopositivismo. Com a evolução dos softwares, criação de metodologias e aumento da capacidade de processamento foi possível dar mais robustez as análises e garantiu ainda à possibilidade de elaboração de modelos analíticos e preditivos representando fenômenos ambientais e antrópicos em diferentes escalas com grau de similaridade cada vez maior. Como estudo de caso, este trabalho buscou apresentar dados do projeto PRODES do INPE, além de realizar uma modelagem preditiva do desmatamento na região noroeste do Mato Grosso. Os dados revelaram um acréscimo no desmatamento na região para 2033 caracterizado pela mudança de uso da terra na área analisada.

Publicado
2019-06-13
Seção
Artigos