DEFICIÊNCIA, DIVERSIDADE E DIFERENÇA:

IDIOSSINCRASIAS E DIVERGÊNCIAS CONCEITUAIS

Autores

Palavras-chave:

Deficiência, Diversidade, Diferença Humana, Política de Inclusão

Resumo

Em virtude das diferentes circunstâncias históricas, o marco político e legal brasileiro para a inclusão se expandiu consideravelmente nas últimas décadas, trazendo diretrizes transversais em favor de grupos identitários específicos como pessoas com deficiências, mulheres e coletivos etnicorraciais. Desde 1980, a Organização das Nações Unidas (ONU) assume um papel preponderante na difusão de orientações internacionais contra violências, discriminações e privações que colocam em múltiplos riscos pessoas e grupos sociais. Portanto, há, em certa medida, o consenso de que a inclusão é um princípio regulador das nações. Ainda que seja uma pauta emergente diante do complexo quadro de barreiras e exclusões sociais, os discursos públicos, das agências internacionais e de dirigentes governamentais, na defesa da inclusão e diversidade apresentam idiossincrasias e contradições que, inclusive, camuflam intencionalidades políticas, desconectadas das lutas coletivas. Nesta linha, este artigo tem como objetivo caracterizar as diferenças conceituais entre deficiência, diversidade e diferença humana com intuito de refletir acerca de como esses conceitos operam nas dinâmicas sociais. Conclui-se que as definições, objetos de análise, situam-se em um mesmo debate político, porém cada termo configura fundamentos ideológicos próprios que ora alinham-se às perceptivas críticas do discurso, ora reproduzem a visão normativa de sujeitos-corpos-mentes, naturalizando, de forma muitas vezes sutil, a retórica da subalternidade na relação entre dominantes e dominados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jackeline Susann Souza da Silva, Universidad de Salamanca

Jackeline Susann Souza da Silva: Doutora em Educação pela Universidad de Salamanca (Espanha). Mestre na Linha de Pesquisa Estudos Culturais e Licenciada em Pedagogia pela UFPB (Brasil). Realizou intercâmbio no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (UC-Portugal), e no Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI-Brasil). Colaborou na função de docente e pesquisadora no Observatório Nacional da Educação Especial (UFSCar) e no Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Ação sobre Mulher-NIPAM (UFPB). Desenvolve consultorias, relatórios técnicos e materiais para instituições nacionais e internacionais, entre estas para a UNESCO. Atualmente, é coordenadora educacional da Educação de Jovens e Adultos-EJA na Secretaria de Educação e Cultura de João Pessoa (PB)-SEDEC.  Campos de expertise: disability studies, acessibilidade, relações gênero, educação superior e práticas pedagógicas inclusivas.

Publicado

2022-10-17

Edição

Seção

Artigos