CHAMADA, v. 6, n. 2, 2021: submissão até 21 de abril de 2021

2020-04-08

ESPORTE PELO PRISMA DOS MÉTODOS QUANTITATIVOS

MQ_esporte_Fulia.PNG
Imagem
(fonte): IBGE.

Nas últimas duas décadas é possível identificar um aumento da utilização dos métodos e técnicas quantitativas em pesquisas sociais nas mais variadas áreas do conhecimento. Muitos desafios foram debatidos para superar as principais dificuldades do campo e favorecer o crescente interesse e uso das técnicas quantitativas de produção e análise de dados.

O desenvolvimento tecnológico com a ampliação do potencial de processamento e armazenamento de dados em computadores pessoais combinado com a redução dos custos de aquisição de softwares e equipamentos informáticos garantiram o acesso mais facilitado e viabilizaram esse processo. Embora estes sejam fatores essenciais, é importante mencionar a ampliação das possibilidades de participar de cursos e treinamentos sofisticados voltados para a aplicação dos métodos e técnicas quantitativas em pesquisas sociais nas mais variadas áreas do conhecimento, em várias instituições brasileiras, seja na graduação, seja na pós-graduação. O desenvolvimento das habilidades dos pesquisadores tem promovido cada vez mais a aplicação destes recursos analíticos. Cabe ainda mencionar o fim da oposição dos métodos de pesquisa qualitativo e quantitativo passando para um paradigma de complementaridade entre as distintas metodologias de pesquisa em um mesmo projeto, potencializando os resultados obtidos e a análise da realidade social.

No âmbito dos esportes – não apenas do futebol – diversas pesquisas utilizam dados produzidos por meio de survey, análise do discurso, raspagem de dados de redes sociais e análise quantitativas de fontes diversas. O presente dossiê da revista FuLiA/UFMG busca alargar as possibilidades de aplicação dos métodos quantitativos no âmbito dos esportes, convocando trabalhos que utilizam esta abordagem em diferentes perspectivas esportivas, nas diversas áreas do conhecimento.  .

Organizador: Jean-Michel de Waele (Departamento de Ciência Política, Universidade de Bruxelas/Bélgica); Jimmy Medeiros (Faculdade de Ciências Sociais, Fundação Getúlio Vargas/Brasil).