Pertencimento de mulheres no futebol estudo de caso do projeto Futebol Feminino Campinas/SP

Conteúdo do artigo principal

Nathália Cristina Servadio
Helena Altmann

Resumo

O futebol jogado por mulheres no Brasil vem crescendo, desde última a década, mas não necessariamente se desenvolvendo – sobretudo entre crianças, jovens e mulheres não profissionais. Há urgência em pensar o acesso – com dignidade e pertencimento – à prática futebolística de forma contínua e geracional para este público. Assim, o objetivo deste artigo passou por investigar a trajetória do projeto Futebol Feminino Campinas (FFC) ao ofertar a prática futebolística para mulheres de distintas gerações na cidade de Campinas/SP. Para tanto, foi realizado um estudo de caso, que incluiu: observações virtuais, sete entrevistas on-line, 12 cartas on-line com a comunidade do projeto. Os relatos foram categorizados e destacados em duas temáticas: criação de oportunidades encabeçada por mães-jogadoras e senso de pertença ao futebol vinculado às políticas esportivas. Dar visibilidade às estratégias do projeto FFC possibilitou refletir sobre a criação de oportunidades responsáveis e desafios para democratização da prática futebolística no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SERVADIO, N. C.; ALTMANN, H. Pertencimento de mulheres no futebol: estudo de caso do projeto Futebol Feminino Campinas/SP. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 8, n. 3, p. 82–116, 2023. DOI: 10.35699/2526-4494.2023.45278. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/45278. Acesso em: 18 abr. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

ALMEIDA, Caroline Soares de. O Estatuto da FIFA e a igualdade de gênero no futebol: histórias e contextos do futebol feminino no Brasil. FuLiA/UFMG, Belo Horizonte, v. 4, n. 1, p. 72-87, 2017.

ALTMANN, Helena; AYOUB, Eliana; AMARAL, Silvia Cristina Franco. Gênero na prática docente em educação física: “meninas não gostam de suar, meninos são habilidosos ao jogar?”. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, p. 491-501, 2011.

AYOUB, Eliana. Gestos, cartas, experiências compartilhadas. Revista Leitura, Alagoas, n. 58, p. 274-283, 2012.

BARREIRA, Julia; MEDEIROS, Daniela; FERREIRA, Flavia. Futebol feminino como prática de lazer: um mapeamento dos espaços públicos e privados na cidade de Campinas/SP. Resumos do X Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana, São Paulo, 2017.

BARREIRA, Julia; MAZZEI, Leandro; CASTRO, Flavio; GALATTI, Larissa. CONMEBOL e o futebol de mulheres: uma análise das estratégias de desenvolvimento (in) existentes na América do Sul. In: MARTINS, Mariana Z.; WENETZ, Ileana (Ed.). Futebol de mulheres no Brasil: desafios para as políticas públicas. Curitiba: Ed. CRV, 2020, p. 29-44.

BENINI FILHO, Flávio de Andrade. Educação do corpo na perspectiva de gênero: uma análise de projetos públicos de esporte e lazer. Dissertação (Mestrado em Educação), Unicamp, Campinas/SP, 2017.

BONFIM, Aira Fernandes. Football feminino entre festas esportivas, circos e campos suburbanos: uma história social do futebol praticado por mulheres da introdução à proibição (1915-1941). Dissertação (Mestrado em História, Política e Bens Culturais), FGV-Rio, 2019.

BRASIL. A prática de esporte no Brasil. Brasília, 2015. Disponível em: https://encurtador.com.br/qLY01. Acesso em: 5 jan. 2021.

BRAUNER, Vera Lucia. Desafios emergentes acerca do empoderamento da mulher através do esporte. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 521-532, 2015.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. São Paulo: Civilização Brasileira. 2003.

CAMPINAS, Futebol Feminino, c2020. Página inicial. Campinas. Disponível em: http://futebolfemininocampinas.com.br. Acesso em: 20 jun. 2020.

CHOW, Jia Yi. Non-linear learning underpinning pedagogy: evidence, challenges and implications. Quest, v. 65, n. 4, p. 469-484, 2013.

DAOLIO, Jocimar. As contradições do futebol brasileiro. In: CARRANO, Paulo C. Rodrigues. Futebol: paixão e política. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2000, p. 29-44.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUNNING, Eric; MAGUIRE, Joseph; WUILLAUME, PATRICE CHARLES FX. As relações entre os sexos no esporte. Estudos Feministas, p. 321-348, 1997.

FIFA. Women’s Development Programme. c2023. Zurich, Switzerland. Disponível em: https://encurtador.com.br/hAWX2. Acesso em: 8 mar. 2023.

FIFA. Women’s football member associations survey report. c2019.Zurich, Switzerland: Disponível em: https://encurtador.com.br/bjszW. Acesso em: 1º mar. 2023.

FIFA. Benchmarking Report Women’s Football. Disponível em: https://encurtador.com.br/fwIT9. Acesso em: 6 fev. 2022.

FOUCAULT, Michael. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2012.

FRANZINI, Fábio. Futebol é "coisa para macho”?: pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História, v. 25, p. 315-328, 2005.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 19, n. 2, p. 143-151, 2005.

GOELLNER. A Educação Física e a construção do corpo da mulher: imagens de feminilidade. Motrivivência, UFSC, Florianópolis, n. 16, 2001.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Bela, maternal e feminina: imagens da mulher na Revista Educação Physica. Seminário Estadual de Dissertações e Teses [Programa e resumos], UFRGS, Porto Alegre/RS, 2000.

GUEDES, Simoni Lahud. Prefácio. In: KESSLER, Cláudia Samuel; COSTA, Leda Maria da; PISANI, Mariane da Silva. As mulheres no universo do futebol brasileiro. Santa Maria: Ed. Universidade Federal de Santa Maria, 2020, p. 15-19.

JACOBS, Josephine C. Programme-level determinants of women's international football performance. European Sport Management Quarterly, v. 14, n. 5, p. 521-537, 2014.

MARCELLINO, Nelson Carvalho et al. Políticas públicas de lazer-formação e desenvolvimento de pessoal: os casos de Campinas e Piracicaba/SP. Curitiba/PR: OPUS, 2007.

MARTINS, M. Z.; SILVA, K. R. S.; VASQUEZ, V. As mulheres e o país do futebol: intersecções de gênero, classe e raça no brasil. Movimento, v. 27, p. e27006, 2021.

MELO, Victor A. de. Apontamentos para uma história comparada do esporte: um modelo heurístico. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 24, n. 1, 2010.

MELO, Vitor A. de. Futebol, lazer e práticas lúdicas. Ciência e Cultura, v. 66, n. 2, p. 35-38, 2014.

MENDONÇA, Renata. O brasileiro feminino de 2020 terá número recorde de times profissionais. Dribladoras, 2020. Disponível em: https://shre.ink/l2Vw. Acesso em: 6 jan. 2021.

MISKOLCI, Richard; FIGUEIREDO BALIEIRO, Fernando de. Sociologia Digital: balanço provisório e desafios. Revista Brasileira de Sociologia, v. 6, n. 12 , p.133-156, 2018.

MORAES, Enny Vieira. Fazendo gênero e jogando bola: futebol feminino na Bahia anos 80-90. Salvador: EDUFBA, 2014.

MOURA, Eriberto Jose Lessa de. As relações entre lazer, futebol e gênero. Dissertação (Mestrado em Educação Física), Unicamp, Campinas/SP, 2003.

PENNA, Belisário. A mulher, a escola e o lar. S. D. Departamento de Arquivo e Documentação/ Casa de Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro. Fundo Pessoal Belisário Penna. Manuscrito. 13 folhas. BP/PI/TP/90002040-37. Disponível em: http://arch.coc.fiocruz.br/index.php/y20w2. Acesso em: 10 mar. 2022.

SALVINI, Leila; FERREIRA, Ana Letícia Padeski; MARCHI JÚNIOR, Wanderley. O futebol feminino no campo acadêmico brasileiro: mapeamento de teses e dissertações (1990–2010). Pensar a prática, Goiânia, v. 17, n. 4, 2014.

SCHUCMAN, Lia. V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese (Doutorado), USP, 2012. Biblioteca Digital Teses e Dissertações USP.

SCOTT, Joan. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, v. 13, 2005, p. 11-30.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, UFRGS, v. 20, n. 2, 1995.

UNGHERI Bruno, ISAYAMA Hélder Ferreira. Equipamentos públicos de lazer e esporte: o cenário institucional de municípios que implementaram o Programa Esporte e Lazer da Cidade. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 43, 2020.

VALLADARES, Licia do Prado. A invenção da favela: do mito de origem à favela. Editora FGV, 2005.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.