LOQUEDAUN

A cidade em tempos de corona vírus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-3263.2020.29040

Palavras-chave:

Corona vírus, Cidades fantasmas, Cidade pestilenta, Sociedade do rendimento, Domesticação

Resumo

Esse ensaio traz à atualidade da pandemia do Corona Vírus o artigo Cidades Fantasmas, escrito em 2001, como uma critica da fotografia de arquitetura. Constituía-se numa visão premonitória do abandono da cidade tradicional metaforizada nas fotografias de arquitetura, e da ausência humana nas revistas e livros de história da arquitetura, por um novo modelo de cidade. O ensaio apresenta ainda o modelo de cidade antipestilenta e do rendimento como novas formas de disciplinaridade e controle das cidades no século XVIII ao XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Freitas Fuão, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil

Professor titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRGS. Professor do Programa de pesquisa e pós graduação em arquitetura (PROPAR), e pesquisador do CNPq. Líder do grupo de pesquisa (CNPq): Arquitetura, Derrida e aproximações.

Referências

BOÉTIE, Étienne de la. Discurso da servidão voluntária. (1549) L.C.C. Publicações Eletrônicas www.culturabrasil.org. 2006.

CAMUS, Albert. A peste. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2008.

DEFOE, Daniel. Um diário do ano da peste. Porto Alegre: Artes e Ofícios Editora, 2014.

DELEUZE, G. Post-Scriptum sobre as Sociedades de Controle, in L’Autre Journal, n° 1, maio de 1990.

FLUSSER, Vilém. Phantom City. La ciutat espectre. Barcelona: Fundació Joan Miró, 1985(a).

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Hucitec, 1985(b).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1977.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições GRAAL. 1979. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque.

FUÃO, Fernando. Arquiteturas do distanciamento. Em: https://fernandofuao.blogspot.com/2012/10/arquiteturasdodistanciamento.html

FUÃO, Fernando. Cidades fantasmas. Arqtextos n.1. Propar. 2 sem. 2001.

FUÃO, Fernando. Espectros na máquina de morar. Em RES. Revista de estética e Semiótica v. 8, n. 2. (2018).

FUÃO, Fernando. Sobre domesticação, a cidade pestilenta. Em RES. Revista de estética e Semiótica v. 9 n. 2. (2019).

FUÃO, Fernando. Desconjuro moderno. Em Fuão, F.; (org.) Desconjuro Moderno. 2019. Porto Alegre: UFRGS. Disponivel em: https://fernandofuao.blogspot.com/2020/05/desconjuromoderno-fernando-freitas.html

HAN, Byung-Chul. A sociedade do cansaço. Petrópolis: Editora Vozes. 2015. Trad. Enio Paulo Giachini.

LE CORBUSIER. A Carta de Atenas. (Tradução e apresentação Roberta Scherer) São Paulo: Edusp. 1993.

MBEMBE, Aquile. Necropolítica. São Paulo: N1 Editora. 2010. Trad. Renata Santini.

Mc LUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem - Understanding Media. São Paulo: Editora Cultrix, 1969. Trad. Décio Pignatari

VIRILIO. Paul. Estética de la desaparición. Barcelona: Anagrama, 1988.

Downloads

Publicado

2020-12-31 — Atualizado em 2020-12-31

Como Citar

Fuão, F. F. . (2020). LOQUEDAUN: A cidade em tempos de corona vírus. Indisciplinar, 6(2), 254–277. https://doi.org/10.35699/2525-3263.2020.29040