Urbanismo participativo na produção do espaço em Brasília como forma de resistência

o caso do processo de regularização fundiária da ocupação Dorothy Stang

Autores

  • Liza Maria Souza de Andrade Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6624-4628
  • Natália da Silva Lemos Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil
  • Vânia Raquel Teles Loureiro Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8092-2440
  • Ártemis Sandra Borges Nunes Costa Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil

Palavras-chave:

Regularização fundiária, Produção do espaço, Urbanismo participativo

Resumo

O urbanismo participativo busca promover processos de projetação e regularização incluindo a população nas diversas tomadas de decisão, desde a legitimação e posse da terra, aos impactos sociais, ambientais, econômicos e culturais das diferentes formas de ocupar o território. O objetivo deste trabalho é demonstrar o processo de projeto de urbanismo participativo que está sendo desenvolvido na Ocupação Urbana Dorothy Stang com a comunidade e as lideranças por meio de assessoria técnica do Grupo de Pesquisa “Periférico, trabalhos emergentes” em parceria com o Escritório Modelo  CASAS da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UnB (Edital Nº 01/2017 – DEX/DPI). Pretendese demonstrar os resultados da primeira fase do projeto de extensão, o questionário de envolvimento baseado nas dimensões da sustentabilidade social, econômica, ambiental, cultural e emocional e os mapas afetivos e colaborativos sobre a situação existente para entendimento da apropriação do espaço pela comunidade e os impactos ambientais. Considerando a política de regularização fundiária da Lei n.º 11.977/2009 e a recente Lei n. 13465/2017, até o momento foram realizadas 3 reuniões com os governos federal e distrital para o entendimento do processo e anseios da comunidade. Importa destacar que o trabalho se insere na dinâmica metodológica do grupo de pesquisa Periférico que visa o desenvolvimento de inovações em processos de ensino com metodologias ativas e de inclusão social, participando do desenvolvimento de tecnologias sociais com comunidades. Trata-se de uma abordagem interdisciplinar e transdisciplinar nas áreas de promoção da saúde, economia solidária e direitos humanos que busca a construção de experiências vividas enquanto construção social, promovendo uma troca de saberes entre a comunidade e a universidade para atender às demandas reais mais prementes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liza Maria Souza de Andrade, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil

Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília – lizamsa@gmail.com. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília. Professora da Graduação e da Pós-graduação da FAU/UnB. Coordena o escritório modelo CASAS/FAU/UnB e Líder no Grupo de Pesquisa “Periférico – trabalhos emergentes” e Vice-líder do Grupo “Água e Ambiente Construído”. Atua em diversas linhas de pesquisas, enfatizando a extensão e os processos participativos de projetos arquitetônicos e urbanísticos.

Natália da Silva Lemos , Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil

Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília – lemos.natalia@gmail.com. Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas. Pesquisadora permanente nos Grupos “Periférico – trabalhos emergentes” e “Água e Ambiente Construído. Atua em diversas linhas de pesquisas com ênfase no urbanismo e seus processos de projetos.

Vânia Raquel Teles Loureiro, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil

Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília – vania.teles.loureiro@gmail.com. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília. Vice-líder do Grupo de “Periférico – trabalhos emergentes”. Atua em diversas linhas de pesquisas, enfatizando as questões morfológicas da urbanização de ocupações urbanas irregulares.

Ártemis Sandra Borges Nunes Costa, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Brasil

Mestranda do Programa de PósGraduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília - artemis.costaa@gmail.com. Pesquisadora agregada ao Grupo Periférico – trabalhos emergentes, com ênfase no processo participativo para o desenvolvimento de projeto urbanístico de ocupação irregular na cidade de Brasília

Referências

ALEXANDER, Christopher; ISHIKAWA Sara; Murray, SILVERSTEIN; JACOBSON, Max; FIKSDAHL-KING, Ingrid; ANGEL, Shlomo. A Pattern Language: towns, buildings, construction. Barcelona: Gustavo Gilli, 1977.

ANDRADE, Liza Maria Souza de. Conexão dos Padrões Espaciais dos Ecossistemas Urbanos: a construção de um método com enfoque transdisciplinar para o processo de desenho urbano sensível à água no nível da comunidade e o no nível da paisagem. 2014. Tese (Doutorado em

Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, UnB, Brasília, 2014.

ANDRADE, Liza Maria Souza, LEMOS, Natalia da Silva. Qualidade de projeto urbanístico: sustentabilidade e qualidade da forma urbana. In: AMORIM, C. N. D. et al. Avaliação da qualidade da habitação de interesse social: projetos arquitetônicos e urbanístico e qualidade urbanística. Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, UnB, 2015.

ARES, Pablo; RISLER Julia. Manual de Mapeo Colectivo: Recursos Cartográficos Críticos para Procesos Territoriales de Creación Colaborativa. Buenos Aires: Tinta Limón, 2013.

BONDUKI, Nabil. Os pioneiros da habitação social no Brasil: volume 1. 1 ed. São Paulo: Editora Unesp: Edições Sesc São Paulo, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016.

Cary Institute of Ecosystem Studies. Disponível em https://www.caryinstitute.org/. Acessado em 10 de agosto de 2018.

DAGNINO, Renato. Tecnologia Social. Contribuições conceituais e metodológicas. Florianópolis/Insular, EDUEPB/Campina Grande, 2014.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. COMUM. Ensaio sobre revolução do século XXI. São Paulo: Boitempo, 2017.

ESNE. ESCUELA UNIVERSITARIA DE DISEÑO, INNOVACIÓN Y TECNOLOGÍA. Urban ecosystem is a design and consulting company operating within the fields of urbanism, architecture, engineering and sociology, with offices in Madrid and Miami. Disponível em: http://ecosistemaurbano.org/tag/jorge-toledo/. Acessado em 30 de junho de 2018.

HARVEY, David. A liberdade da cidade. Traduzido por: Alfredo, Anselmo; Schor, Tatiana; Boechat, Cássio Arruda. São Paulo: GEOUSP- Espaço e Tempo, 2009.

HARVEY, David. O direito à cidade. Traduzido por: Pinheiro, Jair. In: Lutas sociais. São Paulo, nº 29, 2012

LNECP.DED/NAU. Participação da comunidade em processos de desenho urbano e de urbanismo: levantamento e descrição de métodos e técnicas. Lisboa: Relatório 41/2013, I&D Edifícios.

LEFEBVRE, Henri. 1901-1991. O direito da cidade. Traduzido por: Cristina C. Oliveira. Itapevi: Nebli, 2016.

MARICATO, Ermínia. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis: Vozes, 2000.

MONTANER, Josep Maria e MUXÍ, Zaida. Arquitetura e Política. Ensaios para mundo alternativos. Barcelona: Gustavo Gilli, 2013.

NEDER, Ricardo Toledo. Interacionismo sociotécnico e cultura de resistência em políticas de incubação de cooperativas populares: sete dimensões estratégicas em ITCP como agência, como indicadores de avaliação. In: Encontro Nordestino de Incubadoras de Economia Solidária “Democracia e economia solidária: impasses e oportunidades”. Juazeiro do Norte, 2016.

NEDER, Ricardo Toledo e MORAES, Raquel de Almeida. Para onde vai a universidade diante da política de Ciência & Tecnologia no Brasil? Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América. HISTEDBR Grupo de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil/UnB/ Capes-Escola de Altos Estudos. Volume 7. Serie 1.R. p.: II. 26 cm – Cadernos Primeira Versão. Brasília, 2017.

PINTO, Vitor Carvalho. Mitos e verdades sobre a nova Lei da Regularização Fundiária Urbana. In: Caos Planejado. 2017. Disponível em: https://caosplanejado.com/mitos-e-verdades-sobre-a-nova-lei-daregularizacao-fundiaria-urbana/. Acessado em 02 de junho de 2018.

ROLNIK, Raquel. A Cidade e a Lei: Legislação, Política Urbana e Territórios na Cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel, 1999

THOMAS, H. Tecnología, Desarrolho, democracia. Sistemas Tecnológicos sociales y cidadania sócio-técnica. In: R.T.Neder (Org.) CTS – Ciência Tecnologia e Sociedade e a produção de conhecimento na universidade. Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/CAPES. Brasília: Escola Altos Estudos - UnB, 2013. pp. 85-114.

Downloads

Publicado

2018-09-20

Como Citar

Andrade, L. M. S. de ., Lemos , N. da S. ., Loureiro, V. R. T. ., & Costa, Ártemis S. B. N. . (2018). Urbanismo participativo na produção do espaço em Brasília como forma de resistência: o caso do processo de regularização fundiária da ocupação Dorothy Stang. Indisciplinar, 4(1), 108–137. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/indisciplinar/article/view/32874