Pi-Ramsés: ponto de partida da saída do Egito

  • Manu Marcus Hubner Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Bíblia, Israel, Êxodo

Resumo

Segundo o relato da Bíblia Hebraica, os Filhos de Israel permaneceram durante séculos no Egito, onde se tornaram escravos. Nos últimos anos desta terrível e degradante experiência, foram expectadores de fantásticos eventos que culminaram na sua libertação: as pragas do Egito, seguidas pelo milagre da abertura do mar para sua travessia. Seguiu-se um período de quarenta anos em que os Filhos de Israel saíram do Egito e se dirigiram à terra de Canaã – um período de grandes milagres e maravilhas, no qual os Filhos de Israel atravessaram um deserto inóspito e enfrentaram diversas provações, mas também passaram pela experiência mais marcante de toda a sua existência, no Monte Sinai. O ponto de partida desta libertação é a cidade de Ramsés, palco da intervenção Divina direta na história da humanidade e primeira das quarenta e duas estações da jornada à terra de Canaã. O livro do Êxodo (1:11) a descreve como cidade-armazém. Após milênios soterrados, os restos mortais da cidade supostamente começaram a emergir no século passado, por meio da arqueologia, e podem nos dizer muito sobre seu nome, sua história, sua geografia e seu significado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manu Marcus Hubner, Universidade de São Paulo

Doutorando em Letras no Programa de Língua Hebraica e Literatura e Cultura Judaicas da FFLCH-USP.

Referências

BIBLE WORKS 5.0. Bigfork (MT): Hermeneutika Computer Bible Research Software, 2001.

ENCYCLOPAEDIA JUDAICA – CD ROM Edition. Jerusalem: Keter Publishing House, 1997.

JUDAIC CLASSICS LIBRARY: version 2.2. New York: Judaica Press, 2001.

THE SONCINO CLASSICS COLLECTION. New York: Judaica Press, 1990.

WORLD BIBLICAL COMMENTARY. Dallas: Libronix, 1987.

Publicado
2010-10-30
Como Citar
Hubner, M. M. (2010). Pi-Ramsés: ponto de partida da saída do Egito. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 4(7), 45-52. https://doi.org/10.17851/1982-3053.4.7.45-52