A discriminação sociolinguística dos judeos magrebinos

Palavras-chave: Hebraico, Sociolinguística, Discriminação

Resumo

Por intermédio deste artigo, tratarei de demonstrar que grande parte do léxico árabe, usado no hebraico falado, provém, em sua grande maioria, do árabe falado pelos judeus do norte da África. Por outro lado tratarei de explicar por que estas estruturas linguísticas são consideradas como parte do registro baixo da língua e quase todas elas têm conotação negativa, relacionando esta realidade à posição social e cultural dos judeus falantes do árabe, ou seja, uma posição de marginalidade na sociedade israelense desde a chegada em massa dos imigrantes de países árabes. Analisando a penetração linguística destas palavras e a sua conotação negativa, podemos inferir que este fenómeno está diretamente relacionado a uma forma de discriminação sociocultural do falante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Damian Alejandro Dzienciarsky, Universidade Estadual de Campinas

Professor no Centro de Estudos da Linguagem (CEL) na Universidade Estadual de Campinas.

Referências

COHEN, Erik. The Black Panthers and Israeli Society. The Jewish Journal of Sociology 14, n. 1, London, p. 93- 109, 1972.
DZIENCIARSKY, Damián A. A extraposição no Hebraico. Um fenômeno linguístico do idioma ou discriminação dos judeus da comunidade oriental. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8158/tde-08012013-144053/pt-br.php. Acesso em: 11 out. 2019.
EIZENSHTADT, Shmuel. Haxevrá Haisraelit Bitmuroteia (A sociedade israelense e as mudanças). Jerusalem: Agnus Press, 1988.
ELLA, Shohat. Os sefarditas em Israel. O sionismo do ponto de vista das vítimas judaicas. Novos Estudos 79, II, nov. 2007.
EZRAHI, Yaron. Rubber Bullets: Power and Conscience in Modern Israel. New York: Farrar: Straus and Giroux, 1996.
KIMERLING, Baruch. Mehagrim, Mitiashvim, Ielidim (Migrantes, Colonos, Nativos). Tel Aviv: Am Oved, 2004.
LEHMANN, David; SIEBZEHNER, Batia. Remaking Israeli Judaism: The Challenge of SHAS. Oxford: Oxford University Press, 2006.
PICARD, Avi, Reshitá shel haaliá ha selectivit bishnot haxamishim (Começo da imigração seletiva dos anos 50). Iunim bitkumat Israel 9, 1999, p. 338- 394.
ROZENCHAN, Nancy. Representação do marroquino na literatura hebraica contemporânea. Arquivo Maaravi (UFMG), v. 1, n. 6, Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais, p. 20-30, 2010.
ROZENTAL, Rubik. Hashpaat Iotzei Tzfon África al Halexicon Haisraelí (Influência dos migrantes do Norte da África sobre o léxico israelense). Hed HaUlpán Hechadash, n. 96, Jerusalem: Ministério de Educação israelense Press, p. 67- 72, 2010.
SAID, Edward. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
SÁNCHEZ, Pablo. Marruecos tras la conquista islámica: un estudio de geografía dialectal. Estudios de dialectología norteafricana y andalusí, n. 11, Zaragoza: IEIOP Press, p. 101-119, 2007.
SEGEV, Tom. The First Israelis. Universidade de Michigan, 2008.
SHENHAV, Yehouda. Modernity and the hybridization of nationalism and religion: Zionism and the Jews of the Middle East as a heuristic case. Theory and Society, 1-36, 2007.
SMOOHA, Samy. Shesaim Maamadiim, Edatiim Veleumim Ve Democratia Beisarel (Brechas de classe, étnicas e nacionais e democracia em Israel). In: RAM, Uri (Org.). Hachevrá Haisraelit: Ebetim Bikortiim, p. 172- 202 (A Sociedade Israelense: Tópicos críticos). Tel Aviv: Breirot Press, 1993.
SOMEK, Roni. Machteret Hexalav (A resistência do Leite). Hor Yehudá, Zmurá Bitán Press, 2005.
TOPEL, Marta. Uma Tradição milenar, uma ciência moderna. A Antropologia Israelense: Autores e leitores. Campinas: Unicamp, 1996.
WEINGROD, Alex. The Two Israels. Commentary. New York: The American Jewish Committee Press, n. 33, p. 313- 319, 1962.
YIFTACHEL, Oren. Social Control, Urban Planning and Ethno-Class Relations: Mizrahi Jews. Israel’s ‘Development Towns’. The Wiley-Blackwell Press, p. 1- 21, 2000.
Publicado
2019-11-30
Como Citar
Dzienciarsky, D. A. (2019). A discriminação sociolinguística dos judeos magrebinos. Arquivo Maaravi: Revista Digital De Estudos Judaicos Da UFMG, 13(25), 199-212. https://doi.org/10.17851/1982-3053.13.25.199-212