Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigo-Varia

v. 15 n. 29 (2021): Literatura Judaica da Amazônia

A linguagem exilada

  • Halina Grynberg
DOI
https://doi.org/10.35699/1982-3053.2021.37691
Enviado
dezembro 29, 2021
Publicado
2021-12-30

Resumo

Análise de detalhes biográficos marcantes da obra de Sigmund Freud e de sua judeidade para compreensão de alguns fundamentos de sua trajetória como criador – aqueles mesmos que o fizeram traduzir e germanizar o seu nome próprio – na construção da teoria e da clínica psicanalítica que ele desvendou e transmitiu.

Referências

  1. BAKAN, David. Sigmund Freud and the Jewish Mystical Tradition. Reino Kent: Dover Books, 1958.
  2. DERRIDA, Jacques. Mal d’archive. Une impression freudienne. Paris, Ed. Galilée, 1995.
  3. DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo. Uma impressão freudiana. Tradução de Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.
  4. FREUD, Sigmund. Um estudo autobiográfico. Vários tradutores. Disponível em: http://www.freudonline.com.br/livros/volume-20/vol-xx-1-um-estudo-autobiografico-1925-1924. Acesso em: 24 set. 2021.
  5. FUKS, Betty. Freud e a judeidade: a vocação do exílio. Editora Zahar, Rio de Janeiro, 2000.
  6. LACAN, Jacques. O seminário. Livro 3. As psicoses. Aluízio Menezes. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2010.
  7. MICHAUD Ginette. Lire le fragment. Transfert et théorie de la lecture chez Roland Barthes. Montréal: Éditions HMH, 1989.
  8. SANTOS, Dayanna Pereira dos. Aparelho psíquico, memória e a noção de tempo nos primeiros textos de Freud: sobre as vicissitudes da linguagem. Caderno de Psicanálise. Rio de Janeiro, v. 41, n. 41, p. 21-37, dez. 2019. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php. Acesso em: 23 set. 2021.

Downloads

Não há dados estatísticos.