Processos mediadores na formação do leitor

uma análise histórico-cultural

  • Gabriela de Sousa Gibim Universidade Estadual Paulista
  • Cláudia Aparecida Valderramas Gomes Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: psicologia soviética, desenvolvimento psicossocial, leitura

Resumo

Este artigo apresenta o relato de uma pesquisa em psicologia que buscou identificar nas mediações presentes na história de um sujeito, da infância à adolescência, características do seu processo de formação como leitor. O estudo consistiu na entrevista de uma adolescente utilizando, como procedimentos metodológicos, a História Oral associada à interpretação por Núcleos de Significação, compondo, assim, um campo de análise entre a história da entrevistada em contraponto e complemento às produções científicas que discorrem sobre a leitura e sobre seus modos de subjetivação, segundo a teoria Histórico-Cultural. Os resultados evidenciaram que a categoria atividade foi capaz de explicar a mediação interposta entre a linguagem escrita, representativa do patrimônio humano-genérico, e sua consolidação na formação humana singular de um sujeito leitor. O estudo reitera a função da educação escolar, notadamente nos espaços da educação infantil e do ensino fundamental, na configuração desses processos mediadores.

 

Biografia do Autor

Gabriela de Sousa Gibim, Universidade Estadual Paulista

psicóloga graduada pela Faculdade de Ciências e Letras da UNESP/Assis.

Cláudia Aparecida Valderramas Gomes, Universidade Estadual Paulista

doutora em Educação pela Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP/Marília e docente no curso de Graduação em Psicologia e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP/Assis.

Referências

Aguiar, W. M. J. & Ozella, S. (2006). Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(2), 222-245. Recuperado em 20 de junho, 2016, de www.scielo.br/scielo.php?script= sci_arttext&pid=S141498932006000200006&lng=en&nrm=iso

Aguiar, W. M. J. & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322. Recuperado em 20 de junho, 2016, de www.scielo.br/scielo.php?script= sci_arttext&pid=S217666812013000100015&lng=en&nrm=iso

Alberti, V. (2004). Manual de história oral (2a ed.). Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas.

Amado, J. & Ferreira, M. (2000). Usos e abusos da história oral (3a ed.). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Asbahr, F. S. F. (2014). Sentido pessoal, significado social e atividade de estudo: uma revisão teórica. Psicologia Escolar e Educacional, 18(2), 265-272. Recuperado em 22 maio, 2016, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572014000200265&lng=en &nrm=iso&tlng=pt

Barbosa, D. R. & Souza, M. P. R. (2009). História da psicologia: contribuições da etnografia e da história oral. Temas em Psicologia, 17(1), 81-91. Recuperado em 20 de maio, 2016, de pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v17n1/v17n1a08.pdf

Bosi, E. (1994). Memória e sociedade: lembranças de velhos (3a ed.). São Paulo: Cia das Letras.

Bosi, E. (2003). O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia. São Paulo: Ateliê Editorial.

Duarte, N. (1993). A individualidade para-si: contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo. Campinas, SP: Editores Associados.

Freire, P. (1989). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam (23a ed.). São Paulo: Cortez.

Góes, M. C. (2000). A formação do indivíduo nas relações sociais: contribuições de Lev Vigotski e Pierre Janet. Educação & Sociedade, 21(71), 116-131.

Gomes, C. A. V. (2008). O afetivo para a psicologia histórico-cultural: considerações sobre o papel da educação escolar. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP.

Gomes, C. A. V. (2013). O lugar do afetivo no desenvolvimento da criança: implicações educacionais. Psicologia em Estudo (Maringá), 18(3), 509-518.

González Rey, F. L. (2003). Sujeito e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Lane, S. T. M. & Camargo, D. (1995). Contribuições de Vygotsky para o estudo das emoções. Em S. T. M. Lane & B. Sawaia (Org.s). Novas veredas em psicologia social (pp. 115-131). São Paulo: Brasiliense.

Marino, F. A. (2011). A atividade de estudo no ensino fundamental: necessidade e motivação. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marilia, SP.

Martins, L. M. (2001). Análise sócio-histórica do processo de personalização de professores. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP.

Martins, L. M. (2008). Introdução aos fundamentos epistemológicos da psicologia sócio-histórica. Em L. M. Martins (Org.). Sociedade, educação e subjetividade: reflexões temáticas à luz da psicologia sócio-histórica (pp. 33-60). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Martins, L. M. (2013). Contribuições da psicologia histórico-cultural para a pedagogia histórico-crítica. HISTEDBR On-line, 52, 286-300. Recuperado em 22 de maio, 2016, de periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640243

Martins, L. M. & Eidt, N. M. (2010). Trabalho e atividade: categorias de análise na psicologia histórico-cultural do desenvolvimento. Psicologia em Estudo, 15(4), 677-683. Recuperado em 22 de maio, 2016, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413737 22010000400003&lng=en&nrm=iso

Meihy, J. C. (2000). Manual de História oral (3a ed.). São Paulo: Loyola.

Oliveira, B. (2005). A dialética do singular-particular-universal. Em A. A. Abrantes, N. R. Silva & S. T. F. Martins (Org.s). Método histórico-social na psicologia (pp. 25-51). Petrópolis, RJ: Vozes.

Pasqualini, J. C. (2010). Princípios para a organização do ensino na educação infantil na perspectiva histórico-cultural: um estudo a partir da análise da prática do professor. Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP.

Pasqualini, J. C. & Martins, L. M. (2015). Dialética singular-particular-universal: implicações do método materialista dialético para a psicologia. Revista Psicologia & Sociedade, 27(2), 362-371. dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v27n2p362

Pino, A. (1993). Processos de significação e constituição do sujeito. Temas em Psicologia, 1(1), 17-24. Recuperado em 22 de maio, 2016, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413389X1993000100004&lng=pt&nrm=iso

Portelli, A. (1997). O que faz a história oral diferente (M. T. J. Ribeiro, Trad.). Projeto História, 14, 25-39. Recuperado em 22 de maio, 2016, de revistas.pucsp.br/revph/article/view/11233/8240

Severino, A. J. (2002). Educação, sujeito e história. São Paulo: Olho d’Água.

Toassa, G. & Souza, M. P. R. (2010). As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de Vigotski. Psicologia USP, 21(4), 00. Recuperado em 22 de maio, 2016, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642010000400007&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Vigotski, L. S. (1995). Obras escogidas III (L. Kuper, Trad.). Madrid: Visor. (Original publicado em 1927).

Zilberman, R.(2014). Leituras brasileiras para crianças e jovens: entre o leitor, a escola e o mercado. Gragoatá, 19, 221-238.

Publicado
2019-06-02
Como Citar
Gibim, G., & Gomes, C. A. (2019). Processos mediadores na formação do leitor. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/12555
Seção
Artigos