Memória, identidade e comensalidade

a feijoada da família portelense

  • Ronald Ericeira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: feijoada, Portela, memória, identidade, passado

Resumo

Analisa-se o agenciamento da memória coletiva e os processos de reconstrução e representação do passado de uma das principais escolas de samba do Rio de Janeiro – a Portela – por meio de um rito comensal: a feijoada da família portelense. Esta é promovida regularmente por representantes da ala de compositores dessa escola de samba. Examinam-se diversos aspectos que singularizam este evento de comensalidade: seu sistema culinário, seu modo de organização, seus conteúdos afetivos, os processos de identificação e de corporalidade lá produzidos. Os procedimentos de coletas de dados foram: revisão bibliográfica, entrevistas semiestruturadas e etnografia No que tange aos resultados, infere-se que o processo de construção da identidade portelense é uma marca social de distinção cujos principais esteios são: memória do passado da agremiação, considerado cheio de glórias e vitórias e o compartilhamento de práticas ditas tradicionais como rodas de sambas e feijoadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronald Ericeira , Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Ronald Clay dos Santos Ericeira é Professor-associado do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Doutor em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Doutor em Ciências Humanas – Antropologia pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro. 

Referências

Alves, R. S. & Ericeira, R. C. (2017). Histórias de Vida: experiências e reflexões de pesquisa com idosos de Volta Redonda. Ayvu: Revista de Psicologia, 3, 141-157. Recuperado em 31 de julho, 2019, de http://periodicos.uff.br/ayvu/article/view/22221.

Bartlett, F. C. (1995). Remembering: a study in experimental and social psychology. Cambridge, MA: Cambridge University Press. (Original Publicado em 1932).

Bosi, E. (1994). Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras.

Brandão, C. R. (1989). A cultura na rua. Campinas, SP: Papirus.

Buarque de Holanda, L. & Jabor, C. (Diretores). (2008). O mistério do samba [DVD]. Rio de Janeiro: Videofilmes.

Buscacio, G. C. (2009). Enquanto se luta, se samba também. As transformações no carnaval carioca nos anos 70 – o caso da Portela e da Granes Quilombo. Em M. L. Cavalcanti & R. S. Gonçalves (Orgs). Carnaval em múltiplos planos (pp. 277-308). Rio de Janeiro: FAPERJ; Aeroplano.

Cascudo, L. C. (1983). História da Alimentação no Brasil. São Paulo: EDUSP.

Cascudo, L. C. (2003). História dos nossos gestos: uma pesquisa mímica do Brasil. São Paulo: Global.

Cavalcanti, M. L. (1998). As grandes festas. Em M. Sousa & F. Weffort. Um olhar sobre a cultura brasileira (pp. 293-311). Rio de Janeiro: FUNARTE/Ministério da Cultura.

Da Matta, R. (1997). Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar.

Da Matta, R. (2001). O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco.

Durkheim, É. (1989). Formas elementares da vida religiosa (P. Neves, Trad.). São Paulo: Paulinas. (Original publicado em 1912).

Fry, P. (2001). Feijoada e soul food 25 anos depois. Em N. Esterci e outros. Fazendo Antropologia no Brasil (pp. 25-38). Rio de Janeiro: DP&A.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. (Original publicado em 1973).

Gonçalves, J. R. (2002). A fome e o paladar: uma perspectiva antropológica. Em J. R. Gonçalves e outros. Alimentação e cultura popular (pp. 1-50). Rio de Janeiro: Funarte; CNFCP.

Gonçalves, R. S. (2008). A dança nobre no espetáculo popular: a dança como aprendizado e experiência. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Halbwachs, M. (2004). A memória coletiva (B. Sibou, Trad.). São Paulo: Hucitec. (Original publicado em 1950).

Hobsbawm, E. (1997). Introdução. Em E. Hobsbawm & T. Ranger (Orgs). A invenção das tradições (pp. 11-33). São Paulo: Paz e Terra.

Lévi-Strauss, C. (1976). O Pensamento Selvagem (T. Pelegrini, Trad.). São Paulo: Nacional. (Original publicado em 1962).

Lins de Barros, M. (2007). Memória, gênero e geração na sociedade brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: EDUFRJ.

Mauss, M. (1974). Sociologia e Antropologia (L. Nogueira, Trad.). São Paulo: EPU/EDUSP. (Original publicado em 1950).

Moura, R. M. (2004). No princípio, era a roda: um estudo sobre samba, partido-alto e outros pagodes. Rio de Janeiro: Rocco.

Pavão, F. (2005). Uma comunidade em transformação: modernidade, conflito, organização nas escolas de samba. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

Peirano, M. (2000). A análise antropológica de rituais. Brasília: Universidade de Brasília.

Receita de sucesso (2006). Recuperado em 21 janeiro, 2018, de http://www.portelaweb.com.br

Ricoeur, P. (2008). História, Memória, Esquecimento (A. François, Trad.). Campinas: Editora da Unicamp. (Original publicado em 2000).

Rodrigues Junior, N. (2009). O que faz da Velha Guarda, velha guarda? Em M. L. Cavalcanti & R. S. Gonçalves (Orgs). Carnaval em múltiplos planos Carnaval em múltiplos planos (pp. 309-338). Rio de Janeiro: FAPERJ; Aeroplano.

Sá, C. P. (2007). Sobre o campo de estudo da memória social: uma perspectiva psicossocial. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (2), 290-295. Recuperado em 16 de maio, 2017, de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722007000200015.

Sahlins, M. (2004). A cultura na prática. Rio de Janeiro: EdUFRJ.

Seeger, A., Da Matta, R. & Viveiros de Castro, E. (1979). A noção de pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. Em J. P. Oliveira. Sociedades indígenas e indigenismo (pp. 66-82). Rio de Janeiro: Marco Zero/ EDUFRJ.

Simmel, G. Sociabilidade: um exemplo de sociologia pura ou formal. Em E. Morais Filho (Orgs). Georg Simmel: Sociologia (pp. 35-52). São Paulo: Ática.

Tambiah, S. (1985). Culture, thought and social action: An anthropological perspective. Cambridge: Harvard University Press.

Turner, V. (1974). O processo ritual: estrutura e anti-estrutura (N. Castro, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1969).

Turner, V. (1988). Antropology of performance. New York: Perfoming Arts Journal Publication.

Van Gennep, A. (1977). Os ritos de passagem (M. Ferreira, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1909).

Vargens, J. B. & Monte, C. (2004). A Velha Guarda da Portela. Rio de Janeiro: Manati.

Publicado
2020-06-21
Como Citar
Ericeira, R. C. dos S. (2020). Memória, identidade e comensalidade. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.15074
Seção
Artigos