A Gestalt-Terapia chega ao Brasil

recepção e desenvolvimento inicial

  • Cristiane Ferreira Esch Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Ana Maria Jacó-Vilela Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: história, gestalt-terapia no Brasil, abordagem psicoterapêutica

Resumo

A Gestalt-Terapia surge nos EUA no ano de 1951 e chega ao Brasil no início da década de 1970. O presente artigo tem como objetivo apresentar a história e o desenvolvimento da Gestalt-Terapia no Brasil. Para tanto, aborda a recepção dessa abordagem psicoterapêutica em nosso país, considerando os elementos históricos que permitiram sua chegada, sobretudo o contexto sócio-político e a situação da psicologia como ciência e profissão na década de 1970. Discorre ainda sobre o desenvolvimento inicial desta abordagem no Brasil, apresentando sua difusão, crescimento e consolidação enquanto teoria e prática psicoterápicas. Por fim, assinala a expansão dos princípios gestálticos para outras áreas da psicologia, o que justifica a designação recente do termo abordagem gestáltica."

 

Biografia do Autor

Cristiane Ferreira Esch, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Cristiane Ferreira Esch. Psicóloga da UERJ. Mestre em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social/UERJ. E-mail: esch.cristiane@gmail.com

 

Ana Maria Jacó-Vilela, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Ana Maria Jacó-Vilela.  Professora associada da UERJ, coordenadora do Laboratório de História e Memória da Psicologia – Clio-Psyché. E-mail: jaco.ana@gmail.com

Referências

Alvim, M. B. (2012). Prefácio à oitava edição. Em J. P. Ribeiro. Gestalt-Terapia: refazendo um caminho(pp. 11-14). São Paulo: Summus.

Baptista, M. T. D. S. (2001). Madre Cristina –Célia Sodré Dória (1916-1997). Em R. H. F. Campos (Org.). Dicionário biográfico da psicologia no Brasil:pioneiros(pp. 213-216). Rio de Janeiro: Imago; Brasília: CFP.

Baptista, M. T. D. S. (2011). Instituto Sedes Sapientiae –1975. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil (pp. 344-346). Rio de Janeiro: Imago; Brasília: CFP.

Barros, P. E. F. (1976). Prefácio da edição brasileira. Em J. O. Stevens. Tornar-se presente:experimentos de crescimento em gestalt-terapia(pp. 13-15). São Paulo: Summus. (Novas Buscas em Psicoterapia, vol. 1).

Barros, P. E. F. (1977). Prefácio da edição brasileira. Em F. S. Perls et al. Isto é gestalt.São Paulo: Summus. (Novas Buscas em Psicoterapia, vol. 3).

Belmino, M. C. (2018). Fritz Perls e Paul Goodman: duas faces da gestalt-terapia. Rio de Janeiro: Via Verita.

Branco, P. A. & Cirino, S. (2017). História da psicologia em contexto: teoria, conceitos e implicações metodológicas. Revista Sul Americana de Psicologia, 5(2), 172-194. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.revista.unisal.br/am/index.php/psico/article/view/144

Ciornai, S. (1991). Gestalt-terapia hoje: resgate e expansão. Revista de Gestalt, 1(1), 9-25. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de gestaltsp.com.br/2017/05/09/gestalt-terapia-hoje-resgate-e-expansao-selma-ciornai/

Ciornai, S. (1996). Considerando saudades: gestalt-terapia de antes, de hoje e de amanhã. Boletim de Gestalt-terapia do triângulo mineiro, 1(2), 9-17. Recuperado em 8 de setembro, 2017, gestaltsp.com.br/2017/05/09/considerando-saudades-gestalt-terapia-de-antes-de-hoje-e-de-amanha-selma-ciornai/

Coimbra, C. M. B. (1995). Guardiães da ordem:uma viagem pelas práticas psi no Brasil do “milagre”. Rio de Janeiro: Oficina do autor.

Coimbra, C. M. B. (1999). Práticas “psi” no Brasil do “milagre”: algumas de suas produções. Em A. M. Jacó-Vilela, F. Jabur & H. B. Rodrigues (Org.s). Clio-Psyché:histórias da psicologia no Brasil (pp. 75-91). Rio de Janeiro: NAPE.

Esch, C. F. (2012). Descortinando o passado para vislumbrar o porvir: da gestalt-terapia à abordagem gestáltica no Brasil –40 anos de histórias. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Frazão, L. M. (1995). A gestalt-terapia. Em S. Ciornai (Org.). 25 anos depois:gestalt-terapia, psicodrama e terapias neo-reichianas no Brasil(pp. 11-22). São Paulo: Ágora.

Frazão, L. M. (1997). Apresentação à edição brasileira. Em F. Perls, R. Hefferline & P. Goodman. Gestalt-terapia (2a ed.; pp. 7-10). São Paulo: Summus.

Frazão, L. M. (1998). Gestalt-terapia: passado, presente e futuro. Revista de Gestalt, 7, 49-54.

Frazão, L. M. (2004). Pela semente, pelo fruto, pela planta, nossa gratidão... Revista IGT na Rede, 1(1). Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.igt.psc.br/ojs/viewarticle.php?id=38

Gondim, S. M. G., Bastos, A. V. B. & Peixoto, L. S. A. (2010). Áreas de atuação, atividades e abordagens do psicólogo brasileiro. Em A. V. B. Bastos & S. M. G. Gondim (Org.s). O trabalho do psicólogo no Brasil(pp. 174-199). Porto Alegre: Artmed.

Ginger, S. & Ginger, A. (1995). Gestalt: uma terapia do contato (S. S. Rangel, Trad.). São Paulo: Summus. (Original publicado em 1987).

Holanda, A. F. (2009). Gestalt-Terapia e abordagem gestáltica no Brasil: análise de mestrados e doutorados (1982-2008). Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(1), 96-121. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S1808-42812009000100009&lng=pt&tlng=pt

Hollanda, H. B. & Gonçalves, M. A. (1984). Cultura e participação nos anos 60.São Paulo: Brasiliense. (Coleção Tudo é História).

Juliano, J. C. (1992). Gestalt-Terapia: revisando as nossas histórias. Revista de Gestalt, 2, 7-23.

Karwowski, S. L. (2005). Gestalt-Terapia e método fenomenológico. Campinas, SP: Livro Pleno.

Mancebo, D. (1999). Formação em psicologia: gênese e primeiros desenvolvimentos. Em A. M. Jacó-Vilela, F. Jabur & H. B. Rodrigues (Org.s). Clio-Psyché:histórias da psicologiano Brasil(pp. 93-120). Rio de Janeiro: NAPE.

Perls, L (1994a). Una conversación com Laura Perls: entrevista con Rosenblatt en 1984. Em L. Perls. Viviendo en los limites(pp. 19-37). Valencia: Promolibro.

Perls, L. (1994b). Visiones verdaderas y falsas de la terapia gestalt. Em L. Perls. Viviendo en loslimites (pp. 139-147).Valencia: Promolibro.

Pinto, K. P. (2001). A criança é o homem de amanhã: sobre a psicologia e a educação no primeiro governo Vargas. Em A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo & H. B. C. Rodrigues (Org.s). Clio-psyché ontem:fazeres e dizeres psi na história do Brasil(pp. 217-224). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Ramos, E. B. (2009). Anos 60 e 70: Brasil, juventude e rock. Revista Agora, 10. Recuperado em 21 de abril, 2012, de periodicos.ufes.br/agora/article/view/1940

Rehfeld, A. (2007). Paulo Eliezer Ferri de Barros (1946-2006). Revista da Abordagem Gestáltica, 13(1), 165-166. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672007000100013&lng=pt&tlng=pt

Russo, J. A. (1993). O corpo contra a palavra.Rio de Janeiro: UFRJ.

Silveira, T. M. (1996). A moderna gestalt-terapia do Rio de Janeiro. Presença:Revista Vita de Gestalt-Terapia, 2(3), 7-17.

Silveira, T. M. & Prestrelo, E. T. (2009). A história da gestalt-terapia no curso de psicologia da UERJ: um olhar que lhe atribui forma. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Psicologia na UERJ:45 anos de histórias(pp. 189-198). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Suassuna, D. & Holanda, A. (2009). “Histórias” da gestalt-terapia no brasil: um estudo historiográfico. Curitiba: Juruá.

Tellegen, T. A. (1972). Elementos de psicoterapia gestáltica. Boletim de Psicologia, 24(64), 27-42.

Tolentino, M. A. (2008). As reformas no Brasil: do capitalismo dependente à “nova dependência” do capital globalizado. CSOnline:Revista Eletrônica de Ciências Sociais, 2(5), 222-241. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/17091

Velho, G. (1985). Duas categorias de acusação na cultura brasileira contemporânea. Em S. Figueira (Org.). Sociedade e doença mental (pp. 37-45).São Paulo: Campus.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Esch, C. F., & Jacó-Vilela, A. M. (2019). A Gestalt-Terapia chega ao Brasil. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36, 1-29. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6847
Seção
Artigos