Dois dedos de prosa sobre competência crítica em informação

Autores

Palavras-chave:

Teorias críticas. Teorias feministas. Pedagogias críticas. Competência em informação. Alfabetização Midiática e Informacional.

Resumo

O presente artigo é um diálogo entre duas pesquisas de doutorado em torno do conceito competência crítica em informação. Trata-se de um estudo comparativo que tem por objetivo destacar, por um lado, as características teóricas e os resultados de cada pesquisa e, por outro, suas interseções. A análise indica que ambas fazem movimentos de mergulho em teorias críticas enquanto abordam lateralmente campos vizinhos, sendo uma voltada para a análise de práticas de ensino críticas e a outra para uma discussão teórico-epistemológica, tornando-se bastante complementares. Os resultados apontam diferenças epistemológicas entre Competência em Informação (CoInfo) e Competência Crítica em Informação (CCI), além de trazer relatos de práticas de ensino consideradas críticas a partir do olhar feminista. Conclui com uma visão convergente, embora oriunda de processos e resultados distintos, de que a competência crítica em informação é um instrumento útil para preparar pessoas para lidar com os imensos desafios informacionais do nosso tempo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Doyle , Universidade Federal de Rondônia

Professora Adjunta do Departamento Ciência da Informação da UNI.   Doutora e mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI IBICT/UFRJ. Graduada em Ciências da Informação e da Comunicação pela Université de Metz (2000). Pesquisadora da Rede de Conhecimento Científico na Cotec/IBICT. Professora de Tecnologia, Imagem e Gênero no Instituto Infnet. Membro da Febab, da Rede CoInfo e dos grupos de pesquisa LabCoInfo (Ufrj) e MediaCult (Uff). Parceira da MIL Alliance da UNESCO e colaboradora do projeto Acolher Gênero (Ufpb).

Anna Cristina Brisola , Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora e mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI IBICT/UFRJ. Professora/Tutora das Graduações de Jornalismo, Publicidade e Design. Graduada em Comunicação Social - Jornalismo e em Comunicação Social - Publicidade na UNISUAM. Membro dos seguintes grupos de pesquisa: Perfil-i (Perspectivas Filosóficas em Informação; ESCRITOS (Estudos Críticos em Informação, Tecnologia e Organização Social); Rede Coinfo.

Referências

ASSOCIATION OF COLLEGE AND RESEARCH LIBRARIES (ACRL). Framework for Information Literacy in Higher Education. Jan. 2016. Disponível em: https://www.ala.org/acrl/standards/ilframework. Acesso em: 18 set. 2021.

AMGOTT, Natalie. Critical literacy in #digitalactivism: collaborative choice and action. International Journal of Information and Learning Technology, [s.l], v. 35, n. 5, p. 329-341, 2018.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O que é ciência da informação. Belo Horizonte: KMA, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BASTOS, Pablo Nabarrete. Dialética do engajamento: uma contribuição crítica ao conceito. Matrizes, São Paulo, v. 14, n. 1. jan./abr. 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/157540/160692. Acesso em: 18 set. 2021.

BRISOLA, Anna Cristina C. de A. S. Competência crítica em informação como resistência à sociedade da desinformação sob um olhar freiriano: diagnósticos, epistemologia e caminhos ante as distopias informacionais contemporâneas. Orientador: Marco André Feldman Schneider. 2021. 295 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/1165. Acesso em: 18 set. 2021.

BRISOLA, Anna Cristina; SCHNEIDER, Marco; SILVA JUNIOR, Jobson F. Competência crítica em informação, ética intercultural da informação e cidadania global na era digital: fundamentos e complementaridades. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 18., 2017, Marília. Anais [...]. Marília: Unesp, 2017. Disponível em: http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XVIII_ENANCIB/ENANCIB/paper/view/417. Acesso em: 18 set. 2021.

CAPURRO, Rafael; HJØRLAND, Birger. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, p. 148-207, 2007.Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/54/47. Acesso em: 24 jul. 2021.

DE LUCCA, Djuli Machado; VITORINO, Elizete Vieira. Competência em informação e suas raízes teórico-epistemológicas da Ciência da Informação: em foco, a fenomenologia. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 22-48, 2020. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/issue/view/198/showToc. Acesso em: 24 jul. 2021.

DEWEY, John. Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo: uma reexposição. 3. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1959.

DOWNEY, Annie. Critical Information Literacy: foundations, inspiration and ideas. Sacramento, CA: Library Press Juice, 2016.

DOYLE, Andréa. Competências em informação, mídia e tecnologias digitais e a desconstrução de estereótipos de gênero: práticas de ensino críticas. Orientadora: Gilda Olinto. 2021. 218 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2021.

DUDZIAK, Elizabeth Adriana. Information Literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ci/v32n1/15970.pdf. Acesso em: 24 jul. 2021.

ELMBORG, James. Critical information literacy: definitions and challenges. In: WILKINSON, Carroll Wetzel; BRUCH, Courtney (org.). Transforming information literacy programs: intersecting frontiers of self, library culture, and campus community. Chicago, IL: Association of College and Research Libraries, 2012.

FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. Disponível em: http://maratavarespsictics.pbworks.com/w/file/fetch/74302802/FACHIN-Odilia-fundamentos-de-Metodologia.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

FADEL, Bárbara et al. Gestão, mediação e uso da informação. In: VALENTIM, Marta (org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 13-32. Disponível em: https://www.repositoriobib.ufc.br/000006/00000603.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

FARIA, Maria Giovana Guedes; VARELA, Aida Varela; FREIRE, Isa Maria. Competência em informação para comunidades: empoderamento e protagonismo social. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, p. 4-24, jan./mar. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pci/a/NGmZCZBr6xtPPVhMwnLj4Ry/?lang=pt. Acesso em: 6 nov. 2021.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na Cultura Brasileira. In: CIÊNCIAS SOCIAIS HOJE: 1984. São Paulo: ANPOCS, 1984. p. 223-244.

GRAMSCI, Antonio. Introdução ao estudo da filosofia: a filosofia de Benedetto Croce. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. (Cadernos do Cárcere, v. 1).

HANISCH, Carol. The personal is political. 1969. Disponível em: http://www.carolhanisch.org/CHwritings/PersonalIsPol.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

HARAWAY, Donna. Situated knowledges: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies, [s.l.], v. 14, n. 3, p. 575-599, 1988. Disponível em: https://philpapers.org/archive/HARSKT.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Filosofia da história. Tradução: Maria Rodrigues e Hans Harden. 2. ed. Brasília: Editora da UnB, 1998.

HOLLEY, Debbie; BOYLE, Tom. Empowering teachers to author multimedia learning resources that support students' critical thinking. European Journal of Open, Distance and E-Learning, [s.l.], n. 1, p. 1-8, 2012.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. Tradução: Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HORKHEIMER, Max. Teoria tradicional e teoria crítica. In: HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 31-68.

LABORNE, Ana Amélia de Paula. Branquitude em foco: análises sobre a construção da identidade branca de intelectuais no Brasil. Orientadora: Nilma Lino Gomes. 2014. 156 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação Conhecimento e Inclusão Social, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS-9TDHHV/1/tese_final_revisada_ana_dez.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Tradução: Rubens Enderle, Nélio Schneider, Luciano Cavini Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. Tradução: Álvaro Pina. São Paulo: Editora Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2003.

MCNICOL, Sarah. Critical Literacy for Information Professionals. London: Facet. 2016.

OTTONICAR, Selma Leticia Capinzaiki; FURTADO, Renata Lira; YAFUSHI, Cristiana Portero. O estereótipo de gênero no contexto inteligência artificial: uma nova missão da competência em informação. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO , 8., Londrina, 2019. Anais […]. Londrina: UEL, 2019. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/cinf/index.php/secin2019/secin2019/paper/viewFile/537/370. Acesso em: 10 out. 2021.

POULUS, David; EXLEY, Beryl. Critical literacy for culturally diverse teenagers: “I've learned something that is actually useful”. Journal of Adolescent & Adult Literacy, [s.l.], v. 62, n. 3, p. 271-280, Nov./Dec. 2018.

RIGHETTO, Guilherme Goulart; VITORINO, Elizete Vieira. #TRANSliteracy: competência em informação voltada às pessoas trans*. São Paulo: Pimenta Cultural, 2019. Disponível em: https://www.pimentacultural.com/transliteracy. Acesso em: 10 out. 2021.

SANTOS, Raimundo Nonato Ribeiro dos; LIMA, Gláucio Barreto de; FREIRE, Isa Maria. Interfaces sociais da Ciência da Informação: competência em informação por pessoas LGBTI. In: FARIAS, Gabriela Belmont de; FARIAS, Maria Giovanna Guedes (org.). Competência e mediação da informação: percepções dialógicas entre ambientes abertos e científicos. São Paulo: Abecin, 2019. p. 130-143. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/editora/article/view/218. Acesso em: 10 out. 2021.

SCHNEIDER, Marco. CCI/7: Competência crítica em informação (em 7 níveis) como dispositivo de combate à pós-verdade. In: BEZERRA, Arthur Coelho Bezerra; SCHNEIDER, Marco; PIMENTA, Ricardo; SALDANHA, Gustavo (org.). iKritika: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Gramond, 2019. p. 73-116. Disponível em: https://www.garamond.com.br/wp-content/uploads/2020/06/iKr%C3%ADtika_Livro.pdf?thwepof_product_fields=. Acesso em: 10 out. 2021.

UNESCO. Media and Information Literacy. [2020]. Disponível em: http://www.unesco.org/new/en/communication-and-information/media-development/ media-literacy/mil-as-composite-concept/. Acesso em: 15 mar. 2020.

WILDEN, Anthony. Informação. In: ENCICLOPÉDIA EINAUDI: Comunicação - Cognição. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001. v. 34.

ZURKOWSKI, Paul. G. The Information Service Environment Relationships and Priorities. Washington, DC: National Commission on Libraries and Information Science. Nov. 1974. Disponível em: http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED100391.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

Downloads

Publicado

2022-06-07

Edição

Seção

Seção 1: Apontamentos e tendências teóricas em Competência em Informação