Transformações da ambiência de Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica na perspectiva dos enfermeiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.40562

Palavras-chave:

Enfermagem Pediátrica, Unidades de Terapia Intensiva, Ambiente de Instituições de Saúde, Criança Hospitalizada

Resumo

Objetivo: analisar o discurso dos enfermeiros acerca da ambiência da Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica - UTIP e suas transformações com a presença do familiar/acompanhante. Método: pesquisa qualitativa, realizada por meio de um questionário com 28 enfermeiros de 3 UTIPs. Foi utilizado o software Iramuteq para o processamento dos dados. Para a análise, realizaram-se a Classificação Hierárquica Descendente e a análise temática. Resultados: os enfermeiros mencionaram a importância da ambiência da unidade e a necessidade da permanência do familiar. Entretanto, eles afirmam que o espaço físico não é apropriado para essa permanência. Ademais, a UTIP foi caracterizada como estressante, principalmente em relação à iluminação, aos ruídos, à temperatura e à falta de espaços para descanso e refeições. Conclusões: a ambiência influencia na assistência prestada à criança e sua família na UTIP, assim como nas relações interpessoais dos enfermeiros, principalmente com os familiares. Por isso, é imprescindível a participação do enfermeiro no processo de planejamento e construção da unidade, tornando a ambiência da unidade uma ferramenta facilitadora de produção de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nightingale F. Notas sobre Enfermagem: o que é e o que não é. São Paulo: Cortez; 1989.

Draganov PB, Sanna MC. Desenhos arquitetônicos de hospitais descritos no livro “Notes on Hospitals” de Florence Nightingale. Hist Enferm Rev Eletronica. 2017[citado em 2021 set. 1];8(2):94-105. Disponível em: http://here.abennacional.org.br/here/v8/n2/a04.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. A experiência da diretriz de Ambiência da Política Nacional de Humanização (PNH). 2017[citado em 2021 set. 1]. Disponível em: http://redehumanizasus.net/wpcontent/uploads/2017/09/experiencia_diretriz_ambiencia_humanizacao_pnh.pdf

Costa BLL, Pontes CSTG, Silva EP, Santos GF, Silva MAB, Silva RR. Humanização da assistência de Enfermagem aos pacientes em unidade de terapia intensiva. Braz J Health Rev 2021[citado em 2021 set. 1];5(1):3841-53. Disponível em: https://brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/44568/pdf

Bruno Neto GB, Machado SP. O ambiente terapêutico da terapia intensiva - estrutura física, arquitetura/design hospitalar e humanização. In: Figueredo TO, Jesus, RF, Lima CCG, Moreira APA, Oliveira FT. Terapia Intensiva. Abordagens Atuais do Enfermeiro. Rio de Janeiro: Atheneu; 2018. p.39-46.

Santos PM, Silva JOM, Makuch DMV, Souza AB, Silva LF, Depianti JRB. A percepção da criança hospitalizada quanto ao ambiente da unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Inic Cient Ext. 2020[citado em 2021 set. 28];1(1):331-40. Disponível em: https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/19/233

Thibaud JP, Duarte CR. Ambiances urbaines en partage. Pour une écologie sociale de la ville sensible. Genéve: MetisPresses; 2013.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Elsen I, Patrício ZM. Assistência à criança hospitalizada: tipos de abordagens e suas implicações para a Enfermagem. In: Schmitz EMR. A Enfermagem em pediatria e puericultura. Rio de Janeiro: Atheneu; 2005. p. 169-79.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº466. Diretrizes e normas técnicas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF: MS; 2012[citado em 2020 maio 12]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Ministério da Saúde (BR). Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. Brasília, DF: MS; 2013[citado em 2020 abr. 5]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimento assistenciais de saúde. Brasília: ANS; 2002[citado em 2020 set. 7]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2002/res0050_21_02_2002.html#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20o%20Regulamento%20T%C3%A9cnico,que%20lhe%20confere%20o%20art.

Nascimento GRF. A saúde vista com outros olhos: iluminação hospitalar. Rev Sustinere. 2019[citado em 2020 set. 7];7(2):401-13. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12957/sustinere.2019.42427

Cardoso SB, Oliveira ICS, Martinez EA, Carmo AS, Moraes RCM, Santos MCO. Ambiente de terapia intensiva pediátrica: implicações para a assistência da criança e de sua família. Rev Baiana Enferm. 2019[citado em 2021 set. 1];33:e33545. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/33545

Souza VC, Melo RB. Efeito dos ruídos da unidade de terapia intensiva na equipe de Enfermagem: uma revisão. Braz J Health Rev. 2021[citado em 2021 set. 1];4(4):14571-80. Disponível em: https://brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view

Leopoldino RD, Santos MT, Costa TX, Martins RR, Oliveira AG. Drug related problems in the neonatal intensive care unit: incidence, characterization and clinical relevance. BMC Pediatr. 2019[citado em 2021 set. 1];19(1):134. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12887-019-1499-2

Hill C, Knaf KA, Santacroce SJ. Family-Centered Care From the Perspective of Parents of Children Cared for in a Pediatric Intensive Care Unit: An Integrative Review. J Pediatr Nurs. 2018[citado em 2021 set. 1];41:22-33. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.pedn.2017.11.007

Bazzan JS, Milbrath VM, Gabatz RIB, Cordeiro FR, Freitag VL, Schwartz E. The family’s adaptation process to their child’s hospitalization in an Intensive Care Unit. Rev Esc Enferm USP. 2020[citado em 2021 set. 1];54:e03614. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/r4dfyqRDp7xzXMrmbVzYcWn/?lang=en

Parsos LC, Walters MA. Management strategies in the intensive care unit to improve psychosocial outcomes. Crit Care Nurs Clin North Am. 2019[citado em 2021 set. 1];31(4):537-45. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.cnc.2019.07.009

Meneguin S, Morais JF, Pollo CF, Benichel CR, Gobbi JF, Garuzi M, et al. Psychometric analysis of the comfort scale for family members of people in critical health condition. Rev Bras Enferm. 2021[citado em 2021 set. 1];74(2):e20200170. Disponível em:https://www.scielo.br/j/reben/a/Xp3BbP5DDjhkzNkBGKRjdgF/?lang=en

Arquivos adicionais

Publicado

2022-09-23

Como Citar

1.
Cardoso SB, Oliveira IC dos S, Souza TV de, Carmo SA do, Nascimento L de CN. Transformações da ambiência de Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica na perspectiva dos enfermeiros. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 23º de setembro de 2022 [citado 30º de setembro de 2022];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/40562

Edição

Seção

Pesquisa