Atenção primária à saúde: ordenadora da integração assistencial na rede de urgência e emergência

Autores

  • Carla Da Ros Prefeitura de Curitiba, Secretaria Municipal de Saúde, Curitiba PR , Brazil, Prefeitura de Curitiba, Secretaria Municipal de Saúde. Curitiba, PR – Brasil
  • Aida Maris Peres Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Curitiba, PR – Brasil
  • Elizabeth Bernardino Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Curitiba, PR – Brasil
  • Ingrid Margareth Voth Lowen Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Curitiba, PR – Brasil
  • Paulo Poli Universidade Federal do Paraná, Departamento de Saúde Comunitária, Curitiba PR , Brazil, UFPR, Departamento de Saúde Comunitária. Curitiba, PR – Brasil
  • Maria Eliete Batista Moura Universidade Federal do Piauí, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Teresina PI , Brazil, Universidade Federal do Piauí – UFPI, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Teresina, PI – Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2018.49620

Palavras-chave:

Integração de Sistemas, Atenção Primária à Saúde, Acesso aos Serviços de Saúde

Resumo

A atenção primária à saúde (APS) é considerada a principal porta de entrada na rede assistencial à saúde, no entanto, apresentam-se dificuldades para efetivá-la como tal. Portanto, o objetivo do artigo é analisar a integração entre unidade de saúde (US) e unidade de pronto-atendimento (UPA), tendo a APS como ordenadora da rede de urgência e emergência (RUE). Trata-se de pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória. Na coleta de dados foram realizadas 49 entrevistas com médicos, enfermeiros e gestores de saúde, entre fevereiro e junho de 2015, em uma capital da região Sul do Brasil. Do processamento dos dados para a análise textual realizado pelo software IRAMUTEQ resultaram quatro classes: comunicação formal e informal na organização de saúde; acesso da população aos serviços de saúde; integração entre a US e a UPA; funções da US e da UPA na rede de atenção à saúde. A pesquisa revelou que a integração do cuidado entre a APS e a UPA mostra-se frágil e desarticulada com os outros serviços que compõem a rede assistencial à saúde, potencializado pela indefinição das atribuições de cada componente da RUE pelos gestores do sistema e profissionais assistenciais e a sobreposição de funções entre a US e a UPA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Goodwin N. Understanding Integrated Care. Int J Integrated Care. 2016[citado em 2017 nov. 14];16(4):1-4. Disponível em: https://www.ijic.org/articles/10.5334/ijic.2530/

Organización Panamericana de La Salud. Estrategia para El acceso universal a La salud y la cobertura universal de salud. 2014. [citado em 2017 set. 17]. Disponível em: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&tamp;ask=doc_view&Itemid=270&gid=27442&lang=es

Silva SA, Nogueira DA, Paraízo, CMS, Fracolli LA. Assessment of primary health care: health professionals perspective. Rev Esc Enferm USP. 2014[citado em 2017 nov.15];48(spe):122-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48nspe/0080-6234-reeusp-48-esp-126.pdf

The Health Foundation. Person-Centred care made simple. United Kingdom; 2014. [citado em 2017 dez. 21]. Disponível em: http://www.health.org.uk/publication/person-centred-care-made-simple

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco; 2004. [citado em 2017 jan. 21]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf

Konder MT, O'Dwyer G. A integração das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) com a rede assistencial no município do Rio de Janeiro, Brasil. Interface. 2013[citado em 2017 set. 28];20(59):879-92. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/2016nahead/1807-5762-icse-1807-576220150519.

Rodrigues APB, Ribeiro SCL, Santos AMR, Moura MEB, Mesquita GV, Brito JNPO. Concepção da equipe de enfermagem sobre acolhimento com classificação de risco. Rev Enferm UFPE. 2014[citado em 2016 set. 29];8(8):2626-32. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/viewFile/6619/pdf_5840

Dellaire C, St-Pierre M, Juneau L, Legault-Mercier S, Bernardino E. Secondary care clinic for chronic disease: Protocol. JMIR Res Protoc. 2015[citado em 2017 set. 16];4(1):1-31. Disponível em: https://www.researchprotocols.org/2015/1/e12/#

Camargo BV, Justo AM. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas Psicol. 2013[citado em 2016 set. 09];21(2). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v21n2/v21n2a16.pdf

Sousa AFL, Queiroz AFLN, Oliveira LB, Moura MEB, Batista OMA, Andrade D. Social representations of biosecurity in nursing: occupational health and preventive care. Rev Bras Enferm. 2016[citado em 2017 nov. 14];69(5):864-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n5/en_0034-7167-reben-69-05-0864.pdf

Kami MTM, Larocca LM, Chaves MMN, Lowen IMV, Souza VMP, Goto DYN. Working in the street clinic: use of IRAMUTEQ software on the support of qualitative research. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2016[citado em 2017 set. 20];20(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v20n3/en_1414-8145-ean-20-03-20160069.pdf

Camargo BV, Justo AM. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Florianópolis: UFSC; 2016. 32p.[citado em 2016 ago. 20]. Disponível em: http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/Tutorial%20IRaMuTeQ%20em%20portugues_17.03.2016.pdf

Chartier JF, Meunier JG. Text mining methods for social representation analysis in large corpora. PSR. 2011[citado em 2017 ago. 20];20(2):47. Disponível em: psych1.lse.ac.uk/psr/PSR2011/20_38.pdf

Justo AM, Camargo BV. Estudos qualitativos e o uso de softwares para análises lexicais. X SIAT&II Serpro; 2014; Universidade do Grande Rio "Professor José de Souza Herdy. Duque de Caxias:Unigranrio; 2014.

Silva SCPS, Nunes MAP, Santana VR, Reis FP, Machado Neto J, Lima SO. Burnout syndrome in professionals of the primary healthcare network in Aracaju, Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015[citado em 2017 out. 10];20(10):3011-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n10/en_1413-8123-csc-20-10-3011.pdf

Marquis BL, Huston CJ. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. 8ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2015.

Huston CJ. Techonology in the health care workplace: benefits, limitations, and challenges. In: Huston CJ. Professional issues in nursing: challenges and opportunities. 3ª ed. Philadelphia: Lippincott Williams &Wilkins; 2014.

Canêo PK, Rondina JM. Prontuário eletrônico do paciente: conhecendo as experiências de sua implantação. J Health Inform. 2014[citado em 2017 set. 20];6(2):67-71. Disponível em: http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/289/197

Almeida PF, Gérvas J, Freire JM, Giovanella L. Estratégias de integração entre atenção primária à saúde e atenção especializada: paralelos entre Brasil e Espanha. Saúde Debate. 2013[citado em 2016 set. 18];37(98):400-15. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v37n98/a04v37n98.pdf

Brito MCC, Freitas CASL, Silva MJ, Albuquerque IMN, Dias MS. Elderly health care: the referral and counter-referral system in health services. Rev Pesq Cuid Fundam. 2014[citado em 2016 set. 16];6(3):1128-38. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2878/pdf_1368

Murray M, Berwick D. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA. 2003[citado em 2017 ago. 26];289(8):1035-40. Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=196024

Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2014[citado em 2017 set. 18];23(3):869-83. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n3/0104-1290-sausoc-23-3-0869.pdf.

Rodrigues LBB, Silva PCS, Peruhype RC, Palha PF, Popolin MP, Crispim JÁ, et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Ciênc Saúde Coletiva . 2014[citado em 2017 out. 10];19(2):343-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n2/1413-8123-csc-19-02-00343.pdf

Gomide MFS, Pinto IC, Figueiredo, LA. Accessibility and demand at an Emergency Care Unit: the user's perspective. Acta Paul Enferm. 2012[citado em 2017 dez. 05];25(spe.2):19-2. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25nspe2/04.pdf

Gérvas J, Fernández MP. Una Atención Primaria fuerte en Brasil. Informe sobre cómo fortalecer los aciertos y corregir las fragilidades de la Estrategia de Salud de Familia. Equipe CESCA. 2011[citado em 2017 out. 01]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/Visita_Espanhois_2011/SBMFC_relatorio%20final.pdf

Norman AH. Estratégias da medicina preventiva de Geoffrey Rose. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015[citado em 2016 out. 01];10(34):1-3. Disponível em: http://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1092/684

Publicado

10-12-2018

Como Citar

1.
Ros CD, Peres AM, Bernardino E, Lowen IMV, Poli P, Moura MEB. Atenção primária à saúde: ordenadora da integração assistencial na rede de urgência e emergência. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 10º de dezembro de 2018 [citado 13º de abril de 2024];22(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49620

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.