Vivências maternas no cuidado à criança gastrostomizada: subsídios para atuação da equipe de saúde

Autores

  • Vanessa Medeiros da Nóbrega Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2596-8259
  • Maria Gildete de Freitas Araújo UFPB, Hospital Universitário Lauro Wanderley, João Pessoa PB , Brasil, UFPB, Hospital Universitário Lauro Wanderley. João Pessoa, PB - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0736-5382
  • Liandra Roberta Pinho da Cunha Coutinho Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica, Recife PE , Brasil, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica. Recife, PE - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8956-6494
  • Clécia Kelly do Nascimento Oliveira Hospital Nossa Senhora das Neves, Centro Especializado de Nutrição, Aracajú SE , Brasil, Centro Especializado de Nutrição, Hospital Nossa Senhora das Neves. Aracajú, SE - Brasil. http://orcid.org/0000-0003-3774-1390
  • Jaqueline Costa Dantas Universidade Estadual da Paraíba, Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, Campina Grande PB , Brasil, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, Programa de Pós-graduação em Saúde Pública. Campina Grande, PB - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-1609-8896
  • Neusa Collet Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, João Pessoa PB , Brasil, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. João Pessoa, PB - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-4795-0279

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49732

Palavras-chave:

Saúde da Criança, Saúde do Adolescente, Gastrostomia, Família, Equipe de Assistência ao Paciente

Resumo

Objetivos: analisar as vivências maternas no cuidado à criança gastrostomizada e refletir sobre a atuação da equipe multiprofissional frente às demandas de cuidado identificadas. Método: estudo descritivo, exploratório, de natureza qualitativa, realizado entre os meses de dezembro de 2015 e maio de 2016 com seis mães, por meio de entrevista semiestruturada. A análise temática subsidiou a interpretação dos dados. Resultados: as vivências maternas diante das necessidades da criança gastrostomizada indicam que os receios mudam ao longo da trajetória e que os modos de cuidar vão se construindo na prática cotidiana. Desse modo, cuidados inadequados são desenvolvidos no domicílio por falta de apoio e conhecimento, podendo resultar em prejuízos para a saúde da criança. Conclusão: o cuidado à criança gastrostomizada deve ser contínuo, colaborativo e compartilhado entre equipe multiprofissional e família no ambiente hospitalar e domiciliar. Atendendo às demandas singulares dessa população, evitam-se reinternações e promove-se melhor qualidade de vida à criança e família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cabral IE, Moraes JRMM. Family caregivers articulating the social network of a child with special health care needs. Rev Bras Enferm. 2015[citado em 2018 fev. 15];68(6):769-76. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n6/en_0034-7167-reben-68-06-1078.pdf

Nascimento NG, Borges EL, Donoso MTV. Assistência de Enfermagem a pacientes gastrostomizados baseada em evidências. Rev Enferm Centro-Oeste Min. 2015[citado em 2018 fev. 15];5(3):1885-97. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/743/940

Soutinho LAR, Fontes DA, Carvalho YSV, Brendim MP, Marques CHD. Perfil, critérios de indicação e desfecho da inserção de gastrostomia em um hospital pediátrico universitário. Acta Fisiátr. 2015[citado em 2018 fev. 15];22(3):123-9. Disponível em: http://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2019/07/v22n3a04.pdf

Mela CC, Zacarin CFL, Dupas G. Avaliação de famílias de crianças e adolescentes submetidos à gastrostomia. Rev Eletrônica Enferm. 2015[citado em 2018 jan. 24];17(2):212-22. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/29049/19524

Esteves JS, Silva LF, Conceição DS, Paiva ED. Families' concerns about the care of children with technology-dependent special health care needs. Invest Educ Enferm. 2015[citado em 2018 fev. 15];33(3):547-55. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/iee/v33n3/v33n3a19.pdf

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulam entadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jun. 2013[citado em 2018 fev. 25]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Reis KMN, Alves GV, Barbosa TA, Lomba GO, Braga PP. A vivência da familia no cuidado domiciliar à criança com necessidades especiais de saúde. Ciênc Enferm. 2017[citado em 2018 fev. 15];23(1):45-55. Disponivel em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v23n1/0717-9553-cienf-23-01-00045.pdf

Mota MA, Silveira CRM, Mello ED. Children with cerebral palsy: how can we assess and manage their nutritional. Inter J Nutrol. 2013[citado em 2018 fev. 15];6(2):60-8. Disponível em: http://docplayer.com.br/17348813-Criancas-com-paralisia-cerebral-como-podemos-avaliar-e-manejar-seus-aspectos-nutricionais.html

Fontana G, Chesani FH, Menezes M. As significações dos profissionais da saúde sobre o processo de alta hospitalar. Saúde Transf Social. 2017[citado em 2018 maio 21];8(2):86-95. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/download/4230/4994

Severo VRG, Neves ET, Jantsch LB, Zamberlan KC. Health education with families of children with special health needs: literature review. Rev Enferm UFPE Online. 2014[citado em 2018 abr. 13];8(supl.1):2455-62. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/9937/10238

Okido ACC, Pizzignacco TMP, Furtado MCDC, Lima RAG. Technology-dependent children: the maternal care experience. Rev Esc Enferm USP. 2012[citado em 2018 maio 24]; 46(5):1066-73. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n5/en_05.pdf

Góes FGB, Cabral IE. Discourses on discharge care for children with special healthcare needs. Rev Bras Enferm. 2017[citado em 2018 abr. 13];70(1):154-61. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v70nV0034-7167-reben-70-01-0163.pdf

Lino AIA, Jesus CAC. Cuidado ao paciente com gastrostomia: uma revisão de literatura. Rev Estima. 2013[citado em 2018 jan. 20];11(3). Disponível em: https://www.revistaestima.com.br/index.php/estima/article/view/333

Oliveira RG. Blackbook-Enfermagem. Belo Horizonte: Blackbook; 2016.

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (SBNPE). Cuidados de pacientes com gastrostomia. Rio de Janeiro: SBNPE; 2014.

Kurien M, Penny H, Sanders DS. Impact of direct drug delivery via gastric acess devices. Expert Opin Drug Deliv. 2015[citado em 2018 fev. 15];12(3):455-63. Disponível em: https://doi.org/10.1517/17425247.2015.966683

Ramos LDC, Moraes JRMM, Silva LF, Góes FGB. Maternal care at home for children with special needs. Invest Educ Enferm. 2015[citado em 2018 fev. 15];33(3):492-9. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/iee/v33n3/v33n3a13.pdf

McDonald J, McKinlay E, Keeling S, Levack W. The 'wayfinding' experience of family carers who learn to manage technical health procedures at home: a grounded theory study. Scand J Caring Sci. 2017[citado em 2018 fev. 15];31(4):850-8. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/scs.12406

Rahnemai-Azar AA, Rahnemaiazar AA, Naghshizadian R, Kurtz A, Farkas DT. Percutaneous endoscopic gastrostomy: indications, technique, complications and management. World J Gastroenterol. 2014[citado em 2018 fev. 15];20(24):7739-51. Disponível em: https://www.wjgnet.com/1007-9327/full/v20/i24/7739.htm

Congresso Nacional (BR). Lei n° 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente) [...] e a Lei n° 12.662, de 5 de junho de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, 8 de março de 2016[citado em 2018 fev. 09]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13257.htm

Dias BC, Arruda GO, Marcon SS. Vulnerabilidade familiar de crianças com necessidades especiais de cuidados múltiplos, complexos e contínuos. REME - Rev Min Enferm. 2017[citado em 2018 set. 30];21:e1027. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1163

Publicado

17-02-2020

Como Citar

1.
Nóbrega VM da, Araújo MG de F, Coutinho LRP da C, Oliveira CK do N, Dantas JC, Collet N. Vivências maternas no cuidado à criança gastrostomizada: subsídios para atuação da equipe de saúde. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 17º de fevereiro de 2020 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49732

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.