Cenas cotidianas do cuidado: a rede cegonha em construção

Autores

  • Roberta Lima Gonçalves Universidade Federal de Campina Grande, Unidade Acadêmica de Enfermagem, Campina Grande PB , Brasil, Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, Unidade Acadêmica de Enfermagem. Campina Grande, PB – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-8074-4610
  • Cláudia Maria de Mattos Penna Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Escola de Enfermagem. Belo Horizonte, MG – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-5277-2860

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49742

Palavras-chave:

Políticas Públicas de Saúde, Sistema Único de Saúde, Assistência Integral à Saúde, Saúde Materno-Infantil, Serviços de Saúde Materno-Infantil, Saúde da Mulher

Resumo

Objetivo: desvelar as cenas cotidianas vivenciadas nos serviços de saúde que compõem a Rede Cegonha. Método: estudo de caso de abordagem qualitativa, fundamentado na Sociologia Compreensiva do Cotidiano. A coleta de dados ocorreu entre julho e setembro de 2017, por meio de análise documental e entrevistas semiestruturadas e observação não participante com os atores sociais envolvidos na Rede Cegonha de um município paraibano. Foram realizadas a triangulação dos dados e a análise de conteúdo temática. Resultados: identificaram-se duas categorias: quem entra na Rede Cegonha? Cenas cotidianas: o (des)cuidado em evidência. Comprovou-se a produção criativa e dinâmica da Rede Cegonha pelos atores sociais, que constroem os caminhos a serem trilhados na busca do cuidado, bem como identificaram-se as lacunas no sistema de apoio diagnóstico e terapêutico que podem comprometer o cuidado. Conclusão: a Rede Cegonha é reconstruída cotidianamente pela socialidade presente entre os atores sociais dos serviços de saúde que ofertam cuidados materno e infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque MV, Viana ALA. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. Divulg Saúde Debate. 2015[citado em 2018 jul. 17];39(n. esp):28-38. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/sdeb/2015.v39nspe/28-38/pt

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2010[citado em 2018 jul. 20]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_301210.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde ; 2011[citado em 2018 jul. 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. Acesso em: 16 jul. 2018.

Merhy EE, Gomes MPC, Silva E, Santos MFL, Cruz KT, Franco TB. Redes vivas: multiplicidades girando as existências, sinais de rua: implicações para a produção do cuidado e a produção do conhecimento. In: Merhy EE, Baduy RS, Seixas CT, Almeida DES, Slomp Júnior H. Avaliação compartilhada do cuidado em saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Rio de Janeiro: Hexis; 2016. p. 31-42.

Ferreira TPS, Costa CT. Saúde e redes vivas de cuidado: articulando ações estratégicas no território com vista ao cuidado integral na atenção básica. Rev Interinst Bras Ter Ocup. 2017[citado em 2018 jul. 20];1(3):269-81. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/viewFile/4750/pdf

Yin RK. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso; 2016.

Maffesoli M. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina; 2010.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: MS; 2013[citado em 2018 jul. 20]. 318 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Fontanella BJB, Magdaleno Júnior RM. Saturação teórica em pesquisas qualitativas: contribuições psicanalíticas. Psicol Estud. 2012[citado em 2018 set. 18];17(1):63-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n1/v17n1a07.pdf

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Cecílio LCO, Carapinheiro G, Andreazza R, Souza ALM, Andrade MGG, Santiago SM, et al. O agir leigo e o cuidado em saúde: a produção de mapas de cuidado. Cad Saúde Pública. 2014[citado em 2018 jul. 20];30(7):1502-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n7/0102-311X-csp-30-7-1502.pdf

Magalhães Júnior HM, Pinto HA. Atenção Básica enquanto ordenadora da rede e coordenadora do cuidado: ainda uma utopia? Divulg Saúde Debate. 2014[citado em 2018 maio 10];51:14-29. Disponível em: http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2014/12/Divulgacao-51.pdf

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Galavote HS, Franco TB, Freitas PSS, Lima EFA, Garcia ACP, Andrade MAC, et al. A gestão do trabalho na estratégia saúde da família: (des) potencialidades no cotidiano do trabalho em saúde. Saúde Soc. 2016[citado em 2018 mai. 15];25(4):988-1002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n4/1984-0470-sausoc-25-04-00988.pdf

Maffesoli M. A conquista do presente. Rio de Janeiro: Rocco; 1984.

Rodríguez-Borrego MA, Nitschke RG, Prado ML, Martini JG, Guerra-Martín MD, González-Galán C. Theoretical assumptions of Maffesoli’s sensitivity and problem-based learning in nursing education. Rev Latino-Am Enferm. 2014[citado em 2018 mar. 26];22(3):504-10. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4292623/

Maffesoli M. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Forense; 2012.

Barroso VG, Penna CMM. Feeling of belonging in the constitution of the bond in a supplementary health self-management. Ciênc Cuid Saúde. 2016[citado em 2018 mar. 26];15(4):616-23. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/33385

Silva KL, Moebus RLN, Ferreira VL. Sobre e sob o território: entre a delimitação e a desterritorialização na produção do cuidado. In: Merhy EE, Baduy RS, Seixas CT, Almeida DES, Slomp Júnior H. Avaliação compartilhada do cuidado em saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Rio de Janeiro: Hexis; 2016. p. 91-5.

Seixas CT, Merhy EE, Baduy RS, Slomp Júnior H. La integralidad desde la perspectiva del cuidado en salud: una experiencia del Sistema Único de Salud en Brasil. Salud Colect. 2016[citado em 2018 mar. 26];12(1):113-23. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/scol/2016.v12n1/113-123/es

Publicado

20-12-2019

Como Citar

1.
Gonçalves RL, Penna CM de M. Cenas cotidianas do cuidado: a rede cegonha em construção. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de dezembro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49742

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.