Registros de enfermagem e os desafios de sua execução na prática assistencial

Autores

  • Joice de Jesus Santos Barreto Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Ciências da Saúde, São Mateus ES , Brasil, Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, Departamento de Ciências da Saúde. São Mateus, ES – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-9616-0751
  • Marta Pereira Coelho Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Ciências da Saúde, São Mateus ES , Brasil, Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, Departamento de Ciências da Saúde. São Mateus, ES – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-2046-6954
  • Larissa Carolina Xavier Lacerda Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Ciências da Saúde, São Mateus ES , Brasil, Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, Departamento de Ciências da Saúde. São Mateus, ES – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0139-5193
  • Bruno Henrique Fiorin Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Ciências da Saúde, São Mateus ES , Brasil, Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, Departamento de Ciências da Saúde. São Mateus, ES – Brasil. http://orcid.org/0000-0002-1629-9233
  • Helaine Jacinta Salvador Mocelin Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Vitória ES , Brasil, UFES, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Vitória, ES – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-9789-9670
  • Paula de Souza Silva Freitas Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Ciências da Saúde, São Mateus ES , Brasil, Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, Departamento de Ciências da Saúde. São Mateus, ES – Brasil. http://orcid.org/0000-0001-9066-3286

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49755

Palavras-chave:

Registros de Enfermagem, Processo de Enfermagem, Segurança do paciente

Resumo

Objetivo: compreender a percepção do enfermeiro sobre a relevância dos registros de Enfermagem na prestação da assistência ao cliente. Método: trata-se de estudo descritivo, exploratório de natureza qualitativa, que foi desenvolvido em um hospital do município do norte do estado do Espírito Santo. Participaram deste estudo sete enfermeiros. A coleta de dados se deu por meio de entrevista semiestruturada. Utilizou-se a análise de conteúdo. Resultados: foram organizados­ em categorias analíticas empíricas, a saber: definição e relevância dos registros de Enfermagem, dificuldades encontradas para a realização dos registros de Enfermagem e melhoria da qualidade dos registros de Enfermagem no cotidiano de trabalho. Observou-se que a Enfermagem se preocupa com o fazer, em detrimento aos registros sistemáticos de sua assistência. Conclusão: considerando que os registros de Enfermagem contribuem para a melhoria da qualidade da assistência, evidencia-se a necessidade de um acompanhamento mais rigoroso dos registros efetuados nos serviços de saúde. Destaca-se a necessidade de uma educação continuada no que concerne aos aspectos técnicos, éticos e legais dos registros de Enfermagem

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 429/2012. Dispõe sobre o registro das ações profissionais no prontuário do paciente, e em outros documentos próprios da enfermagem, independente do meio de suporte - tradicional ou eletrônico. Diário Oficial da União. 2012[citado em 2018 jun. 11]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-4292012_9263.html

Padilha EF, Haddad MCFL, Matsuda LM. Qualidade dos registros de enfermagem em terapia intensiva: avaliação por meio da auditoria retrospectiva. Cogitare Enferm. 2014[citado em 2018 jun. 11];19(2):239-45. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/32103/22726

Souza MFG, Santos ADB, Monteiro AL. O processo de enfermagem na concepção de profissionais de enfermagem de um hospital de ensino. Rev Bras Enferm. 2013[citado em 2018 jun. 11];66(2):167-73. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66n2/03.pdf

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 358/2009. Dispõe sobre a sistematização da assistência de enfermagem e a implementação do processo de enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2009[citado em 2018 jun. 11]. Disponível em: http://www.coren-ro.org.br/resolucao-cofen-35809-dispoe-sobre-a-sistematizacao-da-assistencia-de-enfermagem-e-a-implementacao_800.html

Silva EGC, Oliveira VC, Neves BC, Guimarães TMR. O conhecimento do enfermeiro sobre a sistematização da assistência de enfermagem: da teoria à prática. Rev Esc Enferm USP. 2011[citado em 2018 jun. 11];45(6):1380-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n6/v45n6a15.pdf

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 564/2017. Aprova o novo código de ética dos profissionais de Enfermagem. Diário Oficial da União. 2017[citado em 2018 jun. 11]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html

Medeiros AL, Santos SR, Cabral RWL. Sistematização da assistência de enfermagem na perspectiva dos enfermeiros: uma abordagem metodológica na teoria fundamentada. Rev Gaúcha Enferm. 2012[citado em 2018 jun. 11];33(3):174-81. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n3/23.pdf

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Saúde Pública. 2011[citado em 2018 jun. 11];27(2):389-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n2/20.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011. 279p.

Chiavenato I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008. 138p.

Tironi NM, Bernardino E, Haddad MCL, Nimtz MA, Torres DG, Peres AM. Atribuições e competências de gerentes de enfermagem: pesquisa descritiva exploratória. Online Braz J Nurs. 2017[citado em 2018 jun. 11];16(2):130-9. Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/5601/pdf

Machado MH, Wermelinger M, Vieira M, Oliveira E, Lemos W, Aguiar Filho W, et al. Aspectos gerais da formação da enfermagem: o perfil da formação dos enfermeiros, técnicos e auxiliares. Enferm Foco. 2016[citado em 2018 jun. 11];6(2/4):15-34. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/687/297

Oliveira CM, Carvalho DV, Peixoto ERM, Camelo LV, Salviano MEM. Percepção da equipe de enfermagem sobre a implementação do processo de enfermagem em uma unidade de um hospital universitário. REME - Rev Min Enferm. 2012[citado em 2019 jan. 20];16(2):258-63. Disponível em: http://www.reme.org.br/exportar-pdf/527/v16n2a15.pdf

Silva VS, Barbosa Filho ES, Queiroz SMB, Abreu RNDC. Utilização do processo de enfermagem e as dificuldades encontradas por enfermeiros. Cogitare Enferm. 2013[citado em 2018 jun. 11];18(2):351-7. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/32585/20701

Maroso E, Adamy R, Amora L, Ferraz L, Lima M, Neiss M. Sistematização da assistência de enfermagem na atenção básica: o que dizem os enfermeiros? Cienc Enferm. 2015[citado em 2018 jun. 11];21(2):31-38. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v21n2/art_04.pdf

Conselho Federal de Enfermagem. Guia de recomendações para registros de enfermagem no prontuário do paciente e outros documentos de enfermagem. Brasília: COFEN; 2016[citado em 2018 jun. 11]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/08/Guia-de-Recomenda%C3%A7%C3%B5es-CTLN-Vers%C3%A3o-Web.pdf

Novaretti MCZ, Santos EV, Quitério LM, Daud-Gallotti RM. Sobrecarga de trabalho da enfermagem e incidentes e eventos adversos em pacientes internados em UTI. Rev Bras Enferm. 2014[citado em 2018 jun. 11];67(5):692-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n5/0034-7167-reben-67-05-0692.pdf

Colaço A, Menezes FR, Nascimento ERP, Lazzari DD, Boes AA, Jung W. Registro da avaliação de enfermagem em terapia intensiva: discurso do sujeito coletivo. Rev Enferm UFSM. 2015[citado em 2018 jun. 11];5(2):257-66. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/15509/pdf

Gaidzinski RR, Fugulin FMT, Peres HHC, Castilho V, Massarollo MCKB, Mira VL, et al. Dimensionamento informatizado de profissionais de enfermagem: inovação tecnológica. Rev Esc Enferm USP. 2009[citado em 2018 jun. 11];43(Esp.2):1314-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43nspe2/a29v43s2.pdf

Boaventura AP, Santos PA, Duran ECM. Conhecimento teórico-prático do enfermeiro sobre processo de enfermagem e sistematização de enfermagem. Enferm Glob. 2017[citado em 2018 jun. 11];(46):194-205. Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v16n46/pt_1695-6141-eg-16-46-00182.pdf

Araújo MM, Diniz SOS, Silva PS. Registros de enfermagem: reflexões sobre o cotidiano do cuidar. ABCS Health Sci. 2017[citado em 2018 jun. 11];42(3):161-5. Disponível em: https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/920/786

Leal JAL, Melo CMM. Processo de trabalho da enfermeira em diferentes países: uma revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2018[citado em 2018 jun. 11];71(2):441-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v71n2/pt_0034-7167-reben-71-02-0413.pdf

Nunes BK, Toma E. Dimensionamento de pessoal de enfermagem de uma unidade neonatal: utilização do Nursing Activities Score. Rev Latino-Am Enferm. 2013[citado em 2018 jun. 11];21(1):[08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n1/pt_v21n1a09.pdf

Publicado

20-12-2019

Como Citar

1.
Barreto J de JS, Coelho MP, Lacerda LCX, Fiorin BH, Mocelin HJS, Freitas P de SS. Registros de enfermagem e os desafios de sua execução na prática assistencial. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de dezembro de 2019 [citado 27º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49755

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.