Conhecimento e sentimentos das mulheres climatéricas sobre a doença coronariana

Autores

  • Marli Villela Mamede Universidade São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6478-8680
  • Líscia Divana Carvalho Silva Universidade Federal do Maranhão, Departamento de Enfermagem, São Luís MA , Brasil, Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Departamento de Enfermagem. São Luís, MA - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3624-6446
  • Bruna da Silva Oliveira Universidade São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-0235-4131

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49794

Palavras-chave:

Climatério, Doença das Coronárias, Impactos na Saúde

Resumo

Objetivo: estudo qualitativo com o objetivo de descrever o impacto da descoberta da doença coronariana no cotidiano das mulheres climatéricas. Método: utilizou-se, para interpretação dos dados, a análise de conteúdo de Bardin. Resultados e discussão: foram identificadas quatro categorias: “o conhecimento da doença coronariana” “mudança na alimentação” “mudanças no trabalho” “a insegurança e o medo da morte”. As mulheres manifestam certo desconhecimento em definir a doença coronariana. Compreendem que é grave e impõe riscos, porém sentem dificuldades em defini-la ou explicá-la. Reconhecem a importância do tratamento preconizado, seguindo as recomendações terapêuticas como a mudança de hábitos de vida, a utilização da terapia medicamentosa e dos tratamentos invasivos, como a cirurgia de revascularização do miocárdio e a angioplastia. Conclusão: as principais mudanças no cotidiano das mulheres estão relacionadas à alimentação e às atividades laborais e domésticas. A perda da autonomia imposta pela doença ocasiona dependência e inutilidade. A insegurança e o medo também estão presentes associados a significações simbólicas acerca do inesperado e da morte. As mudanças cotidianas após a descoberta da doença coronariana causam impacto físico, emocional e social a essas mulheres, bastante prejudicial à sua saúde na recorrência de eventos coronarianos ou para uma condição mais grave e incapacitante da doença coronariana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Romano IJ, Lenatti L, Franco N, Misuraca L, Morici N, Leuzzi C, et al. Menopause, atherosclerosis and cardiovascular risk: a puzzle with too few pieces. Ital J Gender-Specific Med. 2016[citado em 2017 ago. 09];3(2):110-6. Disponível em: http://www.gendermedjournal.it/r.php?v=2625&a=26993&l=330047&f=allegati/02625_2016_03/fulltext/110-116_Review_Savonitto.pdf.

Mendonza CCC, Zamarripa CAJ. Menopause induces oxidative stress. In: Morales-González JA. Oxidative stress and chronic degenerative diseases: a role for antioxidants. London: Intech Open; 2013 [citado em 2017 ago. 09]. p. 289-316. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012001200022&lng=en

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva. Brasília: MS; 2013[citado em 2017 ago. 09]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad26.pdf

Lins JCRA. Atenção integral à saúde da mulher: uma análise de gênero sobre as diretrizes de cuidado para a experiência da menopausa [Dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz. 2016[citado em 2017 ago. 09]. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/bvsvs/resource/en/ens-34542.

Falk E, Nakano M, Bentzon JF, Finn AV, Virmani R. Update on acute coronary syndromes: the pathologists' view. Eur Heart J. 2013[citado em 2017 ago. 09];34 (10):719-28. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23242196.

Versiani CM, Freire AC, Dias GMM, Brito BD, Rocha JSB, Reis VMCP. Avaliação do risco cardiovascular em mulheres climatéricas assistidas pelo Programa Saúde da Família. Rev Bras Clin Med São Paulo. 2013[citado em 2017 ago. 09];11(4):1-5. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2013/v11n4/a4122.pdf.

Langdon EJ, Wilk FB. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev Latino-Am Enferm. 2010[citado em 2017 ago. 09];18(3):459-66. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_23.

Bardin L. Análise de conteúdo. 5ª ed. Lisboa: Edições 70; 2016.

Gama GGG, Mussi FC, Pires CGS, Guimarães AC. Crenças e comportamentos de pessoas com doença arterial coronária. Ciênc Saúde Colet. 2012[citado em 2017 ago. 09];17(12):3371-83. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/csc/v17n12/22.pdf

Garcia RP, Budo MLD, Barbosa MS, Simon BS, Leal TC, Oliveira SG. Caracterização das teses e dissertações de Enfermagem acerca do infarto do miocárdio. Saúde San Mar. 2012[citado em 2017 ago. 09];38 (2):107-122. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/viewFile/6310/pdf.

Ghisi GLM, Oh P, Thomas S, Benetti M. Avaliação do conhecimento de pacientes de reabilitação cardíaca: Brasil Versus Canadá. Arq Bras Cardiol. 2013[citado em 2017 ago. 09];101(3):255-62. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/2013 nahead/aop_5312.pdf.

Chagas ACP, Dourado PMM, Dourado LA. Woman´s heart-diferences that make a difference. Rev Soc Bras Clin Med. 2014[citado em 2017 ago. 09];2(1):84-92. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2014/v12n1/a4053.pdf.

Kail RAK. Consensos e controvérsias na doença arterial coronariana crônica: quando indicar a cirurgia. Rev Soc Cardiol. 2008[citado em 2017 ago. 09];13(1):1-3. Disponível em: http://sociedades.cardiol.br/sbc-rs/revista/2008/13/CONSENSOS_E_CONTROVERSIAS_NA_DOENCA_ARTERIAL_CORONARIANA_CRONICA_QUANDO_INDICAR_CIRURGIA.pdf

Ferreira AG, Coelho Filho CD, Lourenço RA, Esporcatte R. A doença arterial coronariana e o envelhecimento populacional: como enfrentar esse desafio? Rev HUPE. 2013[citado em 2017 ago. 09];12(3). Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistahupe/article/view/7079/5038.

Gomes WJ, Medonça JT, Braile DM. Resultados em cirurgia cardiovascular oportunidade para rediscutir o atendimento médico e cardiológico no sistema público de saúde do país. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2007[citado em 2017 ago. 09];22(4):3-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-76382007000400002.

Oliveira LB, Püsche VAA. Conhecimento sobre a doença e mudança de estilo de vida em pessoas pós-infarto. Rev Eletrônica Enferm. 2013[citado em 2017 ago. 09];15(4): 026-33. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v15/n4/pdf/v15n4a21.pdf.

Paula EA, Paula RB, Costa DMN, Colugnati FAB, Paiva EP. Avaliação do risco cardiovascular em hipertensos. Rev Latino-Am Enferm. 2013[citado em 2017 ago. 09];21(3):820-7. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/75991/79560.

Rotoli OTA, Coco M. Doença e cultura: suas relações no processo de adoecer. Rev Enferm Fred West. 2007[citado em 2017 ago. 09];2(2):11-22. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadeenfermagem/article/view/1013/1486

Lucio JMG. Representações Sociais de adultos jovens que vivenciam a Doença Aterosclerótica Coronariana [Dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santas Catarina; 2006 [citado em 2017 ago. 09]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/106585.

Bin G, Costa MCS, Vila VSC, Dantas RAS, Rossi LA. Significados de apoio social de acordo com pessoas submetidas à revascularização do miocárdio: estudo etnográfico. Rev Bras Enferm. 2014[citado em 2017 ago. 09];67(1):71-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n1/0034-7167-reben-67-01-0071.pdf.

Costa RX. A espiritualidade diante do entrelaçar da vida e da concepção sobre a morte. Paralellus. 2013[citado em 2017 ago. 09];4(8):209-20. Disponível em: http://www.unicap.br/ojs/index.php/paralellus/article/view/262/pdf

Menezes RA. A medicalização da esperança: reflexões em torno de vida, saúde/doença e morte. Rev Antropol. 2013[citado em 2017 ago. 09];5(2):478-98. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/1503

Pinto LF, Baia AFA. A representação da morte: desde o medo dos povos primitivos até a negação na atualidade. Rev Hum. 2014[citado em 2017 ago. 09];7(1):1-15. Disponível em: http://humanae.esuda.com.br/index.php/humanae/article/view/74/66.

Publicado

01-08-2019

Como Citar

1.
Mamede MV, Silva LDC, Oliveira B da S. Conhecimento e sentimentos das mulheres climatéricas sobre a doença coronariana. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de agosto de 2019 [citado 27º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49794

Edição

Seção

Pesquisa