Experiências do adoecimento crônico transmissível: discursividades de pessoas vivendo com hiv

Autores

  • Cassiara Boeno Borges de Oliveira Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9767-265X
  • Maria Amélia Zanon Ponce Secretaria Municipal de Saúde - SMS, Programa Municipal de IST/AIDS, São José do Rio Preto SP , Brasil, Secretaria Municipal de Saúde - SMS, Programa Municipal de IST/AIDS. São José do Rio Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-5283-6323
  • Antonio Ruffino-Netto USP, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Social, Ribeirão Preto SP , Brasil, USP, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Social. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-9770-4896
  • Lis Aparecida de Souza Neves Secretaria Municipal de Saúde - SMS, Programa Municipal de IST/AIDS, Tuberculose e Hepatites Virais, Ribeirão Preto SP , Brasil, Secretaria Municipal de Saúde - SMS, Programa Municipal de IST/AIDS, Tuberculose e Hepatites Virais. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-5255-2649
  • Mariana Gaspar Botelho Funari de Faria Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-5544-910X
  • Pedro Augusto Bossonário Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-6287-174X
  • Pedro Fredemir Palha Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-5220-4529
  • Aline Aparecida Monroe Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto -EERP, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0003-4073-2735

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49914

Palavras-chave:

Doença Crônica, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, Saúde Pública, Pesquisa Qualitativa

Resumo

Objetivo: analisar os sentidos discursivos produzidos por pessoas vivendo com HIV acerca da experiência do adoecimento crônico. Método: estudo qualitativo, ancorado no referencial teórico-metodológico da Análise de Discurso de matriz francesa. A partir de roteiro semiestruturado, foram entrevistados 11 indivíduos assistidos no Serviço de Atendimento Especializado em doenças infectocontagiosas de um município do interior paulista. Considerou-se, ainda, a descrição dos perfis sociodemográfico, comportamental e clínico dos participantes, a partir de questionário fechado. Resultados: os perfis sociodemográfico e comportamental assemelharam-se aos dados epidemiológicos da infecção em âmbitos nacional e internacional. Quanto ao perfil clínico, chama atenção a predominância de indivíduos com carga viral detectável. O (re)conhecimento do perfil epidemiológico dos participantes possibilitou a apreensão e a compreensão das condições de produção em sentidos restrito e amplo que estão na base dos discursos. Os gestos interpretativos possibilitaram a elaboração de dois blocos discursivos: sentidos de incorporação e (re)produção do discurso biomédico; e da normalização à resistência: processos de experienciar o HIV em cronicidade. As análises discursivas indicaram a incorporação e a reprodução do discurso biomédico com sentidos edificados na patologia. Observou-se, ainda, a tentativa de alinhamento ao pensamento de normalização do HIV. Contudo, aspectos fragilizadores (preconceito, discriminação e estigma) estiveram na base dos discursos dos sujeitos. Conclusão: os resultados podem contribuir para a qualificação da assistência, especialmente na abordagem pela equipe multiprofissional, favorecendo espaços dialógicos sobre a experiência crônica com o HIV.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mendes EV. Interview: The chronic conditions approach by the Unified Health System. Cien Saúde Coletiva. 2018[citado em 2019 abr. 9];23(2):431-5. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018232.16152017

Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (SWZ). Ending AIDS: progress towards the 90-90-90 targets. Genebra: UNAIDS; 2017[citado em 2019 abr. 9]. Disponível em: http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/Global_AIDS_update_2017_en.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília: Ministério da Saúde; 2018[citado em 2019 fev. 15]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2013/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-manejo-da-infeccao-pelo-hivem-adultos

Surniche CA. A continuidade da assistência na visão do doente de tuberculose: uma análise discursiva [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento Materno-Infantil e Saúde Pública; 2015.

Orlandi EP. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8ª ed. Campinas (SP): Pontes Editores; 2009.

Macedo LC, Larocca LM, Chaves MMN, Mazza VA. Análise do Discurso: uma reflexão para pesquisar em saúde. Interface - Comunic Saúde Educ. 2008[citado 2019 abr. 9];12(26):649-57. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v12n26/a15.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Bol Epidemiol AIDS. 2002[citado em 2019 fev. 15];16(1):1-2. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2003/boletimepidemiologico-aids-2002-abrdez-2002

São José do Rio Preto (SP). Secretaria Municipal de Saúde. Atenção Especializada. Complexo de Doenças Transmissíveis. São José do Rio Preto: SMS; 2019[citado em 2019 mar. 18]. Disponível em: http://gestao.saude.riopreto.sp.gov.br/transparencia/modules/mastop_publish/?tac=USDSI_Comp_Doen_Tran1

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS. Brasília: Ministério da Saúde; 2018[citado em 2019 fev. 15];49(53). Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018

Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (SWZ). Knowledge is power: know your status, know your viral load. Genebra: UNAIDS; 2018[citado em 2019 abr. 9]. Disponível em: http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/ jc2940_knowledge-is-power-report_en.pdf

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. A vida com aids no estado de São Paulo: informações e desafios para a política pública de saúde. São Paulo: SEADE; 2015[citado em 2019 fev. 20];24(1). Disponível em: https://www.seade.gov.br/wp-content/uploads/2015/05/Primeira_Analise_n24.pdf

Orlandi EP. Discurso em análise: sujeitos, sentidos e ideologia. 2ª ed. Campinas (SP): Pontes Editores; 2012.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo (SP): HUCITEC; 2010.

Brandão HNN. Introdução à análise de discurso. 3ª ed. Campinas (SP): Editora da Unicamp; 2012.

Ribeiro LCS, Giami A, Freitas MIF. Representations of people living with HIV: influences on the late diagnosis of infection. Rev Esc Enferm USP. 2019[citado em 2019 fev. 20];53:e03439. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1980220X2018009703439

Hilário EAP, Reinaldo AMS. A apropriação e a reprodução do discurso médico por paciente com insuficiência renal crônica. Rev Enferm UERJ. 2007[citado 2019 fev. 20];15(4):544-8. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v15n4/v15n4a11.pdf

Ferreira DC, Favoreto CAO. Analisys of the narrative oh HIV patients: the building of therapeutical adhesion. Physis. 2011[citado em 2019 fev. 20];21(3):917-36. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000300009

Mazanderani F, Paparini S. The stories we tell: qualitative research interviews, talking technologies and the 'normalisation' of life with HIV. Soc Sci Med. 2015[citado em 2019 fev.19];131:66-73. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2015.02.041

Korrouski MFC, Lima RAG. Treatment adherence: the experience of adolescents with HIV/AIDS. Rev Latino-Am Enferm. 2009[citado em 2019 fev.20];17(6):947-52. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692009000600004

Seffner F, Parker R. A neoliberalização da prevenção do HIV e a resposta brasileira à aids. In: Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids. Mito vs Realidade: sobre a resposta brasileira à epidemia de HIV e aids em 2016. 2016[citado em 2019 fev. 20];p.24-32. Disponível em: http://abiaids.org.br/wp-content/uploads/2016/07/Mito-vs-Realidade_HIV-e-AIDS_BRASIL2016.pdf

Bonolo PF, Gomes RRFM, Guimarães MDC. Adesão à terapia anti-retroviral (HIV/aids): fatores associados e medidas da adesão. Epidemiol Serv Saúde. 2007[citado em fev. 19];16(4):261-78. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742007000400005

Silva JAG, Dourado I, Brito AM, Silva CAL. Factors associated with non-adherence to antirretroviral therapy in adults with AIDS in the first six months of treatment in Salvador, Bahia State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2015[citado em 2019 fev. 19];31(6):1188-98. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00106914

Silva ACO, Reis RK, Nogueira JA, Gir E. Quality of life, clinical characteristics and treatment adherence of people living with HIV/AIDS. Rev Latino-Am Enferm. 2014[citado em 2019 fev. 19];22(6):994-1000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/01041169.3534.2508

Jesus GJ, Oliveira LB, Caliari JS, Queiroz AAFL, Gir E, Reis RK. Difficulties of living with HIV/Aids: Obstacles to quality of life. Acta Paul Enferm. 2017[citado em 2019 apr. 9];30(3):301-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201700046

Meylakhs P, Rykov Y, Koltsova O, Koltsov S. An AIDS-Denislist online community on a Russian Social Networking Service: patterns of interactions with newcomers and rhetorical strategies of persuasion. J Med Internet Res. 2014[citado em 2019 fev. 20];16(11):e261. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4260080/

Publicado

22-02-2021

Como Citar

1.
Oliveira CBB de, Ponce MAZ, Ruffino-Netto A, Neves LA de S, Faria MGBF de, Bossonário PA, Palha PF, Monroe AA. Experiências do adoecimento crônico transmissível: discursividades de pessoas vivendo com hiv. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 22º de fevereiro de 2021 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49914

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)