O cotidiano de equipes de saúde da família no cuidado ao idoso

Autores

  • Doane Martins da Silva Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Gestão em Saúde, Belo Horizonte MG , Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem, Departamento de Gestão em Saúde. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0391-0777
  • Liliana Sousa Universidade de Aveiro, Departamento de Educação e Psicologia, Aveiro , Portugal, Universidade de Aveiro, Departamento de Educação e Psicologia, CINTESIS.UA - Aveiro, Portugal. http://orcid.org/0000-0001-9032-3644
  • Moema Santos Souza UFMG, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brasil, UFMG, Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0342-789X
  • Marília Alves UFMG, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Belo Horizonte MG , Brasil, UFMG, Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Belo Horizonte, MG - Brasil. http://orcid.org/0000-0002-4695-0787

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49941

Palavras-chave:

Dinâmica Populacional, Saúde do Idoso, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Objetivo: analisar o cotidiano de equipes de saúde da família no cuidado ao idoso na perspectiva de profissionais. Método: estudo qualitativo fundamentado no referencial teórico do cotidiano de Michel de Certeau. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada com 21 profissionais de equipes de saúde da família (médicos, enfermeiros e agentes comunitários de saúde) e analisados por meio da análise de conteúdo temática. Resultados: emergiram duas categorias: “o fazer cotidiano de profissionais de equipes de saúde da família na atenção à saúde do idoso”, que revelou um fazer centrado nas estratégias normatizadas, mas os profissionais usam táticas para incluir idosos em consultas médicas, priorizá-los nas visitas domiciliares e grupos de educação em saúde, fazendo adaptações. A categoria “fluxos de atendimento ao idoso: entre mapas e percursos” descreveu os fluxos de encaminhamento de idosos pela Estratégia Saúde da Família a outros serviços de referência do município e as rupturas nesses fluxos. Conclusão: o cotidiano de trabalho de profissionais de equipes de saúde da família segue as estratégias gerais de atenção à população e não há ações específicas para a população idosa, o que requer novos modos de fazer na atenção ao idoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

United Nations Organization. World Population Prospects: the 2017 revision, key findings and advance tables. Department of Economics and Social Affairs, Population Division, Working Paper No. ESAP/P/WP/248. Whashington: ONU; 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2010[citado em 2018 abr. 10]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv49230.pdf

Muniz EA, Freitas CAL, Oliveira EN, Lacerda MR. Atenção domiciliar ao idoso na estratégia saúde da família: perspectivas sobre a organização do cuidado. Rev Enferm UFPE on line. 2017[citado em 2018 jul. 31];11(Suppl.1):296-302. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/%20viewFile/11908/14391

Veras RP, Oliveira M. Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciênc Saúde Colet. 2018[citado em 2018 ago. 29];23(6):1929-36. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000601929&lng=en

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (PNSPI). Brasília: MS; 2006[citado em 2020 fev. 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: MS; 2006[citado em 2020 fev. 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0648_28_03_2006.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: MS; 2017[citado em 2020 fev. 15]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Certeau M. A Invenção do cotidiano: 1 artes de fazer. 22ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2014.

Josgrilberg F. Cotidiano e invenção: os espaços de Michel de Certeau. São Paulo: Escrituras Editora; 2005.

Bernardo P, Shimada NE, Ichikawa EY. O formalismo e o “jeitinho” a partir da visão de estratégias e táticas de Michel de Certeau: apontamentos iniciais. Gestão Conexões. 2015[citado em 2018 jul. 5];4(1):45-67. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/ppgadm/article/view/8006/7161

Leite RP. A inversão do cotidiano: práticas sociais e rupturas na vida urbana contemporânea. Dados. 2010[citado em 2018 maio 27];53(3):737-56. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582010000300007

Yin RK. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso; 2016.

Certeau M, Giard L, Mayol P. A invenção do Cotidiano: 2 morar e cozinhar. 12ª ed. Petrópolis: Vozes; 2013.

Szott K. Remaking hospital space: the health care practices of injection drug users in New York City. Int J Drug Policy. 2014[citado em 2018 jul. 11];25(3):650-2. Disponível: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4062618/

Schmidt MLS. Produções táticas de usuários e trabalhadoras de programa de saúde mental: estudo etnográfico num centro de saúde escola da zona oeste de São Paulo. Saúde Soc. 2013[citado em 2018 jul. 31];22(4):1084-93. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000400011

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007[citado em 2018 jan 20];19(6), 349-57. Disponível em: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Ministério da Saúde (BR). Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES. 2016[citado em 2016 maio. 01]. Disponível em: http://cnes2.datasus.gov.br/Mod_Ind_Unidade.asp?VEstado=31&VMun=314330&VComp=201605

Souza TR, Vieira MA, Costa FM, Lima CA. Fatores associados à frequência de polipatologia entre idosos atendidos em um centro de referência de Montes Claros - Minas Gerais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016[citado em 2018 jun. 20];19(4):661-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1809-98232016019.150139

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Rev Pesq Qualitativa. 2017[citado em 2018 maio 27];5(7):1-2. Disponível em: http://rpq.revista.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Onofri Júnior VA, Martins VS, Marin MJS. Elderly health care in the Family Health Strategy and the prevalence of common mental disorders. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016[citado em 2018 jan. 29];19(1):21-33. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232016000100021&lng=en

Oliveira AMS, Menezes TMO. A enfermeira no cuidado ao idoso na Estratégia Saúde da Família: sentidos do vivido. Rev Enferm UERJ. 2014[citado em 2018 jul. 17];22(4):513-8. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v22n4/v22n4a13.pdf

Pinheiro GML, Alvarez AM, Pires DEP. A configuração do trabalho da enfermeira na atenção ao idoso na Estratégia de Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2012[citado em 2018 jun. 15];17(8):2105-15. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000800021

Protasio APL, Silva PB, Lima EC, Gomes LB, Machado LS, Valença AMG. Avaliação do sistema de referência e contrarreferência do estado da Paraíba segundo os profissionais da Atenção Básica no contexto do 1º ciclo de Avaliação Externa do PMAQ-AB. Saúde Debate. 2014[citado em 2018 jul. 17];38(spe):209-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014S016

Santos CTB, Andrade LOM, Silva MJ, Sousa MF. Percurso do idoso em redes de atenção à saúde: um elo a ser construído. Physis. 2016[citado em 2017 jun. 15];26(1):45-62. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v26n1/0103-7331-physis-26-01-00045.pdf

Publicado

17-08-2020

Como Citar

1.
Silva DM da, Sousa L, Souza MS, Alves M. O cotidiano de equipes de saúde da família no cuidado ao idoso. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 17º de agosto de 2020 [citado 23º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49941

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.