O sono no contexto da qualidade de vida de idosos

Autores

  • Eliana de Fátima Almeida Nascimento Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Enfermagem, Campinas SP , Brasil, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Faculdade de Enfermagem. Campinas, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-4121-0421
  • Jaqueline Girnos Sonati Universidade de Taubaté, Departamento de Enfermagem e Nutrição, Taubaté SP , Brasil, Universidade de Taubaté - UNITAU, Departamento de Enfermagem e Nutrição. Taubaté, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0003-4045-4181
  • Milva Maria Figueiredo de Martino Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Enfermagem, Campinas SP , Brasil, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Faculdade de Enfermagem. Campinas, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3877-4218
  • Juliane Rodrigues Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, Departamento de Gerontologia, São Paulo SP , Brasil, Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, Departamento de Gerontologia. São Paulo, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0003-0825-4665

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49969

Palavras-chave:

Qualidade de Vida, Sono, Idoso, Envelhecimento

Resumo

Objetivo: analisar a satisfação com o sono na percepção da qualidade de vida de idosos. Métodos estudo transversal descritivo com amostra por conveniência de 86 idosos inseridos em projeto socioeducativo, no Vale do Paraíba, estado de São Paulo, Brasil. A percepção da qualidade de vida foi mensurada por meio do instrumento WHOQOL-bref e a satisfação com o sono pela faceta de número 16 do mesmo instrumento. Para a caracterização do grupo utilizaram-se as variáveis socioeconômicas e de saúde por meio de questionário autorrespondido. O teste de Spearman foi utilizado para analisar as correlações entre as facetas do sono e os escores dos demais domínios de qualidade de vida. Resultados: a maioria dos participantes eram mulheres (93,02%), entre 60 e 69 anos (84,89%). A percepção de qualidade de vida apresentou valores médios de escores de 68,99 para o domínio físico, 68,81 no domínio psicológico, 73,11 para o domínio de relações sociais e 66,19 para o domínio de meio ambiente. A faceta satisfação com o sono apresentou correlação com a disponibilidade de informações necessárias diariamente (rs=0,4342), oportunidades de lazer (rs=0,2966) e satisfação com o apoio dos amigos (rs=0,2669). Conclusões: o estudo concluiu que a satisfação dos idosos com o sono está associada às relações sociais, ao lazer e ao acesso às informações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Kuchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc Estado. 2014[citado 2018 ago. 21];27(1):165-80. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69922012000100010&script=sci_arttext

Rocha-Brischiliari SC, Agnolo CMD, Gravena AAF, Lopes TCR, Carvalho MDB, Pelloso SM. Doenças crônicas não transmissíveis e associação com fatores de risco. Rev Bras Cardiol. 2014[citado 2018 set. 16];27(1):35-42. Disponível em: http://www.rbconline.org.br/wpcontent/uploads/Art_52_RBC_27_1_Catia_Agnollo_Artigo_Original.pdf

Roepke SK, Ancoli-Isreal S. Sleep disorders in the elderley. Indian J Med Res. 2010[citado 2018 dez. 12];131:302-10. Disponível em: http://www.ijmr.org.in/temp/IndianJMedRes1312302-3781041_103010.pdf

Costa SV, Ceolim MF. Factors that affect inpatients' quality of sleep. Rev Esc Enferm USP. 2013[citado 2018 dez. 12];41(1):46-52. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S008062342013000100006&script=sci_arttext&tlng=en

Neves GSML, Giorelli AS, Florido P, Gomes MM. Transtornos do sono: visão geral. Rev Bras Neurol. 2013[citado 2018 dez. 12];49(2):57-71. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0101-8469/2013/v49n2/a3749.pdf

World Health Organization. Division of mental health and prevention of substance abuse. Programme on mental health. WHOQOL: measuring quality of life. Genova: World Health Organization; 1997. Disponível em: http://www.who.int/mental_health/media/68.pdf

Guimarães LHCT, Lima MD, Souza JA. Atividade física em grupo melhora o sono de idosas sedentárias. Rev Neurocienc. 2007[citado 2018 dez. 12];15(3):203-6. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2007/RN%2015%2003/Pages%20from%20RN%2015%2003-6.pdf

Ferretti F, Beskow GCT, Slaviero RC, Ribeiro CG. Análise da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes de exercício físico regular. Estud Interdiscipl Envelhec. 2015[citado 2018 dez. 12];20(3):729-43. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/RevEnvelhecer/article/ view/41384/36683

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida "WHOQOL-Bref" Rev Saúde Pública. 2000[citado 2018 jan. 12];34(2):178-83. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102000000200012

Dawailibi NW, Goulart RMM, Aquino RC, Witter C, Buriti MA, Prearo LC. Índice de desenvolvimento humano e qualidade de vida de idosos frequentadores de universidades abertas para a terceira idade. Psicol Soc. 2014[citado 2018 jan. 12];26(2):496-505. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S010271822014000200025

Castro PC, Tahara N, Rebelatto JR, Druisso P Aveiro MC, Oishi J. Influência da Universidade Aberta da Terceira Idade (UATI) e do Programa de Revitalização (REVT) sobre a qualidade de vida de adultos de meia-idade e idosos. Rev Bras Fisioter. 2007[citado 2018 jan. 12];11(6):461-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552007000600007

Modeneze DM, Maciel ES, Vilela Júnior GB, Sonati JG, Vilarta R. Perfil epidemiológico e socioeconômico de idosos ativos: qualidade de vida associada com renda, escolaridade e morbidades. Estud Interdiscipl Envelhec. 2013[citado 2018 jan. 12];18(2):387-99. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/RevEnvelhecer/article/view/35868/27664

Tavares DMS, Arduini GO, Martins NPFM, Dias FA, Ferreira LA. Características socioeconômicas e qualidade de vida de idosos urbanos e rurais com doenças cardíacas. Rev Gaúcha Enferm. 2015[citado 2018 jan. 12];36(3):21-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.03.45470

Hauser E, Martins VF, Teixeira AR, Gonçalves AK. Relação entre equilíbrio dinâmico e qualidade de vida de participantes de um programa de atividade física voltado ao público idoso. Com Scientia Saúde. 2015[citado 2018 jan. 12];14(2):270-6. Disponível em: http://www.redalyc.org/ articulo.oa?id=92941499011

Campos MO, Rodrigues Neto JF, Silveira MF, Neves DMR, Vilhena JM, Oliveira JF, et al. Impacto dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis na qualidade de vida. Ciênc Saúde Colet. 2013[citado 2018 jan. 12];18(3):873-82. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000300033

7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016[citado 2018 jan. 12];107(Supl.3):64-6. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf

Alberte JSP, Ruscalleda RMI, Guariento ME. Qualidade de vida e variáveis associadas ao envelhecimento patológico. Rev Soc Bras Clin Med. 2015[citado 2018 jan. 12];13(1):32-9. Disponível em: http://www.sdeb.br/pdf/reben/v70n2/pt_0034-7167-reben-70-02-0257.pdf

Garcia CAMZ, Moretto MC, Guariento ME. Associação entre autopercepção de saúde, estado nutricional e qualidade de vida de idosos. Rev Ciênc Méd. 2018[citado 2018 jan. 12];27(1):11-22. Disponível em: http://periodicos.puccampinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/3959/2659

Vagetti GC, Moreira NB, Barbosa Filho VC, Oliveira V, Cancian CF, Mazzardo O, et al. Domínios da qualidade de vida associados à percepção de saúde: um estudo com idosas de um programa de atividade física em bairros de baixa renda de Curitiba, Paraná, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2013[citado 2018 jan. 12];18(12):3483-93. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013001200005&script=sci_abstract&tlng=pt

Tavares DMS, Dias FA. Capacidade funcional, morbidades e qualidade de vida de idosos. Texto Contexto Enferm. 2012[citado 2018 nov. 18];21(1):112-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000100013

Leão MABG, Albino R, Nascimento EFA. Prática educativa investigativa na extensão universitária: uma proposta de legitimação dos saberes de adultos e idosos. Rev Extensão Univ Taubaté. 2012[citado 2018 nov. 18];1:132-45. Disponível em: http://www.unitau.br/files/arquivos/category_1/Revista_Extenso_2012_1416921903.pdf

Sonati JG, Modeneze DM, Vilarta R, Maciel ES, Boccaletto EMA, Silva CC. Body composition and quality of life (QoL) of the elderly offered by the ''University Third Age'' (UTA) in Brazil. Arch Gerontol Geriatr. 2010[citado 2018 nov. 18];52:e31-e35. Disponível em: doi:10.1016/j.archger.2010.04.010

Haimov I, Shatil E. Cognitive training improves sleep quality and cognitive function among older adults with insomnia. PLoS One. 2013[citado 2018 dez. 15];8(4): e61390. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0061390

Monteiro NT Neri AL, Ceolim MF. Insomnia symptoms, daytime naps and physical leisure activities in the elderly: FIBRA Study Campinas. Rev Esc Enferm USP. 2014[citado 2018 dez. 28];48(2):239-46. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid =S0080-62342014000200242

Publicado

20-05-2020

Como Citar

1.
Nascimento E de FA, Sonati JG, Martino MMF de, Rodrigues J. O sono no contexto da qualidade de vida de idosos. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de maio de 2020 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49969

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.