Utopias, distopias e o jogo da criação de mundos

  • Andityas Soares de Moura Costa Matos Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Utopia, Distopia, Contemporaneidade

Resumo

O presente artigo pretende promover uma reflexão sobre o sentido da utopia hoje, partindo da compreensão originária do termo no século XVI e retomando, em uma interface com a literatura e o cinema, as suas transformações ao longo do tempo, bem como seu significado nos dias atuais, quando as utopias são pensadas por meio de uma estratégia de inversão que tem como fruto célebres distopias. Paralelamente, traça-se o panorama histórico, estético e cultural em que experiências utópicas foram propostas – antes e depois da criação da palavra por Thomas More na obra homônima. Na conclusão do texto, faz-se uma reflexão sobre o lugar e a função política da utopia no mundo contemporâneo, com base num paradigma filosófico comprometido com as transformações sociais.

Biografia do Autor

Andityas Soares de Moura Costa Matos, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto de Filosofia do Direito e disciplinas afins na Faculdade de Direito e Ciências do Estado da UFMG. Membro do Corpo Permanente do Programa de Pós-graduação em Direito da Faculdade de Direito e Ciências do Estado da UFMG.

Referências

ABENSOUR, Miguel. L’utopie, de Thomas More à Walter Benjamin. Paris: Sens & Tonka, 2000.

BENJAMIN, Walter. Über den Begriff der Geschichte. In: BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften. Unter Mitwirkung von Theodor W. Adorno und Gershom Scholen. Herausgegeben von Rolf Tiedemann und Hermann Schweppenhäuser. Frankfurt-am-Main: Suhrkamp, p. 691-704 e 1231 (XVIIa), 1974.

BRADBURY, Ray. Fahrenheit 451. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Globo, 2003.

BURGESS, Anthony. Laranja mecânica. Trad. Fábio Fernandes. São Paulo: Aleph, 2004.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Trad. Gustavo Cardoso e Liliana Pacheco. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2013.

CLAEYS, Gregory. Utopía: historia de una idea. Tradução de María Condor. Madrid: Siruela, 2011.CLARK, T. J. Por uma esquerda sem futuro. Tradução de José Viegas. São Paulo: Editora 34, 2013.

DICK, Philip K. O homem duplo. Tradução de Ryta Vinagre. São Paulo: Rocco, 2007.

DIOGÈNE LAËRCE. Vies et opinions des philosophes: livre VII. Trad. Émile Bréhier. Revisão Victor Goldschmidt e P. Kucharski. Rubriques. Notice et notes Victor Gold-schmidt. In: SCHUHL, Pierre-Maxime (Ed.). Les stoïciens. Bibliothèque de la Pléiade. Paris: Gallimard, VII, 32-33, p. 27-28, 2002.

DYSTOPIA. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Dystopia>. Acesso em: 19 jan. 2017.

HELLER, Agnes. Der Bahnhof als Metapher. Eine Betrachtung über die beschleunigte Zeit und die Endstationen der Utopie. In: Frankfurter Rundschau, 26. out. 1991.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. CD ROM.

HUXLEY, Aldous. Admirável mundo novo. Tradução de Vidal de Oliveira e Lino Vallandro. Porto Alegre: Globo, 1980.

HUXLEY, Aldous. Regresso ao admirável mundo novo. Tradução de Eduardo Nunes Fonseca. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Tradução de Wanda Nogueira Caldeira Brant. Trad. das teses Jeanne Marie Gagnebin e Marcos Lutz Müller. São Paulo: Boitempo, 2012.

MAFFEY, Aldo. Verbete “Utopia”. In:BOBBIO, Norberto; GIANFRANCO, Pasquino; MATTEUCCI, Nicola (orgs.). Dicionário de política. 2 vols. Tradução de Carmem C. Varriale et all. Coord. João Ferreira. 5. ed. Brasília: UnB; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, p. 1284-1290, 2000.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e utopia. Tradução de Sérgio Magalhães Santeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

MARDER, Michael; VIEIRA, Patrícia (orgs.). Existential utopia: new perspectives on utopian thought. London/New York: 2012.

MUSIL, Robert. O homem sem qualidades. Tradução de Lya Luft e Carlos Abbenseth. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

ORWELL, George. 1984. Trad. Wilson Velloso. 29. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.OST, François. Contar a lei: as fontes do imaginário jurídico. Tradução de Paulo Neves. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

OXFORD English Dictionary. Disponível em: <http://www.oed.com>. Acesso em: 18. jan. 2017.

PLATÃO. A república. Tradução, introdução e notas Maria Helena da Rocha Pereira. 9. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.

REED, John. Dez dias que abalaram o mundo. Tradução de Bernardo Ajzenberg. São Paulo: Penguin Classics/Companhia das Letras, 2010.

SADE, Marquês de. A filosofia na alcova. Tradução de Augusto Contador Borges. São Paulo: Iluminuras, 1999.

SCHOFIELD, Malcom. The stoic idea of the city. Chicago: The University of Chicago Press, 1999.

SOREL, Georges. Reflexões sobre a violência. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Mar-tins Fontes, 1992.

Publicado
2018-05-03
Como Citar
MATOS, A. S. DE M. C. Utopias, distopias e o jogo da criação de mundos. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 24, n. 1 e 2, p. 40-59, 3 maio 2018.
Seção
Artigos