O futuro da morte e a biopotência

Autores

  • Andityas Soares de Moura Costa Matos Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2021.32454

Palavras-chave:

Morte, Linguagem, Neoliberalismo, Biopolítica, Biopotência

Resumo

Neste ensaio, reflito sobre o sentido da morte a numa perspectiva inicial biopolítica, de modo a apontar algumas modificações no regime de sua percepção contemporânea e para o que pode vir a ser experimentado como “privatização da morte” por meio de uma série de figuras — tais como a criogenia, o famoso lema franquista “viva la muerte” e o phármakon grego. Evidencio a captura da morte por parte do discurso e o paradoxo das práticas econômicas neoliberais que nos afastam da vida e ruma-nos a um desastre sem precedentes, somente evitado por uma reconfiguração de nossas formas de vida, o que proponho a ideia de biopotência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andityas Soares de Moura Costa Matos, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutor em Direito e Justiça pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Brasil). Pós-Doutor em Filosofia do Direito pela Universitat de Barcelona (Catalunya). Doutor em Filosofia pela Universidade de Coimbra (Portugal). Professor Associado de Filosofia do Direito e disciplinas afins na UFMG. Autor de Filosofia radical e utopias da inapropriabilidade: uma aposta an-árquica na multidão (Fino Traço, 2015) e Representação política contra democracia radical: uma arqueologia (a)teológica do poder separado (Fino Traço, 2019). Coautor, com Francis García Collado, de Mas allá de la biopolítica: biopotencia, bioarztquía, bioemergencia (Documenta Universitaria, 2020) e El virus como filosofía/La filosofía como virus: reflexiones de emergencia sobre la pandemia de COVID-19. E-mails: vergiliopublius@hotmail.com e andityas@ufmg.br Mais artigos em: https://ufmg.academia.edu/AndityasSoares

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Categorias Italianas: estudos de poética e literatura. Trad. Carlos Eduardo Schmidt Capela e Vinícius Nicastro Honesko. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

BICHAT, Xavier. Recherches physiologiques sur la vie et sur la mort. Genève/Paris/Bruxelles: Alliance Culturelle du Livre, 1962.

BORGES, Jorge Luis. El hacedor. Buenos Aires: Emecé, 1960.

CARROLL, Lewis. Sylvie and Bruno concluded. London: Macmillan and Co., 1895.

CHATWIN, Bruce. O rastro dos cantos. Trad. Bernardo Carvalho. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

COCCIA, Emanuele. A vida das plantas: uma metafísica da mistura. Trad. Fernando Scheibe. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2018.

COLLADO, Francis García; MATOS, Andityas Soares de Moura Costa. Más allá de la biopolítica: biopotencia, bioarztquía, bioemergencia. Documenta Universitaria: Girona, pp. 59-123, 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. L’anti-Œdipe: capitalisme et schizophrénie. Paris: Les Éditions de Minuit, 1972.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. Trad. Rogério Costa. São Paulo: Iluminuras, 2020.

EPICURO. Cartas & máximas principais: “como um deus entre os homens”. Trad. Maria Cecília Gomes dos Reis. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

ESPOSITO, Roberto. Bios: biopolítica e filosofia. Trad. M. Freitas da Costa. Lisboa: edições 70, 2010.

ESPOSITO, Roberto. El dispositivo de la persona. Trad. Heber Cardoso. Buenos Aires: Amorrortu, 2011.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Almeida Prado Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multitude: war and democracy in the age of empire. New York: Penguin, 2004.

HEIDEGGER, Martin. Carta sobre el humanismo. Trad. Helena Cortés y Arturo Leyte. Madrid: Alianza Editorial, 2000.

LEVINAS, Emmanuel. A violência do rosto. Trad. Fernando Soares Moreira. São Paulo: Loyola, 2014.

LONG, Anthony A.; SEDLEY, David N. (orgs.). The hellenistic philosophers. Vol. 1: translations of the principal sources, with philosophical commentary. Cambridge: Cambridge University, 2006.

MANCUSO, Stefano. A revolução das plantas. Trad. Regina Silva. São Paulo: Ubu, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaio: Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, n. 32, pp. 123-151, dezembro 2016.

PRECIADO, Paul B. Testo Junkie: sex, drugs, and biopolitics in the pharmacopornographic era. New York: The Feminist Press at the City University of New York, 2013.

SCOTT, James C. Against the grain: a deep history of the earliest states. New Haven: Yale University, 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-28 — Atualizado em 2022-07-29

Como Citar

MATOS, A. S. de M. C. . O futuro da morte e a biopotência. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 28, n. 2, p. 84–105, 2022. DOI: 10.35699/2316-770X.2021.32454. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/32454. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Filosofia/Utopia