O Imaginário na pandemia

o impacto simbólico da "gripezinha" e o discurso negacionista do Estado

Autores

  • Claudio Paixão Anastácio de Paula Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) https://orcid.org/0000-0001-9587-2191
  • Eliane Pawlowski de Oliveira Araújo Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Tiago Alves Joseph Campbell Foundation Mythological RoundTable®

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2020.20455

Palavras-chave:

Pandemia, Imaginário, Discurso estatal

Resumo

Dentre os grandes desastres que acompanharam a história humana, as grandes Pandemias tem se destacado por deixarem marcas duradouras em todos os campos, inclusive no imaginário.  Do castigo divino das interpretações religiosas e mitológicas às explicações científicas, o ser humano luta sempre com as significações atribuídas a essas doenças, moldando-as e sendo moldado por elas. O imaginário que cerca as pandemias as significa, dá forma ao medo e à angústia, sustenta discursos de Estado e influencia as massas. A palavra, como elemento simbólico capaz de catalisar o surgimento de imaginários coletivos e potencializar suas consequências, é a chave escolhida para refletir sobre essa forma de influência durante a pandemia de 2020 e de ressaltar a importância de uma leitura simbólica na interpretação da realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio Paixão Anastácio de Paula, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutor em Ciência da Informação

Professor Associado da Escola de Ciência da Informação

Coordenador do Gabinete de Estudos da Informação e do Imaginário (GEDII/ECI/UFMG)

Universidade Federal de Minas Gerais

Tiago Alves, Joseph Campbell Foundation Mythological RoundTable®

Licenciado em Artes Visuais

Lider da Joseph Campbell Foundation Mythological RoundTable® Group de Belo Horizonte

Referências

ALVARENGA, M.Z. Mitologia simbólica: estruturas da psique e regências míticas. São Paulo: Casa Psi, 2007
ANDRADE, R. O. Senhora do Caos. Pesquisa Fapesp, Edição 266, p. 92-95, abril de 2018. Disponível em https://revistapesquisa.fapesp.br/2018/04/19/senhora-do-caos/ Acessado em 26 de abril 2020.
ARAUJO, E. P. O. Comportamento informacional em processos decisórios estratégicos: dimensão simbólica do uso da informação por gestores. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2017
ARRIZABALAGA, J. La Peste Negra de 1348: los orígenes de la construcción como enfermedad de una calamidad social. Acta Hispanica ad Medicinae Scientiammque Historiam Illustrandam. V. 11, 1991, pp. 73-1 17. Disponível em https://digital.csic.es/bitstream/10261/33484/1/Arrizabalaga%2091-La%20peste%20Negra...pdf. Acessado em 01/04/2020
BARRETO, M. H. [Um diagnóstico intuitivo de Jair Bolsonaro como Oligofrênico e a nossa coletiva oligofrenia]. WhatsApp: [Comunicação pessoal com Claudio Paixão Anastácio de Paula]. 26 abr. 2019. 15:30. 1 mensagem de WhatsApp
BIBLIA, Exodo. In: BÍBLIA. Português. Sagrada Bíblia Católica. Antigo e Novo Testamentos. São Paulo: Sociedade Bíblica de Aparecida, 2008
BRITO, N. A. La dansarina: a gripe espanhola e o cotidiano na cidade do Rio de Janeiro. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. IV, n. 1, p. 11-30, mar-jun 1997. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v4n1/v4n1a01.pdf Acessado em 26 de abril 2020.
DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2012
DURAND, G. Mito e sociedade: a mitanálise e a sociologia das profundezas. Lisboa: A regra do jogo Edições, 1983
ECO, U. Pape Satàn alepe: crônicas de uma sociedade líquida. Rio de Janeiro:Record, 2017
ELIADE, M. Mito do eterno retorno. Tradução José A. Ceschin. São Paulo: Mercuryo, 1992
FREUD, S. A psicologia das massas e a análise do eu. São Paulo: L&PM, 2013
GOULART, A. C. Revisitando a espanhola: a gripe pandêmica de 1918 no Rio de Janeiro. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 12, n. 1, p. 101-142, Apr. 2005. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702005000100006&lng=en&nrm=iso . Acessado em 26 de abril 2020.
HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre: L&PM, 2017
HUGO, V. Les miserables. London: Penguin Popular, 2011
JAPIASSU, H. Para ler Bachelard. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976
JUNG, C. G. Psicologia do Inconsciente (volume VII/1 das obras completas). Petrópolis: Vozes, 2011
JUNG, C. G. Psicologia em Transição (volume X das obras coligidas). Petrópolis: Vozes, 1988
JUNG, C. G. Símbolos da transformação (volume V das obras coligidas). Petrópolis: Vozes, 1986
LE BON, G. A psicologia das Massas. Lisboa: Ésquilo, 2005
MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011
MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007
MATOS H. J. A próxima pandemia: estamos preparados?. Rev Pan-Amaz Saude. 2018 jul-set;9(3):9-11. Doi: http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232018000300001
PAULA, C. P. A. Dimensões simbólicas e afetivas do uso da informação: uma análise das comunicações entre professores do departamento de psicologia de uma instituição de ensino superior pública brasileira. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 2, Número Especial, p. 118-132, out. 2012.
PAULA, C. P. A. O Paradigma Indiciário: contribuições metodológicas de um diálogo para a introdução da dimensão do imaginário como tema na pesquisa das práticas informacionais em Ciência da Informação. Revista Prisma.com, n.34, Edição especial: Informação e Imaginário, p. 24-45, 2017.
PAULA, C. P. A.; ARAUJO, E. P. O.; SARAIVA, P. G. P. Comunicação, Informação e Imaginário no processo eleitoral brasileiro: o “Messias” Bolsonaro e o mito do rei pela graça de Deus. Revista Prisma.com. n.41, pp.100-122, 2020
SAMPAIO, J. R. Anais do 1º Congresso Brasileiro de Psicologia da Comunidade e Trabalho Social, Tomo 1. Belo Horizonte: Fapemig, 1992
SAMUELS, A.; SHORTER, B.; PLAUT, A. Dicionário crítico de análise junguiana. Rio de Janeiro: Imago, 1988
SOUZA, C. M. C. A Gripe Espanhola na Bahia: saúde, política e medicina em tempos de epidemia [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009, 369 p. História e saúde collection. Disponível em http://books.scielo.org/id/fv3c6/epub/souza-9788575415382.epub Acessado em 26 de abril de 2020
SOUZA, J. F. V. A (in)existência de Deus: diálogos improváveis e impertinentes entre Espinosa, Nietzsche e Sartre. Florianópolis: Qualis, 2019
VAILATTI, C. A. Um olhar sobre o simbolismo mágico-religioso no livro de êxodo. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. doi:10.11606/T.8.2016.tde-20072016-181145. Acesso em: 2020-05-05.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

PAULA, C. P. A. de; ARAÚJO, E. P. de O.; ALVES, T. O Imaginário na pandemia: o impacto simbólico da "gripezinha" e o discurso negacionista do Estado. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 27, n. 3, p. 150–177, 2021. DOI: 10.35699/2316-770X.2020.20455. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/20455. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)