Tempos da mobilidade

três notas de uma nova partitura espaço-temporal

  • Marcelo Cintra do Amaral Federal University of Minas Gerais
Palavras-chave: Espaço-tempo, Mobilidade urbana, Desvelocidades

Resumo

A mobilidade urbana se desenvolve em um espaço, consumindo um tempo e deslocando um corpo. O espaço exerce papel importante na análise da mobilidade, mas este artigo trata de como os tempos da mobilidade podem interferir no espaço, seja na alteração das velocidades, seja na redução das distâncias ou definindo ritmos. Para romper com a tendência de o tempo se reduzir ao emprego compulsório do espaço, esboçam-se os primeiros elementos para uma teoria e apresentam-se exemplos de políticas e práticas que tentam alçar o tempo a uma categoria privilegiada de análise e ação. O tempo guarda de forma latente inúmeras possibilidades de reflexão e de transformação, por ações políticas ou poéticas, mas, antes de tudo, é preciso refletir sobre ele.

Biografia do Autor

Marcelo Cintra do Amaral, Federal University of Minas Gerais

Engenheiro Civil e Doutor em Geografia pelo IGC/UFMG.

Referências

AMARAL, Marcelo Cintra do. A mobilidade da cidade aos pedaços: espaço-tempo-corpo dos deslocamentos em Belo Horizonte. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências – IGC, Universidade Federal de Minas Gerais.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus Editora, 2004.

AUGÉ, Marc. Por uma antropologia da mobilidade. Maceió: EDUFAL/UNESP, 2010.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2003.

CAMPOS, Elisa (Org.) O que te move? Catálogo de ação. 2016.

CNT - Conseil National des Transports. Nouveaux rythmes urbains et organisation des transports. BAILLY Jean-Paul; HEURGON Edith (Coords.). Paris: Editions de l’aube, 2001.

EWING, Reid H. Traffic calming: state of the practice. Washington (EUA): Institute of Transportation Engineers, 1999.

HÄGERSTRAND, Torsten. What about people in regional science? Papers of the Regional Science Association, v. 24, 1970. p 7-21.

ILLICH, Ivan. Energia e equidade. IN: LUDD, Ned. Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

DINUCCI, Aldo Lopes Kairós. Retórica e ética em Górgias de Leontinos Kairos. Controvérsia, v. 4(1). São Leopoldo: Unisinos, 2008.

GALLEZ, Caroline; KAUFMANN, Vincent. Aux racines de la mobilité en sciences sociales. IN: FLONNEAU, Mathieu; GUIGUENO, Vincent. De l’histoire des transports á l’histoire de la mobilité. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2009, p. 41-55.

GRUPO PORO. Manifesto - Por uma cidade lúdica e coletiva, por uma arte pública, crítica e poética. Revista UFMG, Belo Horizonte, v. 20, n.1, p. 78-89, jan./jun. 2013.

GRUPO PORO. Intervalo, Respiro, Pequenos deslocamentos: Ações poéticas do Poro organização: Brígida Campbell, Marcelo Terça-nada. São Paulo: Radical Livros, 2011.

KAUFMANN, Vincent. (2014). Mobility as a Tool for Sociology. Sociologica, 1/2014. Bolonha: Società editrice il Mulino, 2014.

LEFEBVRE, Henri. La Production de L’espace. Paris: Ed. Anthropos, 2000.

MALLET, Sandra. Aménager les rythmes: politiques temporelles et urbanisme. EspacesTemps.net, 2013.

MUNCH, Emmanuel. Penser l’organisation métropolitaine des horaires de travail pour une meilleure gestion des mobilités pendulaires (mémoire de master). Paris: École des Ponts, 2013.

OFFNER, Jean-Marc. L’urbaniste? Un ajusteur de distances. Urbanisme, Paris, n. 372, p. 56-57, 2010.

OLLIVRO, Jean. L’homme à toutes vitesses. De la lenteur homogène à la rapidité différenciée. Rennes: Presses Universitaire de Renne, 2000.

ORFEUIL, Jean-Pierre. L’automobilité en France: comportements, perceptions, problèmes, perspectives. Le Journal de l’IVM. Paris: 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, 237-280.

SANTOS, Milton. O tempo nas cidades. Ciência e Cultura [online]. 2002, v.54. p. 21-22.

SANTOS, Milton. A Natureza do espaço: técnica e tempo; razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, 1996.

SCHLABBACH, K. Shared Space, 2012.

VASSALO, Patrick. Ville et politiques temporelles. Mouvements, n. 39/40. Paris: La Découverte, 2005.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1998.

WIEL, Marc. Vitesse ou densité. 2006.

WIEL, Marc. Questions de mobilité – la mobilité en question. Apostila do curso (capítulo 1). Brest: Institut de Géoarchitecture de Brest, 2005. não publicada.

WIEL, Marc. La transition urbaine – ou le passage de la ville pédestre à la ville motorisée. Paris: Sprimont: Architecture + Recherche / Pierre Mardaga, 1999.

WIEL, Marc. Ville et automobile. Paris: Descartes & Cie, 2002.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
CINTRA DO AMARAL, M. Tempos da mobilidade. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 154-179, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos