Cronologia na Corologia

a construção de uma perspectiva temporal

  • Pedro Henrique Corrêa de Araújo Barros Universidade Federal de Minas Gerais
  • Roberto Célio Valadão Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Geografia, Geomorfologia, Tempo Geológico, Uniformitarismo

Resumo

A Geomorfologia, como tradicional subcampo do saber geográfico, prima, por essência, pelo caráter espacial dos fenômenos atrelados às dinâmicas inerentes da superfície terrestre. Entretanto, para compreender suas respectivas morfologias é obrigatório repertoriá-las, não somente no espaço, mas, fundamentalmente, através do tempo. Desde que o mundo deixou de ter a esguia e finita história proclamada pelas Sagradas Escrituras e debutou numa imensidão jamais imaginada, os estudos referentes à atuação processual foram catapultados a uma outra ordem de análise. Assim, o objetivo do presente trabalho é evidenciar que a perspectiva de tempo geológico fora historicamente construída e que os desdobramentos metodológicos que dela alvoreceram acabaram por balizar essa ciência natural, também, à luz dos estudos contingenciais, típicos de um campo essencialmente historicizado.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Corrêa de Araújo Barros, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Geografia, Instituto de Geociências. da Universidade Federal de Minas Gerais.

Roberto Célio Valadão, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

BARROS, P. H. C. A. Controvérsias geomorfológicas: dialética entre teoria e produção do conhecimento – as múltiplas perspectivas do pensar e fazer geomorfologia. 2013. 140 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

BURTT, E. As bases metafisicas da ciência moderna. Brasília: Editora UnB. 1983. 269 p.

CAPRA, F. O Ponto de Mutação. São Paulo: Editora Cultrix. 2002. 477 p.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2 ed., São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda., 1980. 186 p.

COLTRINARI, L. Geomorfologia: Caminhos e perspectivas. Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 1, n. 1, p. 44-47, 2000.

DAVIS, W. M. The geographical cycle. Geographical Journal of the Roya Geographical Society, v. 14, p. 481-504, 1899.

DOTT, R. H. JR. 1982 SEPM Presidential Address: Episodic Sedimentation--How Normal Is Average? How Rare Is Rare? Does It Matter?.Journal of Sedimentary Research, v. 53, n. 1, 1983.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Zahar. 1998. 165 p.

GILBERT, G. K. Land sculpture in the Henry Mountains. US Geography and Geology Survey of the Rocky Mountain Region. 1887. 214 p.

GOULD, Stephen Jay. Seta do tempo, ciclo do tempo: mito e metáfora na descoberta do tempo geológico. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. 221 p.

HARRISON, S. On reductionism and emergence in geomorphology. Transactions of the Institute of British Geographers. v. 26, n. 3, p. 327–339, 2001.

JOLY, F. Point de vue sur la géomorphologie. Annales de Géographie. T.86, n. 477, p. 522-541, 1977.

KANT, I. Crítica da razão pura. São Paulo: Nova Cultural, 1996. 511 p.

LYELL, C. Principles of geology. 3.v.. London: J. Murray, 1830-1833. Disponível em: http://www.esp.org/books/lyell/principles/facsimile/contents.htm. Acesso em: outubro de 2015.

MARTONNE, E. de. Tratado de geografia física. Barcelona: Juventud, 1964. 520 p.

MAYR, E. Biologia, ciência única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. 266 p.

NEWTON, I. Princípios matemáticos da filosofia natural. São Paulo: Abril Cultural, 1987. 238 p.

NOGAROL, F. Revendo o debate sobre a Idade da Terra. 2011. 110 p. Dissertação (Mestrado em Física) – Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2011.

ODY, L. C. Teoria e história na geologia. 2005, 105 p. Dissertação (Mestrado em Filosofia) Departamento de Filosofia, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2005.

PAULETT, J.P. Les représentations mentales em géographie. Oaris, Anthrops, coll. Géographie. 2002. 152 p.

POPPER, K. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: Edusp., 1975. 394 p.

PUENTE, F. R. Ensaios sobre o tempo na filosofia antiga. São Paulo: Annablume, 2010. 168 p.

REIS, J. C. História, a ciência dos homens no tempo. Londrina: Eduel, 2009. 254 p.

ROSSI, P. The dark abyss of time. Chicago: University of Chicago Press, 1984. 354 p.

SAADI, A. Modelos morfogenéticos e tectônica global: reflexões conciliatórias. Geonomos, v. 6, n. 2, p. 55-63, 1998.

SANTOS, D. A reinvenção do espaço: diálogos em torno da construção do significado de uma categoria. São Paulo: Editora UNESP, 2002. 217 p.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
CORRÊA DE ARAÚJO BARROS, P. H.; VALADÃO, R. C. Cronologia na Corologia. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 196-221, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos