O consumo alimentar em gestantes no Brasil

Uma análise a partir dos dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2023.40503

Palavras-chave:

Consumo alimentar, gestante, desenvolvimento humano

Resumo

O estudo tem como objetivo analisar o consumo alimentar de gestantes no Brasil, a partir de uma pesquisa epidemiológica, quantitativa de delineamento ecológico, a partir dos dados secundários do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN web), do consumo alimentar de gestantes, nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte, usando a série histórica de dados de 2015 a 2020. Houve alta prevalência do consumo de feijão nas regiões, entretanto o consumo crescente e expressivo dos ultraprocessados, no Sul, indicam um cenário de insegurança alimentar, que, associado a queda no hábito alimentar de realizar três refeições ao dia, evidencia um contexto de vulnerabilidade das gestantes expostas a alimentos de baixo valor nutritivo e de impactos negativos na saúde da mãe e da criança, desta forma o artigo explora as implicações do consumo alimentar nos processos de Desenvolvimento Humano e sustentabilidade. Considera-se que as inequidades advindas de um sistema alimentar insustentável inferem sobre o desenvolvimento humano, gerando a privação de recursos para o acesso e o direito a uma alimentação adequada e saudável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dr. Marcio Gazolla, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Professor Titular – Doutor em Desenvolvimento Rural. Universidade Tecnológica Federal do Paraná—UTFPR/Brasil. Professor do Departamento Acadêmico de Ciências Agrárias (DAGRO) e Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR); Líder do grupo de estudos e pesquisas em Desenvolvimento, Alimentação, Mercados e Políticas Públicas (GePPADeM). Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Agricultura, Alimentação e Desenvolvimento (GEPAD); Bolsista de Produtividade Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) (2022-2024).

Endereço: Via do Conhecimento – Km 1 (PR 493). Bairro de Frarom. Caixa Postal: 571. CEP 85.503–390. Pato Branco/PR.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0922348490725786

ResearchGate: https://www.researchgate.net/profile/Marcio_Gazolla

Dr. Sergio Schneider, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professor de Sociologia do Desenvolvimento Rural e Estudos da Alimentação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil, onde é professor titular e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) e Desenvolvimento Rural (PGDR). Licenciatura em ciências sociais (1990), mestrado (1994) e doutoramento (1999) em sociologia. Seus principais temas de pesquisa são a sociologia da alimentação, desenvolvimento rural, segurança alimentar, atividades rurais não agrícolas, agricultura familiar, desenvolvimento territorial e políticas rurais. Atualmente, ele participa do conselho da International Rural Sociological Association (IRSA). Entre 2011 e 2013, foi presidente da Associação Nacional Brasileira de Economia, Sociologia e Gestão Rural (SOBER). É editor-chefe da Série Estudos Rurais, série de livros publicada pela Editora UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS/Brasil www.ufrgs.br/agrifood

Endereço: Av. João Pessoa, 31 – Centro, Porto Alegre, Rio Grande do Sul/Brasil, CEP:90.040–000.

Bio/CV- http://lattes.cnpq.br/9374550818298328

ResearchGate: https://www.researchgate.net/profile/Sergio_Schneider

Referências

BAIÃO, M. R.; DESLANDES, S. F. Práticas alimentares na gravidez: um estudo com gestantes e puérperas de um complexo de favelas do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 3199-3206, 2010. ISSN 1413-8123.

BARBOSA, L. Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Horizontes antropológicos, v. 13, p. 87-116, 2007. ISSN 0104-7183.

BARBOSA, L. A ética e a estética na alimentação contemporânea. Produção, consumo e abastecimento de alimentos: desafios e novas estratégias. Porto Alegre: UFRGS, p. 95-124, 2016.

BENNETT, G. et al. The impact of lockdown during the COVID-19 outbreak on dietary habits in various population groups: a scoping review. Frontiers in nutrition, v. 8, p. 626432, 2021. ISSN 2296-861X.

BEZERRA, I. N. et al. Evolução do consumo de alimentos fora do domicílio no Brasil de 2008–2009 a 2017–2018. Revista de Saúde Pública, v. 55, 2021. ISSN 0034-8910.

BRANCA, F. et al. Transforming the food system to fight non-communicable diseases. Bmj, v. 364, 2019. ISSN 0959-8138.

BRASIL. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional-SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União, v. 143, n. 179, 2006.

______. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional-SISVAN: Ministério da Saúde Brasília 2011

______. Política nacional de alimentação e nutrição. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.

Brasília. 2013

______. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2014. ISSN 8533411545. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf >. Acesso em: 13 dez 2021.

______. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Manual operacional para uso do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN: MS Brasília 2017.Disponível em: < http://sisaps.saude.gov.br/sisvan/public/file/ManualDoSisvan.pdf >. Acesso em: 09 mar 2022.

CANESQUI, A. M.; GARCIA, R. W. D. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Editora Fiocruz, 2005. ISBN 8575410555.

CAPRA, F.; LUISI, P. L. Visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. Editora Cultrix, 2020. ISBN 8531615607.

CASAS, R.; CASTRO BARQUERO, S.; ESTRUCH, R. Impact of sugary food consumption on pregnancy: a review. Nutrients, v. 12, n. 11, p. 3574, 2020. ISSN 2072-6643.

CONTRERAS, J.; GRACIA, M. Alimentação, sociedade e cultura. In: (Ed.). Alimentação, sociedade e cultura, 2011. p.495-495.

COSTA, D. V. D. P. et al. Diferenças no consumo alimentar nas áreas urbanas e rurais do Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, p. 3805-3813, 2021. ISSN 1413-8123.

DA COSTA LOUZADA, M. L. et al. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Preventive medicine, v. 81, p. 9-15, 2015. ISSN 0091-7435.

DAS GUPTA, R. et al. Association of frequency of television watching with overweight and obesity among women of reproductive age in India: evidence from a nationally representative study. PloS one, v. 14, n. 8, p. e0221758, 2019. ISSN 1932-6203.

DE SOUZA LIMA, R.; NETO, J. A. F.; FARIAS, R. D. C. P. Alimentação, comida e cultura: o exercício da comensalidade. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 10, n. 3, p. 507-522, 2015. ISSN 2238-913X.

DIAS, V. D. V.; REVILLION, J. P. P.; TALAMINI, E. Cadeias curtas de alimentos orgânicos: aspectos das relações de proximidade entre consumidores e agricultores no Brasil. GAZOLLA, Marcio; SCHNEIDER, Sergio (Org.). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017. p. 241-257, 2017.

DÍAZ-MÉNDEZ, C.; LOZANO-CABEDO, C. Food governance and healthy diet an analysis of the conflicting relationships among the actors of the agri-food system. Trends in Food Science & Technology, 2019. ISSN 0924-2244.

DOS SANTOS ARAÚJO, E. et al. Consumo alimentar de gestantes atendidas em Unidades de Saúde. O mundo da Saúde, v. 40, n. 1, p. 28-37, 2016. ISSN 1980-3990.

FIGUEROA-PEDRAZA, D. Food and nutrition surveillance system in municipalities of paraíba: data reliability, coverage and management's perception. Revista Facultad Nacional de Salud Pública, v. 35, n. 3, p. 313-321, 2017. ISSN 0120-386X.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. The state of food security and nutrition in the world 2020. Transforming food systems for affordable healthy diets. . Rome: : FAO, IFAD, UNICEF, WFP and WHO, 2020.

______. The State of Food Security and Nutrition in the World 2021: Transforming food systems for food security, improved nutrition and affordable healthy diets for all. Food & Agriculture Org., 2021. ISBN 925134325X.

______. Impact of the Ukraine-Russia conflict on global food security and related matters under the mandate of the Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO).REPORT of the 169th Session of the Council. Rome,. 2022a. Disponível em: < https://www.fao.org/3/ni734en/ni734en.pdf >. Acesso em: 18 jun 2022.

______. The State of Food Security and Nutrition in the World 2022.Repurposing food and agricultural policies to make healthy diets more affordable. . Rome, FAO.: 2022b. Disponível em: < https://www.fao.org/3/cc0639en/cc0639en.pdf >. Acesso em: 13 jul 2022.

GARZILLO, J. M. F. A alimentação e seus impactos ambientais: abordagens dos guias alimentares nacionais e estudo da dieta dos brasileiros. 2018. Universidade de São Paulo

GLOBAL PANEL ON AGRICULTURE AND FOOD SYSTEMS FOR NUTRITION. Sistemas alimentares e dietas: Como enfrentar os desafios do século XXI. Londres, Reino Unido.: 2016.

GOMES, C. D. B. et al. Ultra-processed Food Consumption by Pregnant Women: The Effect of an Educational Intervention with Health Professionals. Maternal and Child Health Journal, v. 23, n. 5, p. 692-703, 2019/05/01 2019. ISSN 1573-6628. Disponível em: < https://doi.org/10.1007/s10995-018-2690-z >.

GOMES, C. D. B. et al. Hábitos alimentares das gestantes brasileiras: revisão integrativa da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 2293-2306, 2019. ISSN 1413-8123.

GRACILIANO, N. G.; SILVEIRA, J. A. C. D.; OLIVEIRA, A. C. M. D. Consumo de alimentos ultraprocessados reduz a qualidade global da dieta de gestantes. Cadernos de Saúde Pública, v. 37, 2021. ISSN 0102-311X.

HALBERG, N. Food Systems is the new black, but will it really become consumer driven? Natures Sciences Sociétés, v. 25, n. 1, p. 1-2, 2017. ISSN 1240-1307.

HUNGER, R. et al. Monitoramento da avaliação antropométrica no contexto do sistema de vigilância alimentar e nutricional na Atenção Primária à Saúde. Revista de APS, v. 20, n. 2, 2017. ISSN 1809-8363.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE/Coordenação de Geografia Rio de Janeiro, 2017. 82 pg. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf >. Acesso em: 08 jun 2021.

______. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: primeiros resultados. Diretoria de Pesquisa, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Rio de Janeiro: IBGE: 2019.

INTERNATIONAL FOOD POLICY RESEARCH INSTITUTE. Global nutrition report 2016: from promise to impact: ending malnutrition by 2030: International Food Policy Research Institute Washington, DC 2016

JARDÍ, C. et al. Food consumption during pregnancy and post-partum. ECLIPSES study. Nutrients, v. 11, n. 10, p. 2447, 2019. ISSN 2072-6643.

LAMYIAN, M. et al. Pre-pregnancy fast food consumption is associated with gestational diabetes mellitus among Tehranian women. Nutrients, v. 9, n. 3, p. 216, 2017. ISSN 2072-6643.

LANG, T. Reshaping the food system for ecological public health. Journal of Hunger & Environmental Nutrition, v. 4, n. 3-4, p. 315-335, 2009. ISSN 1932-0248.

LANG, T.; HEASMAN, M. Food wars: the global battle for mouths, minds and markets. Routledge, 2015. ISBN 1315754118.

LEITE RIBEIRO, U. A ascensão do consumo ético de produtos vegetarianos e veganos no mercado brasileiro. Observatorio de la Economía Latinoamericana, n. julio, 2019.

LEONARDO, M. Antropologia da alimentação. Revista Antropos, v. 3, n. 2, p. 1-6, 2009.

LIU, B. et al. Association between maternal pre-pregnancy obesity and preterm birth according to maternal age and race or ethnicity: a population-based study. The Lancet Diabetes & Endocrinology, v. 7, n. 9, p. 707-714, 2019. ISSN 2213-8587.

MADLALA, H. P. et al. Association between food intake and obesity in pregnant women living with and without HIV in Cape Town, South Africa: a prospective cohort study. BMC Public Health, v. 21, n. 1, p. 1504, 2021/08/04 2021. ISSN 1471-2458. Disponível em: < https://doi.org/10.1186/s12889-021-11566-2 >.

MAIA, E. G. et al. Hábito de assistir à televisão e sua relação com a alimentação: resultados do período de 2006 a 2014 em capitais brasileiras. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, 2016. ISSN 0102-311X.

MALUF, R. S.; ZIMMERMANN, S. A.; JOMALINIS, E. Emergência e evolução da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil (2003-2015). Estudos Sociedade e Agricultura, v. 29, n. 3, p. 517-544, 2021. ISSN 2526-7752.

MARTINES, R. M. et al. Association between watching TV whilst eating and children's consumption of ultraprocessed foods in United Kingdom. Maternal & child nutrition, v. 15, n. 4, p. e12819, 2019. ISSN 1740-8695.

MONTEIRO, C. A.; CANNON, G.; LAWRENCE, M. Ultra-processed foods, diet quality, and health using the NOVA classification system. 2019. Disponível em: < http://www.fao.org/3/ca5644en/ca5644en.pdf >.

MONTEIRO, C. A. et al. Ultra-processed foods: what they are and how to identify them. Public health nutrition, v. 22, n. 5, p. 936-941, 2019. ISSN 1368-9800.

MORAIS, T. C. Hormônios reguladores do metabolismo energético e repercussões na atividade funcional dos fagócitos mononucleares do colostro de puérperas com excesso de peso pré-gestacional. 2019. Universidade de São Paulo

NASCIMENTO, F. A. D.; SILVA, S. A. D.; JAIME, P. C. Cobertura da avaliação do estado nutricional no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional brasileiro: 2008 a 2013. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, 2017. ISSN 0102-311X.

NATIONS, U. The millennium development goals report. New York: United Nations, 2015. Disponível em: < http://mdgs.un.org/unsd/mdg/Resources/Static/Products/Progress2015/English2015.pdf >.

OLIVEIRA, A. C. M. D.; TAVARES, M. C. M.; BEZERRA, A. R. Insegurança alimentar em gestantes da rede pública de saúde de uma capital do nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 519-526, 2017. ISSN 1413-8123.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Alimentos y bebidas ultraprocesados en América Latina: ventas, fuentes, perfiles de nutrientes e implicaciones . Washington, D.C.: OPS: 2019.

POPKIN, B. M.; CORVALAN, C.; GRUMMER-STRAWN, L. M. Dynamics of the double burden of malnutrition and the changing nutrition reality. The Lancet, v. 395, n. 10217, p. 65-74, 2020. ISSN 0140-6736.

PROCTER, S. B.; CAMPBELL, C. G. Position of the Academy of Nutrition and Dietetics: nutrition and lifestyle for a healthy pregnancy outcome. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, v. 114, n. 7, p. 1099-1103, 2014. ISSN 2212-2672.

RANGEL BOUSQUET CARRILHO, T. et al. Agreement between self-reported pre-pregnancy weight and measured first-trimester weight in Brazilian women. BMC Pregnancy and Childbirth, v. 20, n. 1, p. 1-13, 2020. ISSN 1471-2393.

ROLIM, M. D. et al. Avaliação do SISVAN na gestão de ações de alimentação e nutrição em Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 2359-2369, 2015. ISSN 1413-8123.

SAMMARTINO, G. Desde La Antropología Alimentaria, caminos recorridos y algunos otros por recorrer. Blog Socioantropología [citado 7 Feb 2018] Disponible en: https://socioantropologiauba. wordpress. com/bibliografias/unidad-1, 2018.

SARTORELLI, D. S. et al. A relação entre consumo de alimentos minimamente processados e ultraprocessados durante a gestação e obesidade e diabetes mellitus gestacional. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, 2019. ISSN 0102-311X.

SCHUBERT, M.; SCHNEIDER, S. Construção social de mercados e as tendências de consumo: o caso do Pavilhão da Agricultura Familiar da EXPOINTER (RS). Ciências Sociais Unisinos, v. 52, n. 3, p. 373-382, 2016. ISSN 2177-6229.

SCHUBERT, M.; SCHNEIDER, S.; MÉNDEZ, C. D. O" comer fora de casa" no Brasil, Reino Unido e na Espanha: uma revisão das bases de dados estatísticos oficiais eperspectivas paracomparação. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 25, n. 2, p. 276-304, 2017. ISSN 2526-7752.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo, Companhia das Letras, 2000.. The concept of development. Handbook of development economics. Amsterdam, North Holland, v. 1, 1988.

STEFANUTTI, P.; KLAUCK, S.; GREGORY, V. Reflexões para uma abordagem alimentar: sociedade, cultura e fronteiras. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 13, n. 3, p. 519-533, 2018. ISSN 2238-913X.

SWINBURN, B. A. et al. The Global Syndemic of Obesity, Undernutrition, and Climate Change: The Lancet Commission report. The Lancet, v. 393, n. 10173, p. 791-846, 2019. ISSN 01406736.

VAN DER PLOEG, J. D. Camponeses e Impérios Alimentares; lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalicação. UFRGS Editora, 2008. ISBN 853860029X.

______. From biomedical to politico-economic crisis: the food system in times of Covid-19. The Journal of Peasant Studies, v. 47, n. 5, p. 944-972, 2020. ISSN 0306-6150.

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

BARANCELLI, M. D. C.; GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. O consumo alimentar em gestantes no Brasil: Uma análise a partir dos dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 29, n. 3, 2023. DOI: 10.35699/2316-770X.2023.40503. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/40503. Acesso em: 3 mar. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)