Uma história para comparar

A questão alimentar no Brasil e no México, 1935-1979: políticas, instituições e campanhas governamentais

Autores

  • Luis Ozmar Pedroza Ortega Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2023.40531

Palavras-chave:

alimentação, nutrição, agricultura, Políticas Públicas

Resumo

Este artigo é um exercício comparativo sobre os processos ocorridos no Brasil e no México, no período 1935-1979, que envolveram a ação de políticas e campanhas institucionais em torno da questão alimentar. A principal abordagem do estudo é a importância da alimentação como problema social na região da América Latina. A análise das diferentes políticas públicas aplicadas durante grande parte do século XX, em perspectiva comparada nesses países, contribui para a compreensão das formas como tem acertado e errado na tentativa de corrigir os diversos problemas relacionados à alimentação , por estar vinculado ao desenvolvimento institucional da nutrição, à ação dos organismos internacionais e à tecnificação agrícola. Dessa forma, o estudo oferece uma revisão das políticas, instituições e campanhas governamentais que tentaram regular o acesso aos alimentos e divulgar hábitos alimentares saudáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUILAR-RODRÍGUEZ, S. Cooking Modernity: Nutrition Policies, Class, and Gender in 1940s and 1950s Mexico City. The Americas, v. 64, n. 2, p. 177-205, 2007.

AGUILERA, S.; SALDAÑA, J. Estado, comunidad médica e institucionalización de los estudios sobre nutrición en México (1937-1957). In: SALDAÑA, J. (coord.). La Casa de Salomón en México. Estudios sobre la institucionalización de la docencia y la investigación científicas. México: UNAM, 2005. p. 369-408.

AMORIM, H. Em tempos de guerra: Josué de Castro e as políticas públicas de alimentação no Estado Novo. CLIO: Revista de Pesquisa Histórica, n. 35, pp. 51-75, 2017.

BOURGES, H.; CASANUEVA, E. Reseña histórica sobre la Nutriología en México. In: BOURGES, H.; BENGOA, J.; O’DONELL, A. (coords.). Historias de la Nutrición en América Latina. México: Sociedad Latinoamericana de Nutrición-Fundación Cavendes-INCMNSZ-CESNI, 2001. p. 176-216.

CARVALHO, A. A. O pão nosso de cada dia nos dai hoje... Josué de Castro e a Inclusão da Fome nos Estudos Geográficos no Brasil. 2007. 137 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2007.

CASTRO, J. Geografia da fome o dilema brasileiro, pão ou aço. Rio de Janeiro: Livrario-Editôra da Casa do Estudiante do Brazil, 1952.

_____. Condições de Vida das Classes Operárias no Recife. Recife: Departamento de Saúde Pública, 1935.

COIMBRA, Marcos. Comer e aprender. Uma história da alimentação escolar no Brasil. Belo Horizonte: Ministério de Educação e Cultura-Instituto Nacional de Assistência ao Estudante, 1982.

EVANGELISTA, A. M. Arroz e feijão, discos e livros: História e memórias do Serviço de Alimentação da Previdência Social, SAPS (1940-1967). 2012. 262 f. Tese (Doutorado em História Social) Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, 2012.

FLEXOR, G.; GRISA, C. Políticas de seguridad alimentaria y agricultura familiar en Brasil: actores, ideas e instituciones. América Latina Hoy, v. 74, p. 39-53, 2016.

PEDROZA, L. O. Mejor comida para todos. La alimentación mexicana en campañas de higiene, nutrición y promocionales de la CONASUPO (1960-1988). 2020. 517 f. Tesis (Doctorado en Historia Moderna y Contemporánea) Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora, 2020.

PILCHER, Jeffrey M. ¡Vivan los tamales! La comida y la construcción de la identidad mexicana. México: Ediciones de la Reina Roja-CONACULTA-CIESAS, 2001.

Downloads

Publicado

2023-10-31

Como Citar

PEDROZA ORTEGA, L. O. Uma história para comparar: A questão alimentar no Brasil e no México, 1935-1979: políticas, instituições e campanhas governamentais. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 29, n. 3, 2023. DOI: 10.35699/2316-770X.2023.40531. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/40531. Acesso em: 3 mar. 2024.