POR UMA UNIVERSIDADE MAIS DIVERSA

A POLÍTICA DE COTAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Autores

  • Raquel da Silva Silveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Raquel Guerreiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Leandro Peratz Gomes Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.35699/2318-2326.2021.25605

Palavras-chave:

Deficiência, Política de cotas, Extensão Universitária, Capacitismo

Resumo

O tema da deficiência ganha mais corpo e relevância no cotidiano das universidades a partir da política de cotas para pessoas com deficiência em 2016. A presença desses/as estudantes desafia os modos de estruturação da universidade. O objetivo deste artigo é relatar, a partir do ingresso do primeiro cotista por deficiência no curso de psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul [UFRGS], a criação do Coletivo de Extensão e Pesquisas Anticapacitistas [CEPAC] dentro de um programa de extensão. O referencial teórico metodológico é da Psicologia Social e Institucional, do Modelo Social da Deficiência, sob uma perspectiva interseccional de raça e gênero. Através de grupo de estudos e participação em aulas de graduação, o CEPAC tem discutido e difundido saberes sobre a deficiência no Instituto de Psicologia da UFRGS, despertando o interesse acerca deste tema. Destacamos a importância do tripé ensino-pesquisa-extensão para uma formação acadêmica crítica e transformadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel da Silva Silveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora do Curso de Psicologia

Raquel Guerreiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul


Doutoranda do PPG em Psicologia Social e Institucional

Leandro Peratz Gomes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduando de Psicologia

Referências

Brah, A. (2006). Diferença, Diversidade, Diferenciação. Cadernos Pagu 26, janjun, 329–76.

Buzar, F. J. R. (2012). Interseccionalidade Entre Raça e Surdez: A Situação de Surdos(as) Negros(as) Em São Luís-MA. UNB - Universidade de Brasília.

Cambraia, M. I. A. (2018). Avaliação Dos Sintomas de Depressão Na Deficiência Visual: Estudo Sobre a Cegueira. Universidade Federal do Amapá.

Carneiro, S. (2005). A Construção Do Outro Como Não-Ser Como Fundamento Do Ser. Universidade de São Paulo.

Gandolfo, C. M. I.; Auad, J. C.; Vasconcelos, L.; Macêdo, A.; Bressanelli, R. (2010). Avaliação Da Depressão Em Pacientes Com Lesão Medular. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva 12(1–2), 43–59.

Crenshaw, K. (2002). Documento Para o Encontro de Especialistas Em Aspectos Da Discriminação Racial Relativos Ao Gênero. Revista Estudos Feministas 10(1), 171–88.

Cruz, D. M. C.; Silva, J. T.; Alves, H. C. (2007). Evidências Sobre Violência e Deficiência: Implicações Para Futuras Pesquisas. Revista Brasileira de Educação Especial 13, 131–46.

Dantas, T. C.; Silva, J. S. S.; Carvalho, M. E. P. (2014). Entrelace Entre Gênero, Sexualidade e Deficiência: Uma História Feminina de Rupturas e Empoderamento. Revista Brasileira de Educação Especial 20(4), 555–68.

Dias, A. (2013). Por Uma Genealogia Do Capacitismo: Da Eugenia Estatal à Narrativa Capacitista Social. Anais Do I Simpósio Internacional de Estudos Sobre a Deficiência–SEDPcD/Diversitas/USP Legal–São Paulo (016), 1–15.

Diniz, D. (2007). O Que é Deficiência. 1o. São Paulo: Braziliense.

Freire, P. (1967). Educação Como Prática Da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1983). Extensão Ou Comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P.; Antonio, F. (1985). Por Uma Pedagogia Da Pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Guimarães, A. S. A. (2016). Formações Nacionais de Classe e Raça. Tempo Social 28(2).

Haraway, D. (1995). Saberes Localizados: A Questão Da Ciência Para o Feminismo e o Privilégio Da Perspectiva Parcial. Cadernos Pagu (5), 07–41.

Hooks, B. (2019). Ensinando a Transgredir: A Educação Como Prática Da Liberdade. 3a. São Paulo: Martins Fontes.

Machado, L. B.; Albuquerque E. R.. (2012). Inclusão de Alunos Com Deficiência Na Escola Pública: As Representações Sociais de Professoras. Revista Diálogo Educacional 12(37), 1085–1104.

Mello, A. G., Nuernberg,A. H.; Pamela Block. (2019). Os Estudos Sobre Deficiência No Brasil: Passado, Presente e Futuro. Journal of Chemical Information and Modeling 53(9), 1689–1699.

Mello, A. G. (2016). Deficiência,Incapacidade e Vulnerabilidade: Do Capacitismo Ou a Preeminência Capacitista e Biomédica Do Comitê de Ética Em Pesquisa Da UFSC. Ciência e Saúde Coletiva 21(10), 3265–3276.

Nascimento, A. (2014). Quilombismo: Um Conceito Emergente Do Processo Histórico-Cultural Da População Afro-Brasileira. In: Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora, E. Larkin Nascimento. São Paulo: Selo Negro.

Othero, M. B.; Dalmaso, A. S. W. (2009). Pessoas Com Deficiência Na Atenção Primária: Discurso e Prática de Profissionais Em Um Centro de Saúde-Escola. Interface: Communication, Health, Education 13(28), 177–88.

Pereira, M. M. (2008). Ações Afirmativas e a Inclusão de Alunos Com Deficiência No Ensino Superior Resumo : Affirmative Action and the Inclusion of Special Needs Students in Higher Education Abstract : Ponto de Vista 19–38.

Petten, A. M. V. N; Costa, T. C.; Borges A. A. P. (2018). Política de Cotas Na Universidade Federal de Minas Gerais: Uma Análise Do Perfil Dos Alunos Com Deficiência. Revista Diálogos e Perspectivas Em Educação Especial 5(1), 127–40.

Publicado

2021-07-14

Como Citar

SILVEIRA, R. da S. .; GUERREIRO, R.; GOMES, L. P. POR UMA UNIVERSIDADE MAIS DIVERSA: A POLÍTICA DE COTAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 22–59, 2021. DOI: 10.35699/2318-2326.2021.25605. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/25605. Acesso em: 19 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos