VALORIZAÇÃO DO TRABALHO DOS PROFESSORES DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO MUNICÍPIO DE JACOBINA-BAHIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.25091

Palavras-chave:

Valorização docente, Atendimento Educacional Especializado, Trabalho docente

Resumo

O objetivo deste artigo foi conhecer a valorização do trabalho realizado pelo Atendimento Educacional Especializado pelos diversos “atores” que permeiam o ambiente escolar, a partir da ótica dos próprios professores de AEE. Foram selecionados quatorze docentes que estavam dentro do seguinte critério: professores que trabalhem com AEE nas escolas municipais de Jacobina, estado da Bahia. Foi aplicado um questionário com perguntas fechadas. De acordo com os dados levantados é possível resumir que a maior valorização que as professoras de AEE perceberam de seu trabalho vem dos seus próprios alunos. Em seguida, levando em consideração a porcentagem de respostas dentro dos itens “muito valorizado” e “valorizado em parte” foram na ordem: familiares dos alunos de AEE e diretor(a) da escola. Em seguida tem o(a) coordenador(a) pedagógico(a) e os outros funcionários da escola (pessoal da portaria, limpeza e merenda), sendo que os dois primeiros apresentam respostas na opção “indiferente”. Apenas os professores e alunos da sala regular tiveram a opção “desvalorizado” entre as respostas das docentes de AEE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osni Oliveira Noberto da Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Departamento de Ciências Humanas, Campus IV, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Líder do Grupo de estudos, pesquisa e extensão em Educação Especial e Educação Física adaptada (GEPEFA) e integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Theresinha Guimarães Miranda, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, com pós-doutorado pela Umeå University, Suécia. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Miguel Angel Garcia Bordas, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Doutor em Filosofia pela Universidad Complutense de Madrid, com pós-doutorado pela Universitat Autònoma de Barcelona, Espanha. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integrante do Grupo de estudos sobre Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais (GEINE).

Referências

ABRÃO, Ruhena Kelber; DUARTE, Marisol Maiche. O papel da afetividade no processo ensino e aprendizagem da criança com deficiência. Revista UNIABEU, v. 10, n. 24, janeiro-abril de 2017.

BRASIL. Decreto nº 7.611/2011 de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências.

CARVALHO, Elma Júlia Gonçalves de, WONSIK, Ester Cristiane. Políticas educacionais atuais: valorização ou precarização do trabalho docente. Revista Contrapontos - Eletrônica, v. 15 - n. 3 - Itajaí, set-dez 2015.

CHAGAS, Rafaella Pereira; GONÇALVES, Kézia Viana. A docência frente aos desafios e possibilidades de um ensino de qualidade no Atendimento Educacional Especializado. In: Anais do I Colóquio em Atendimento Educacional Especializado da Universidade Federal Rural do Semi-Árido- UFERSA. 2017.

COSTA, Erika de Souza. A inclusão do alunado do atendimento educacional especializado no município do Rio de Janeiro. 2015. 94 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio De Janeiro. Rio de Janeiro.

DELEVATI, Aline de Castro. AEE: que “atendimento” é este? As configurações do atendimento educacional especializado na perspectiva da rede municipal de ensino de Gravataí/RS. 2012, 144 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre/RS.

FUCK, Andréia Heiderscheidt. A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum. Anais do X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/home-cidades. Acesso em: 10 abr. 2019.

JORDÃO; Suelen Garay Figueiredo; SILVEIRA, Tatiana dos Santos da Silveira; HOSTINS, Regina Célia Linhares. Políticas de inclusão escolar e a formação do professor das salas de recursos multifuncionais (SRMS). Anais da 36ª Reunião Nacional da ANPEd – 29 de setembro a 02 de outubro de 2013, Goiânia-GO.

LUNA, Christiane Freitas. Sala de Recursos Multifuncionais (SRM): uma política pública em ação no Sudoeste Baiano. 2015. 223 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal da Bahia. Salvador.

LUNARDI-LAZZARIN, Márcia Lise; HERMES, Simoni Timm. Educação Especial como campo de saber e poder nas políticas de inclusão escolar. Revista Contrapontos, Vol. 17, n. 2, Itajaí, Abr – Jun, 2017.

MANTOAN, Maria Tereza Eglér; PRIETO, Rosangela Gavioli; ARANTES, Valéria Amorim (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

MAUCH, Carla; SANTANA, Wagner. Escola para todos: experiências de redes municipais na inclusão de alunos com deficiência, TEA, TGD e altas habilidades – Brasília: UNESCO, 2016. 100 p.

NASCIMENTO, Jhonnys Ferreira do; ESTEVÃO, Ady Canário de Souza. A identidade profissional de professoras do AEE: entre o saber-ser e o saber-fazer (auto)biográfico. In: Anais do I Colóquio em Atendimento Educacional Especializado da Universidade Federal Rural do Semi-Árido-UFERSA. 2017.

NAUJORKS, M. I. Stress e Inclusão: indicadores de stress em professores frente a inclusão de alunos com necessidades especiais. Cadernos de Educação Especial, Santa Maria - RS, vol. 20, p. 117-125, 2002.

OLIVEIRA, Naira Maria da Silva. O professor do atendimento educacional especializado: atuação e representações sociais. 49 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar). Universidade de Brasília, Brasília. 2015.

PALMA, Debora Teresa. Escolas do campo e atendimento educacional especializado em sala de recursos multifuncional. 2016. 142 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual Paulista Júlio De Mesquita Filho. Araraquara.

PORTO, Patrícia Padilha. Caracterização do Atendimento Educacional Especializado em Sala de Recursos Multifuncional: Um Estudo Do Contexto Paranaense. 2014. 139 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Londrina. Londrina.

RIBEIRO, Ruth Barbosa de Araújo. Conscientizacao e autonomia: desafios e possibilidades na formação continuada do professor de Atendimento Educacional Especializado (AEE). 2015. 107 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa.

SANTOS, Juliana Testoni dos. Professoras Atuantes no Atendimento Educacional Especializado e suas Histórias de Vida: Um Estudo sobre Identidade Docente. 2016. 114 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade da Região de Joinville, Joinville.

SIEMS; Maria Edith Romano. Educação especial em tempos de educação inclusiva: a identidade docente em questão. Linhas Críticas, Brasília, v. 14, n. 27, p. 209-226, jul./dez. 2008.

SILVA, Márcia Rodrigues da. Formação dos professores de Atendimento Educacional Especializado de Goiás. 194 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Goiás. Goiânia. 2014.

SOUSA, Rosiane Costa de Sousa; SOUZA, Elizeu Clementino de. Adoecimento e condições de trabalho docente: narrativas (auto)biográficas e cuidados de si. Revista del IICE, nº 41, Enero-junio, 2017.

TOSTES, Maiza Vaz et al. Sofrimento mental de professores do ensino público. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 116, p. 87-99, Jan. 2018.

Downloads

Publicado

2021-05-19

Como Citar

SILVA, O. O. N. da; MIRANDA, T. G.; BORDAS, M. A. G. VALORIZAÇÃO DO TRABALHO DOS PROFESSORES DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO MUNICÍPIO DE JACOBINA-BAHIA. Trabalho & Educação, [S. l.], v. 30, n. 1, p. 57–67, 2021. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.25091. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/25091. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS