A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOS LICENCIADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA

INFORMALIDADE E O DISTANCIAMENTO DO CONTEXTO ESCOLAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.32933

Palavras-chave:

Precarização do Trabalho, Professor, Educação Física

Resumo

Resulta de uma investigação realizada com licenciados em Educação Física que atuam em diversos setores de trabalho dessa área de conhecimento. O objetivo geral desta pesquisa foi averiguar se a precarização do trabalho na Educação Física tende a distanciar os professores dos setores relacionados ao terreno pedagógico escolar. Justificou-se a investigação com suporte nas transformações ocorridas na Educação Física e no mundo do trabalho, em que se percebem mudanças no status docente, na relação entre sociedade e Educação Física, bem como é notória uma precarização do trabalho em todos os setores deste locus do saber parcialmente ordenado. O estudo foi realizado por meio de uma busca de campo, efetuada com 15 licenciados em Educação Física atuantes no Município de Iguatu - CE. O instrumento utilizado na recolha de dados foi a entrevista semiestruturada, tendo-se recorrido, para exame dos indicadores, ao método histórico dialético, pois entende-se que o citado recurso possibilita enxergar o fenômeno investigado mais a fundo, procurando descobrir o que está por trás das aparências do objeto investigado. Nos achados, percebeu-se, de maneira geral, que os licenciados estão buscando setores laborais fora do contexto escolar por motivos associados a melhores salários e afinidade com a área da saúde-fitness. Constatou-se que os professores, em sua maioria, tendem a escolher a escola como local de trabalho, unicamente por fatores ligados à estabilidade financeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Edilene Araújo Silva, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Mestra em Educação e Ensino pela Universidade Estadual do Ceará, Graduação em Educação Física pela Universidade Regional do Cariri. Professora Temporária do Curso de Graduação em Educação Física da Universidade Regional do Cariri (Campus Iguatu)

Antonia Solange Pinheiro Xerez , Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Pós-Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutora em Educação pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Professora do curso de Pedagogia do Centro de Educação da UECE e do Mestrado Acadêmico Intercampi de Educação e Ensino MAIE/UECE.

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do Trabalho: ensaios sobre a negação e afirmação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, DE 07 de abril de 2016 disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf acessado em: 18/12/2019.

BOTH, V.J. Crise estrutural do capital, mudanças no mundo do trabalho e suas mediações na Educação Física. Revista Motrivivência, Ano XXIII, Nº 36, P. 45-62 Jun./2011.

CASTELLANI FILHO, L. et al. Metodologia do Ensino da Educação Física. 2. ed. Revisada. São Paulo: Cortez, 2009.

FREITAS, H.B. A importância do Espaço Físico e Materiais Pedagógicos para as Aulas de Educação Física na Escola Pública do Município de Unaí – MG. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação). Universidade de Brasília. Faculdade de Educação Física. Curso de Buritis – MG. BURITIS – MG, 2014.

FRIZZO, G.F.E. A Organização do Trabalho Pedagógico da Educação Física na Escola. 264 f. Orientador: Vicente Molina Neto. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano, Porto Alegre, BR-RS, 2012.

GATTI, B.A. BARRETO, E.S.S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOIS JUNIOR, E. LOVISOLO, H.R. A Educação Física e concepções higienistas sobre raça: uma reinterpretação histórica da Educação Física brasileira dos anos de 1930. Rev. Port. Cien. Desp. v.5 n.3. Porto, set. 2005.

LAKATOS, E.M. Fundamentos da metodologia cientifica. 7. ed. São Paulo: Atlas 2010.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MARX, K. O capital. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Boitempo, 894p. 2011.

MACHADO, L.M.C. Professores e sua Escolha pela Docência. In: Anais Formação de Professores: contexto, sentidos e práticas. XIII Congresso Nacional de Educação. IV Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação. Curitiba Paraná 2019.

MELO, D.S. Profissão Docente: um estudo sobre a desvalorização/valorização da carreira. In: Jornada Baiana de Pedagogia, 26 a 28 de abril de 2016, Ilhéus, Bahia. Disponível em: https://docplayer.com.br/56461973-Profissao-docente-um-estudo-sobre-a-desvalorizacao-valorizacao-da-carreira.html Acessado em: 15/12/2019.

MUSSI, A.A. Profissionalidade Docente: um Olhar sobre a Formação e Condição de Trabalho do Professor da Escola Pública Baiana. Anais: XII Colóquio Nacional e V colóquio Internacional do Museu Pedagógico. 26 a 29 de setembro de 2017.

NOZAKI, H.T. Educação Física e Reordenamento no Mundo do Trabalho: mediações da regulamentação da profissão. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFF, 2004.

OLIVEIRA, Y.F. Educação Física: uma invenção do capitalismo? Anais: IV Seminário Nacional Corpo e Cultura, 25 a 27 de Abril de 2013 - FE/UFG. IV Seminário Nacional Corpo e Cultura FE/UFG abril 25, 2013 – abril 27, 2013.

PATRICIO, J.B. A Influência da Mídia na Academia: reflexos no cotidiano de praticantes de exercícios físicos. Trabalho de Conclusão de Curso Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. Criciúma, dezembro de 2012.

PRADO, A.F. COUTINHO, J.B. REIS, O.P.O. VILLALBA, O.A. Ser Professor na Contemporaneidade: Desafios da Profissão. Revista Eletrônica - Múltiplo Saber. Vol. 21 N.1 - Julho/Agosto/Setembro, 2013. Disponível em: https://www.inesul.edu.br/site/revista_eletronica.php?vol=25

RODRIGUES, G.S. MENDES, D.E.S. Infraestrutura para Educação Física Escolar: implicações na prática pedagógica do professor de Educação Física. 2012. Disponível em https://paginas.uepa.br/ccbs/edfisica/files/2012.1/GLEYCIANE_RODRIGUES.pdf Acessado em 15/12/2019.

SAUER, R. LACKS, S. Educação Física e as Problemáticas Significativas do Trabalho Docente. Anais: XVI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e III Congresso Internacional de Ciências do Esporte Salvador – Bahia – Brasil 20 a 25 de setembro de 2009.

SANTOS JUNIOR et al. A Base Conceitual Sobre a Formação de Professores e Militantes Culturais. In: COLAVOLPE, C.R.; TAFFAREL, C. N.; e SANTOS JÚNIOR, C.L. (Org.). Trabalho pedagógico e formação de professores militantes culturais: construindo políticas públicas para a Educação Física, esporte e lazer. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 33-46.

SHERER, A. Educação Física e os Mercados de Trabalho no Brasil: quem somos, onde estamos e para onde vamos? In: Formação Profissional em Educação Física e Mundo do Trabalho / FIGUEIREDO, Zenólla Christina Campos. Organizadora. Vitória: Gráfica da Faculdade Salesiano. 266p. 2005.

SILVA, O.O.N. Licenciatura e Bacharelado em Educação Física: diferenças e semelhanças. Revista Espaço Acadêmico, nº 124, setembro de 2011.

SOARES, C.L. Educação Física: raízes europeias e Brasil/Carmen Lucia Soares; prefácios Denise Bernuzzide Sant'Anna e Dulce Maria Pompeo de Camargo. 5. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. - (Coleção educação contemporânea)

SOUSA, N.V.F. Perfil do Personal Trainer e de Seus Alunos na Cidade de Goianésia e Região. Monografia. Faculdade de Educação Física. Licenciatura em Educação Física – Universidade Federal de Goiás. Goianésia 2013.

SOUSA SOBRINHO, J.P. Formação em Educação Física: uma análise à luz da centralidade do trabalho. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza, 2009.

TAVARES, M.A. Trabalho Informal: os fios (in)visíveis da produção capitalista. Revista outubro. N. 7. 2002. P. 49-60.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

SILVA, M. E. A.; XEREZ , A. S. P. A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOS LICENCIADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA: INFORMALIDADE E O DISTANCIAMENTO DO CONTEXTO ESCOLAR. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, p. 83–101, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.32933. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/32933. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.