PERCEPÇÕES DE INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA NO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NA LITERATURA ACADÊMICA / Perceptions about the childhood and adolescence in the MST (Landless Workers Movement) in the academic literature

Autores

  • Larissa Escarce Bento Wollz Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Eduardo Navarro Stotz Escola Nacional de Saúde Pública - Fiocruz
  • Mary Rangel Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Infância, Adolescência, MST

Resumo

Este artigo consiste numa revisão na literatura acadêmica relacionada ao campesinato e sobre as percepções de infância e adolescência no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e dos seus sentidos sociais e culturais. Buscamos consubstanciar as conceituações de campesinato propostas por Marx e Chayanov, assim como os aspectos históricos e econômicos da questão agrária relacionadas à luta pela terra no Brasil. O estudo está dividido em cinco etapas: "Camponeses, cultura e transformação social"; "Alguns aspectos do pensamento de Marx e Chayanov"; "A questão agrária e o campesinato no Brasil"; "As lutas camponesas e uma breve contextualização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra"; e "Percepções de Infância e Adolescência no Movimento do Trabalhadores Rurais Sem Terra na literatura acadêmica". A partir dessa especificação do tema foi possível perceber o descompasso entre a sua relevância social e a escassez na produção acadêmica no campo da Saúde Coletiva e nas políticas públicas acerca do universo simbólico do campesinato constituído pelo MST desde o seu surgimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Escarce Bento Wollz, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda em Ciências/Pesquisa sobre Informação e Educação em Saúde e Mestrado em Ciências/Psicanálise e Saúde do Adolescente, ambos pela UERJ; Psicóloga com Especialização em Adolescência e Saúde do Trabalhador.

Eduardo Navarro Stotz, Escola Nacional de Saúde Pública - Fiocruz

Doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Mestrado em História pela UFF, Pesquisador Titular e Professor da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, Linha de Pesquisa Educação e Saúde com ênfase nos estudos sobre Movimentos Sociais.

Mary Rangel, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pós-Doutorado em Psicologia Social pela PUCSP, Doutorado em Educação pela UFRJ, Professora Titular da Área de Ensino-Aprendizagem da UERJ/Cursos de Mestrado e Doutorado em Ciências Médicas/Linha de Pesquisa sobre Informação e Educação em Saúde, Professora Titular de Didática da UFF/Cursos de Mestrado e Doutorado em Educação/Linha de Pesquisa sobre Representações Sociais e Educação.

Downloads

Publicado

2013-05-11

Como Citar

WOLLZ, L. E. B.; STOTZ, E. N.; RANGEL, M. PERCEPÇÕES DE INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA NO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NA LITERATURA ACADÊMICA / Perceptions about the childhood and adolescence in the MST (Landless Workers Movement) in the academic literature. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 22, n. 2, p. 51–65, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9055. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS