PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE E FORMAÇÃO DO SUJEITO CRÍTICO: (IM)POSSIBILIDADES E (DES)CAMINHOS / Precariousness of teaching work and formation of the critical subject: (im)possibilities and (un)ways

Autores

  • Jessica Nascimento Rodrigues Colégio Pedro II
  • Mary Rangel UFF

Palavras-chave:

Precarização do trabalho docente, Formação do sujeito crítico, Ideologia. | Precariousness of teaching work, Formation of the critical subject, Ideology.

Resumo

This article consists of the discussion and the results of a doctorate research in education. This study aimed to examine the discourses of teachers of Portuguese Language of three schools of Niterói-RJ about the formation of a literate critical subject, not excepting the analysis of the possibilities and limits of these practices. The literature review was divided into three sections: the current context of precariousness of teaching, making use of authors aligned to historical materialism and dialectical; the formation of a literate critical subject docks in Freire's contribution; the concepts of language and ideology under a Bakhtinian perspective. The population studied was the total group of teachers of Portuguese Language of the three schools. Data collection was limited to two phases: application of semi-structured questionnaires; realization of focus groups, whose interactions, based on a screenplay, were analyzed here. Teachers, while recognizing the importance of their work in dealing with language, for the formation of a literate critical subject, let ooze such necessity considering it utopian. This is an official ideology - the ideological phenomenon embodied in language - wet by the idea that changing the world is impossible. Liberating education for the critical role in the historical process is subsumed in pragmatism, in activism, because of (semi)generalized training and the actual conditions of poor public school.

___

Este artigo compõe parte da discussão e dos resultados de uma pesquisa de doutorado na área de educação. Objetivou-se examinar os discursos dos professores de Língua Portuguesa de três escolas municipais de Niterói-RJ acerca da formação do sujeito crítico letrado, sem excetuar a análise das possibilidades e dos limites dessas práticas. A revisão de literatura se dividiu em três seções: o contexto atual de precarização do trabalho docente, lançando mão de autores alinhados ao materialismo histórico e dialético; a formação do sujeito crítico letrado com ancoragem no aporte freireano; os conceitos de linguagem e de ideologia sob a perspectiva bakhtiniana. A população estudada foi o grupo total de professores de Língua Portuguesa das três escolas. A coleta de dados se limitou a duas fases: aplicação de questionários semiestruturados; realização de grupos focais, cujas interações, com base em um roteiro, foram aqui analisadas. Os professores, embora reconheçam a importância de seu trabalho no trato com a linguagem, para a formação do sujeito crítico letrado, deixam esvair tal necessidade considerando-a utópica. Trata-se de uma ideologia oficial - do fenômeno ideológico materializado na linguagem - molhada da ideia de que mudar o mundo é impossível. A educação libertadora para a atuação crítica no processo histórico é subsumida no praticismo, no ativismo, em razão da (semi)formação generalizada e das condições concretas de uma escola pública precária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessica Nascimento Rodrigues, Colégio Pedro II

Doutoranda em Educação pela UFF, Mestre em Educação pela UFRRJ, Especialista em Educação pela UFLA, Licenciada em Letras pela UEMG. Professora efetiva de Língua Portuguesa e Literaturas do Colégio Pedro II, integra os grupos de pesquisa Representação, Imaginário e Educação, da UFF, Estudos e Pesquisas em Educação Ambiental, Diversidade e Sustentabilidade, da UFRRJ, e Saúde Social: Diversidade, Inclusão e Resiliência, da UERJ.

Mary Rangel, UFF

Possui Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pós-Doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pesquisadora Nível 2 do CNPq. Professora Titular de Didática da Universidade Federal Fluminense e Titular da Área de Ensino-Aprendizagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem livros e artigos publicados na área de Educação sobre representações sociais, preconceito, diversidade e escola, educação inclusiva, supervisão pedagógica, implementando pesquisas sobre esses mesmos temas. É líder dos grupos de pesquisa sobre Representação, Imaginário Social e Educação (Universidade Federal Fluminense/CNPq) e sobre Saúde Social: Diversidade, Inclusão, Resiliência (Universidade do Estado do Rio de Janeiro/CNPq). Editora da Revista Conhecimento & Diversidade do Centro Universitário La Salle, RJ, ISSN versão impressa: 1983-3695; ISSN versão online: 2237-8049.

Downloads

Publicado

2016-03-03

Como Citar

RODRIGUES, J. N.; RANGEL, M. PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE E FORMAÇÃO DO SUJEITO CRÍTICO: (IM)POSSIBILIDADES E (DES)CAMINHOS / Precariousness of teaching work and formation of the critical subject: (im)possibilities and (un)ways. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 123–141, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9434. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.