CULTURA DIGITAL E EDUCAÇÃO ABERTA

AS CURADORIAS DIGITAIS COMO INTER E INTRAFACES DO ENSINO HÍBRIDO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2019.9861

Palavras-chave:

Educação Aberta, Cultura Digital, Curadoria digital educacional

Resumo

 

O presente texto é fruto das pesquisas realizadas ao longo das últimas duas décadas, mas especialmente aquelas empreendidas entre 2015 e 2016, período da realização do pós-doutoramento na Universidade de Lisboa, fomentado pela CAPES. A abordagem toca a Curadoria Digital na Educação, em articulação com a Cultura Digital e a Educação Aberta, conceitos focos de estudos e produções. O mundo dos APP (aplicações/software para computadores, celulares e tablets) tem modificado nossas relações em dimensões variadas. No campo da educação, três questões são essenciais para os processos de ensino e aprendizagem: a) saber o que fazer com tais recursos e dados nos espaços pedagógicos; b) incorporá-los às práticas e às didáticas; c) compreender que eles já são parte da vida das pessoas. Os estudos sugerem que ações pedagógicas decorrentes da (trans) formação de professores/as para uma Educação Aberta na cultura digital ainda carecem de investimentos. As curadorias digitais educacionais podem ser potentes auxiliares nas pesquisas e na produção de conhecimentos, com vistas ao desenvolvimento de autorias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Rocha Bruno, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Pós-doutora em Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa-PT, Doutora e Mestre em Educação: Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e licenciada em Pedagogia. É professora Adjunta do Depto. de Educação, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), professora dos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Gestão e Avaliação da Educação Pública - ambos da UFJF. É líder do Grupo de Pesquisa Aprendizagem em Rede - GRUPAR. Foi Bolsista CAPES (Proc. n. 523/2015-01) no período de 2015-2016, com fomento para a realização do Pós-doutoramento na UL-Portugal.

Referências

BRUNO, Adriana Rocha. Docência on-line: devires emergentes no processo de aprendizagem do educador em ambientes digitais em rede. In: ARRUDA, Eucídio P. Educação a Distância no Brasil: a Pedagogia em foco. Uberlândia/MG: EDUFU, 2014.

BRUNO, Adriana Rocha. Educação, cibercultura e espaços formativos abertos no ensino superior. Revista Docência do Ensino Superior. v 7, n. 2, 2017. Entrevista concedida a Marcos Vinícius Tarquínio e Kênia Aulízia Herédia. Disponível em: <https://seer.ufmg.br-/index.php/rdes/article/view/9822/7682>. Acesso em: 10 maio 2018.

BURKE, Peter. Peter Burke: “Você não sabe mais que seus ancestrais” [16/05/2017]. Revista Época. 2017.

Entrevista concedida a Flavia Yuri Oshima. Disponível em: <https://epoca.globo.com/educacao/noticia/2017/05/peter-burke-voce-nao-sabe-mais-que-eusancestrais.html>. Acesso em: 15 mar. 2018.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas - estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1997. p.283-350: Culturas híbridas, poderes oblíquos. Disponível em: <http://www.cdrom.ufrgs.br-/garcia/garcia.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2018.

CANCLINI, Nestor G. Entrevista con Néstor García Canclini: La disolución del campo cultural. [05/01/2018]. Revista Ñ. 2018. Entrevista concedida a Juan Mendoza. Disponível em: <https://www.clarin.com/revista-enie/ideas/disolucion-campo-cultural_0_HykCd8TmM.html> Acesso em: 15 mar. 2018.

CANEVACCI, Massimo. Um novo pensamento científico para o contexto da cultura digital. 2013. Disponível em: <http://www.iea.usp.br/noticias/massimo-canevacci>. Acesso em: 10 mar. 2018.

CANEVACCI, Massimo. A dimensão do espaço-tempo na cultura digital. 2015. Disponível em: <http://www.iea.usp.br/noticias/ica-massimo-canevacci>. Acesso em: 10 mar. 2018.

D’AMBROSIO, Ubiratan. A metáfora das gaiolas epistemológicas e uma proposta educacional. Perspectivas da Educação Matemática, Campo Grande, UFMS, v. 9, n. 20, 2016. Disponível em: <http://seer.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/2872/2234>. Acesso em: 10 mar. 2018.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de Eloísa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 2008.

GERE, Charlie. Digital Culture. London: Reaktion Books, 2002.

GERE, Charlie. Algunas reflexiones sobre la cultura digital. Digithum, n. 12, p. 3-7, 2010.

Disponível em: <http://openaccess.uoc.edu/webapps/o2/bitstream/10609/8800/2/n12-de-ladigitalizacion-de-la-cultura-a-la-cultura-digital.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2018.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Trad. Maria Cristina G. Monteiro. Porto Alegre: Penso, 2015.

LEMOS, André. Ciber-cultura-remix. In. Seminário Sentidos e Processos. São Paulo, 2005. Disponível em: <https://facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/remix.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2018.

LEMOS, André. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

LÉVY, Pierre. O que é cibercultura. SP: Editora 34, 1999.

LÉVY, Pierre. A Internet ainda está na sua pré-história. Entrevista concedida à Juremir Machado da Silva, em 11 de julho de 2016. Disponivel em: <https://blogs.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/2016/07/8818/entrevista-com-pierre-levy/>. Acesso em: 10 jul. 2018.

MACEDO, R. S. Atos de currículo e autonomia pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2013.

PORTAL DO BIBLIOTECÁRIO. Curadoria digital: uma introdução. Site desenvolvido por Felipe Araujo Soares. 2015. Disponível em: <http://portaldobibliotecario.com/base-dedados/curadoria-digital-uma-introducao/>. Acesso em: 10 jul. 2018.

REZENDE, Eliana. Curadoria de Conteúdos: O que é? Quem faz? Como faz?. 2016. Disponível em: <http://eliana-rezende.com.br/curadoria-de-conteudos-o-que-e-quem-faz-comofaz/>. Acesso em: 10 jun. 2018.

ROGERS, Carl R. Tornar-se pessoa. Trad. Ferreira, M. J. C. São Paulo: Martins Fontes, 1961.

SANTAELLA, Lucia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do póshumano. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 10, n. 22, p. 23-32, 2003. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/3229/2493>. Acesso em: 10 jan. 2018.

SANTAELLA, Lucia. A ecologia pluralista das mídias locativas. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 15, n. 37, p. 20-24, 2008. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br-/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/4795> Acesso em: 10 jan. 2018.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu S.; SANTANA, Bianca. Diversidade digital e cultura. 2007.

Disponível em: <http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/25445-25447-1-PB.pdf> Acesso em: 15 mar. 2018.

Downloads

Publicado

2019-02-21

Como Citar

BRUNO, A. R. CULTURA DIGITAL E EDUCAÇÃO ABERTA : AS CURADORIAS DIGITAIS COMO INTER E INTRAFACES DO ENSINO HÍBRIDO. Trabalho &amp; Educação, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 115–126, 2019. DOI: 10.35699/2238-037X.2019.9861. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9861. Acesso em: 6 maio. 2021.